Edição digital
PUB
Media

Audiências TV: Big Brother mantém liderança nos reality shows

No passado domingo, dia 29 de outubro, a nova edição de Big Brother ficou à frente de Isto é Gozar Com Quem Trabalha com um rating  de 9,7 e um […]

Sónia Ramalho
Media

Audiências TV: Big Brother mantém liderança nos reality shows

No passado domingo, dia 29 de outubro, a nova edição de Big Brother ficou à frente de Isto é Gozar Com Quem Trabalha com um rating  de 9,7 e um […]

Sónia Ramalho
Sobre o autor
Sónia Ramalho
Artigos relacionados
Sandra Zárate assume direção de digital e marketing do Brico Depôt Iberia
Marketing
Solverde.pt lança terceira vaga de campanha criada pela Legendary (com vídeo)
Publicidade
IA generativa permite aumentar até 40% otimização do marketing de retalho
Marketing
Media Capital aguarda luz verde da ERC para anunciar novo canal. Impresa também reforça oferta no cabo
Media
Havas desvenda bastidores dos treinos dos atletas em campanha da YoPRO (com vídeo)
Publicidade
Festival continua a preferir campanhas que sensibilizam para questões sociais
Publicidade
Susana Ferreira da Silva e André Folque reforçam liderança da VML
Marketing
Publicidade digital cresce 20% em Portugal em 2024, prevê IPG Mediabrands
Publicidade
Madeira promove turismo com campanha digital da Bar Ogilvy para maiores de 55 anos
Publicidade
Audiências Euro 2024: Derrota de Portugal frente à França vista por mais de 5,4 milhões de telespetadores
Media

No passado domingo, dia 29 de outubro, a nova edição de Big Brother ficou à frente de Isto é Gozar Com Quem Trabalha com um rating  de 9,7 e um share de 18,6% face a um rating de 9,4 e um share de 18,1% do programa de Ricardo Araújo Pereira, que surge em terceiro lugar. No TOP 15 dos programas mais vistos, Hell’s Kitchen Famosos surge na sétima posição, com um rating  de 8,6 e um share de 21,2%.

Ainda assim, de acordo com dados da MediaMonitor, o programa mais visto do dia continua a ser o Jornal da Noite, da SIC, com um rating de 10,9 e um share de 18,9%.

PUB

Em quarto lugar na tabela de audiências do dia surge o Jornal Nacional, da TVI, com um rating de 9,3 e 16% de share, enquanto o Primeiro Jornal, da SIC, ocupou o quinto lugar, com um rating de 9 e um share de 23,3%.

O programa The Voice Portugal, da RTP, caiu para a décima quarta posição, com um rating de 6,1 e um share de 14,1%.

Feitas as contas ao total dos canais, a SIC conquistou um share de 14,7%, com a TVI a registar 13,7%. A RTP1 ficou-se pelos 8,9%. No cabo, a liderança continuou com a CMTV com 4,9%. A CNN Portugal surge em sétimo lugar com 2,3%, seguida pela SIC Notícias com 2,3 por cento.

Fonte: MediaMonitor/CAEM

Sobre o autorSónia Ramalho

Sónia Ramalho

Mais artigos
Artigos relacionados
Sandra Zárate assume direção de digital e marketing do Brico Depôt Iberia
Marketing
Solverde.pt lança terceira vaga de campanha criada pela Legendary (com vídeo)
Publicidade
IA generativa permite aumentar até 40% otimização do marketing de retalho
Marketing
Media Capital aguarda luz verde da ERC para anunciar novo canal. Impresa também reforça oferta no cabo
Media
Havas desvenda bastidores dos treinos dos atletas em campanha da YoPRO (com vídeo)
Publicidade
Festival continua a preferir campanhas que sensibilizam para questões sociais
Publicidade
Susana Ferreira da Silva e André Folque reforçam liderança da VML
Marketing
Publicidade digital cresce 20% em Portugal em 2024, prevê IPG Mediabrands
Publicidade
Madeira promove turismo com campanha digital da Bar Ogilvy para maiores de 55 anos
Publicidade
Audiências Euro 2024: Derrota de Portugal frente à França vista por mais de 5,4 milhões de telespetadores
Media
PUB
Marketing

Sandra Zárate assume direção de digital e marketing do Brico Depôt Iberia

A até agora diretora de digital e marketplace da cadeia de retalho do Kingfisher Group vai dirigir o departamento de Digital & Marketing da Brico Depôt Iberia, na sequência da divisão do departamento de Customer & Trading em duas áreas estratégicas, Comercial e Digital & Marketing

O Kingfisher Group nomeou Sandra Zárate, até agora diretora de digital e marketplace, como diretora do departamento de Digital & Marketing da Brico Depôt Iberia, uma nova estrutura que resulta da divisão do departamento de Customer & Trading em duas áreas estratégicas, Comercial e Digital & Marketing. Além da licenciatura em comunicação social, relações públicas e publicidade pela Universidad Católica Andrés Bello (UCAB), em Caracas, Sandra Zárate tem um mestrado em internet, comunicação, marketing e negócios na Universitat Autònoma de Barcelona (UAB).

“Assumo esta nova etapa com muito entusiasmo. Nos últimos anos, tive o privilégio de liderar a área de comércio eletrónico e de fazer parte de uma equipa altamente talentosa e empenhada. Continuaremos a conduzir a nossa estratégia omnicanal, aproveitando as oportunidades e superando os desafios que forem surgindo. O nosso principal objetivo é oferecer uma experiência de compra superior e reforçar o nosso posicionamento como uma referência no setor da bricolagem e da construção”, afirma a responsável, que também reforça a equipa de gestão da Brico Depôt Iberia como membro da direção-geral da empresa.

Sandra Zárate vai liderar um departamento de marketing centrado no cliente, com o objetivo de impulsionar a empresa através do desenvolvimento de um negócio de comércio eletrónico consolidado e líder de mercado. “A sua experiência, conhecimento e liderança vão fortalecer a marca Brico Depôt no mercado ibérico. Estamos muito confiantes de que a sua visão vai trazer novas perspetivas e estratégias que vão permitir impulsionar o crescimento da empresa e melhorar a experiência do cliente em todos os nossos canais”, refere Chris Bargate, CEO da Brico Depôt Ibéria.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Publicidade

Solverde.pt lança terceira vaga de campanha criada pela Legendary (com vídeo)

Lançada em televisão, digital e exterior, a campanha tem produção da Snowberry, direção de fotografia de João Castela e realização de Vladimiro Leopoldo. A nova campanha assinala os 3.000 jogos disponíveis na plataforma

A Solverde.pt acaba de lançar a nova vaga da campanha ‘Tens faro para a diversão? Então joga na Solverde.pt’, criada pela agência criativa Legendary. A campanha, produzida pela Snowberry, com direção de fotografia de João Castela e realização de Vladimiro Leopoldo, regressa para um terceiro filme publicitário, que assinala os 3.000 jogos disponíveis na plataforma de casino online.

O terceiro filme da campanha mostra um jogador online do casino Solverde.pt a farejar em algumas circunstâncias do seu dia a dia, como uma reunião no escritório e entre colegas de trabalho. Quando termina o dia, sai para o estacionamento, onde encontra um motoqueiro com um casaco de cabedal, com o desenho da dama de copas estampado nas costas. Um sinal de que deve apostar nesta carta.

Lançada em televisão, digital e suportes exteriores, a campanha está também a ser divulgada nos canais da marca de jogos online e dos seus parceiros.

A disponibilização de 3.000 jogos acontece na sequência das parcerias que a Solverde-pt estabeleceu ao longo dos primeiros seis meses de 2024, com oito novos estúdios de produção de jogos, como MGA Games, Endorphina, Spinberry, Hacksaw, ESA Gaming, Playson Blueprint, Fantasma e Gaming Realms.

“Estas parcerias estratégicas com estúdios inovadores refletem a nossa dedicação em manter-nos na vanguarda da indústria do jogo online, que pretendemos continuar a liderar em Portugal”, diz Américo Loureiro, diretor da Solverde.pt, em comunicado de imprensa.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Marketing

IA generativa permite aumentar até 40% otimização do marketing de retalho

O relatório da Bain&Company revela que a IA generativa pode aumentar entre 5% e 10% das receitas de vendas dos retalhistas, com ferramentas de personalização de compra assentes nesta tecnologia

A inteligência artificial generativa permite um aumento de 30% a 40% da otimização do marketing de retalho, avança o relatório da Bain & Company sobre retalho e IA generativa, ‘Retail and Gen AI: Now Scale Those Terrific Early Returns’.

Segundo a consultora estratégica, os retalhistas podem reduzir custos e melhorar as margens de lucro, além de poderem atingir uma maior quota de mercado, através da automatização de tarefas, como a criação de conteúdos, realização de traduções, gestão de redes sociais e desenvolvimento de ‘landing pages’ personalizadas.

O relatório da Bain revela ainda que IA generativa permite um aumento entre 5% e 10% das receitas de vendas dos retalhistas, com ferramentas de personalização de compra assentes nesta tecnologia. De acordo com o relatório, isto é possível através das recomendações personalizadas em tempo real, adaptadas às preferências individuais e à localização dos clientes, bem como aos assistentes de compra. Este serviço não só melhora a satisfação do cliente, como também fortalece a fidelização, o que proporciona uma melhor experiência de compra e, por sua vez, um aumento nas receitas da marca.

Adotar uma estratégia de negócios assente no desenvolvimento de software também pode aumentar a produtividade, indica ainda o relatório. A Bain & Company destaca o caso de um retalhista que implementou um assistente para automatizar as tarefas de codificação, o que permitiu um aumento da produtividade de 25% a 40%, além de poupanças equivalentes a mais de 50 vezes do investimento inicial necessário para adotar esta tecnologia.

“Em geral, as empresas tendem a sobreestimar um pouco a velocidade de implementação de tecnologia disruptiva, mas também a subestimar o seu impacto a longo prazo. Há três décadas, muitas empresas subestimaram o impacto da internet. Se se tivessem apercebido do impacto que isso viria a ter no retalho, os executivos teriam integrado esta tecnologia nos seus negócios em 1995. É possível que, com a inteligência artificial generativa, nos encontremos perante um cenário idêntico”, refere Clara Albuquerque, sócia da Bain & Company, em comunicado de imprensa.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Media

Media Capital aguarda luz verde da ERC para anunciar novo canal. Impresa também reforça oferta no cabo

Hugo Andrade será o diretor de programas do novo projeto televisivo do grupo de media que detém a TVI e a CNN Portugal, um canal generalista que substituirá o TVI Ficção. A dona da SIC prepara o lançamento de um novo canal de raiz, dedicado à ficção

A Media Capital já requereu à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) as autorizações necessárias para substituir o TVI Ficção por um novo projeto televisivo com um perfil adulto e mais masculino, estando a aguardar luz verde para formalizar o anúncio público do novo canal. “Só nessa altura se ficará a conhecer o nome e a data de estreia do novo projeto”, anuncia o grupo de media em comunicado de imprensa.

Disponível na mesma posição nas grelhas de canais dos distribuidores de televisão Nos, Meo, Vodafone e Novo, terá Hugo Andrade como diretor de programas. O ex-diretor de programas da RTP, atual diretor-geral adjunto da estação de Queluz de Baixo, está a trabalhar em estreita articulação com o diretor-geral da TVI, José Eduardo Moniz, para definir a programação.

“Enquanto serviço de programas generalista, o novo projeto televisivo não será um corpo estranho no grupo de canais TVI, pelo contrário. Estará em sintonia com o seu ADN, enquanto canal falado em português e que quer estar próximo dos portugueses”, refere o documento. Nuno Santos acumula a direção de informação do novo canal da Media Capital com a da TVI e da CNN Portugal.

“Considerando as tendências e o comportamento dos espetadores, que cada vez mais veem o que querem quando querem, a TVI decidiu fazer evoluir a oferta do TVI Ficção para algo mais completo. Além das novelas e séries que hoje dominam a emissão, o novo canal vai exibir outros produtos de ficção internacionais, bem como programas de entretenimento, desporto e apontamentos de informação”, informa a Media Capital.

A intenção é aumentar o público-alvo da TVI Ficção, introduzindo-lhe novos segmentos para diversificar a oferta e expandir o auditório, atraindo mais telespetadores. “A programação desportiva, incluindo a cobertura de eventos e de modalidade que hoje não têm grande expressão na televisão nacional, deverá atrair mais público para o novo canal”, justifica o grupo de media.

A confirmação pública do lançamento do novo canal da Media Capital surge numa altura em que a Impresa também está a ponderar reforçar a oferta televisiva no cabo com a criação de uma nova marca televisiva. “É uma situação que está a ser estudada, algo que está a ser avaliado”, confirmou ao M&P fonte do grupo de media liderado por Francisco Pedro Balsemão.

SIC Ficção é o nome provisório do novo canal da estação de Paço de Arcos, que já detém a SIC Notícias, a SIC Mulher, a SIC Radical, a SIC Caras e a SIC K, para além da plataforma digital de streaming Opto. A notícia surge dias depois de a SIC ter concluído uma nova emissão de obrigações, no valor total de €48 milhões, tendo a procura sido superior ao valor da oferta, ao atingir os €54,2 milhões.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Publicidade

Havas desvenda bastidores dos treinos dos atletas em campanha da YoPRO (com vídeo)

Com direção criativa de José Vieira, realização de Vera Braga e Frederico Miranda e consultoria de produção da PG&Cia, os três filmes publicitários estão a ser divulgados em televisão, cinema e digital. O planeamento de media é da MediaCom e também inclui múpis

Os atletas Filipa Martins, Fernando Pimenta e Diogo Ribeiro são os protagonistas de ‘Alimenta cada passo’, campanha publicitária multimeios que a Havas Lisboa desenvolveu para a YoPRO, marca de laticínios com alto teor de proteína da Danone. Com direção criativa de José Vieira, realização de Vera Braga e Frederico Miranda e consultoria de produção da PG&Cia, os três filmes publicitários mostram os bastidores dos treinos dos três atletas. As imagens são complementadas com gravações pessoais dos desportistas.

Divulgada em televisão, cinema, digital e exterior, a campanha tem planeamento de meios da MediaCom, apurou o M&P. “Desvendando aquele que é o backstage dos campeões mundiais, mostra que o passo mais importante para a vitória começa antes dos aplausos, trazendo uma série de filmes onde acompanhamos pontos altos e baixos de cada protagonista, demonstrando que, seja qual for a modalidade, de atletas iniciantes à alta competição, o caminho rumo ao sucesso é sempre feito passo a passo”, explica a marca.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Marketing

Susana Ferreira da Silva e André Folque reforçam liderança da VML

Susana Ferreira da Silva e André Folque (na foto) juntam-se à VML, como diretora de transformação de IA e diretor de soluções empresariais, experiência e marketing de desempenho, respetivamente

Susana Ferreira da Silva e André Folque são as mais recentes contratações da VML Portugal, que chegam com o propósito de liderar duas áreas distintas da agência criativa. Susana Ferreira da Silva é a nova diretora de transformação de IA, ficando responsável por inovar os processos de marketing e comunicação através da implementação de IA, enquanto André Folque é o novo diretor de soluções empresariais, experiência e marketing de desempenho, que terá a responsabilidade de contribuir para o crescimento das áreas de dados, plataformas e performance, bem como aproximar a proposta de valor digital da agência aos clientes.

Licenciada em gestão pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto e pós-graduada em gestão de risco pela Universidade Católica Portuguesa, Susana Ferreira junta-se à VML vinda da Pandadoc, onde liderou o marketing de produto a nível global. Anteriormente, ocupou posições seniores na Optimus, Nos e Sonae MC, onde se especializou em tecnologia digital e de marketing, tendo liderado vários projetos de transformação ao longo da sua carreira.

“Estou muito entusiasmada com este compromisso de melhorar a inovação dos processos de marketing e comunicação para os nossos clientes locais e internacionais, aproveitando a inteligência Artificial e a automação para expandir a criatividade e produzir conteúdo em escala, adaptado a cada fase da jornada do cliente”, salienta Susana Ferreira da Silva, em comunicado de imprensa.

Vindo do Publicis Groupe em Portugal, onde recentemente liderou a criação de práticas ligadas a transformação de negócio, André Folque trabalhou em agências como a Havas Media e o GroupM, como diretor de digital, e foi sócio gestor na MediaCom. Liderou também o marketing digital e comércio eletrónico da Licor Beirão.

“É com enorme entusiasmo que me junto à equipa de liderança da VML e espero contribuir para o crescimento das nossas áreas de dados, plataformas e performance. Estou ansioso por colaborar com a talentosa equipa da VML na expansão das nossas capacidades e na entrega de resultados excecionais para os nossos clientes. Acredito que a nossa proposta de valor nas áreas digitais pode ser verdadeiramente diferenciadora e estarei focado em aproximá-la dos nossos clientes”, destaca André Folque.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Publicidade

Publicidade digital cresce 20% em Portugal em 2024, prevê IPG Mediabrands

Em termos totais, o mercado publicitário português deverá aumentar cerca de 10% em 2024 e atingir os €880 milhões. Publicidade exterior vai continuar em alta, mas pode vir a sofrer uma desaceleração. Automóveis, retalho, telecomunicações, banca, farmacêuticas, viagens e turismo são os principais motores de crescimento

As receitas publicitárias da publicidade digital em Portugal deverão aumentar cerca de 20%, segundo as estimativas da Magna, unidade de inteligência do grupo IPG Mediabrands. “As previsões apontam para um aumento no vídeo de 20%, enquanto o ‘search’ deverá crescer mais de 15% e as redes sociais cerca de 26%”, refere o relatório.

Em termos totais, o mercado publicitário português deverá crescer cerca de 10% em 2024 e atingir os €880 milhões. Os números apontam para um comportamento semelhante ao registado em 2023, ano que ficou também marcado por um crescimento de 10%, de acordo com os dados da análise da Magna.

Os investimentos em imprensa deverão manter-se estáveis, representando apenas 2% do investimento total em publicidade. “Em 2024, os outros meios também registarão crescimento de cerca de 5%, através do aumento das receitas publicitárias em televisão, cerca de 1,4%, e, em rádio, com subida a dois dígitos que permitirá recuperar a sua quota de mercado tradicional de 6%, que tinha descido em 2023”, prevê a empresa da IPG Mediabrands.

A publicidade exterior vai continuar em alta, mas pode vir a sofrer uma desaceleração. “O OOH [out-of-home] continuará a mostrar o seu dinamismo e, ainda que com taxas de crescimento mais baixas que as registadas nos dois últimos anos, manterá um crescimento robusto”, refere a Magna.

À semelhança de anos anteriores, os principais motores de crescimento do mercado publicitário vão ser as empresas do setor automóvel, do retalho, das telecomunicações, da banca, da indústria farmacêutica, das viagens e do turismo.

“Também as apostas têm vindo a crescer desde 2022 e prevê-se que continuem a sua evolução positiva em 2024”, sublinha a IPG Mediabrands, que antecipa que, a partir de 2025, o mercado publicitário português cresça cerca de 7%, acompanhando um crescimento do PIB de 2,1% e uma inflação de cerca de 3%. “Até 2028, prevê-se que o crescimento do mercado estará essencialmente assente no digital, que
deverá representar cerca de metade do mercado publicitário, com televisão a registar a maior quebra”, avança a empresa.

“2024 será um ano com uma performance positiva, mantendo cada meio tendências semelhantes às registadas em 2023, com o digital e o OOH a impulsionar o crescimento do mercado”, afirma Natália Júlio, diretora da Magna.

Segundo as previsões do IPG Mediabrands, o mercado publicitário global, em 2024, deverá registar um aumento de 10% relativamente a 2023, atingindo 927 mil milhões de dólares (€855,7 mil milhões). Os países que mais crescem são Espanha (14%), Índia (12%) e Reino Unido (12%), França (11%) e Estados Unidos (11%).

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Publicidade

Madeira promove turismo com campanha digital da Bar Ogilvy para maiores de 55 anos

Divulgada em 25 países, a campanha inspira-se nas histórias do Instagram para dar a conhecer as belezas naturais do arquipélago e tem como destinatários preferenciais turistas entre os 55 e os 65 anos. As fotografias e os vídeos que a integram foram produzidos pela Trix

A Madeira está a segmentar a comunicação turística, com uma campanha digital para maiores de 55 anos. Desenvolvida pela Bar Ogilvy, tem produção da Trix e inspira-se em histórias do Instagram para dar a conhecer as belezas naturais do arquipélago. Dando continuidade à campanha nacional ‘Vive a Madeira por inteiro’ e à campanha internacional ‘Experience Madeira for yourself’, a nova comunicação global ‘Madeira. Tão tua’/’Madeira. Belongs to all’ está a ser divulgada no Facebook, Instagram e YouTube, apurou o M&P.

“Esta campanha assenta no pressuposto de que a Madeira tem tudo, montanha, mar e cultura, sendo um destino para todos, durante todo o ano. Consciente da dificuldade de demonstrar tudo isto num anúncio, decidimos criar uma campanha com um conceito disruptivo, subvertendo os princípios da promoção turística, ao admitir que nenhuma experiência que não seja a de estar na Madeira e no Porto Santo na primeira pessoa é verdadeira”, explica a Associação de Promoção da Madeira em comunicado de imprensa.

Respondendo às necessidades e às preferências dos turistas entre os 55 e os 65 anos, a Associação de Promoção da Madeira está também a disponibilizar online conteúdos adaptados a este grupo etário. Para além de Portugal, são 24 os países que exibem os anúncios. A campanha está a ser divulgada em Espanha, França, Alemanha, Países Baixos, Polónia, Reino Unido, Suécia, Áustria, Bélgica, Brasil, Canadá, Dinamarca, Finlândia, Lituânia, Luxemburgo, Noruega, Chéquia, Roménia, Suíça, Irlanda, Itália, Hungria, Estónia e Letónia.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Media

Audiências Euro 2024: Derrota de Portugal frente à França vista por mais de 5,4 milhões de telespetadores

O jogo que ditou a saída de Portugal do europeu de futebol teve um forte impacto nas audiências da TVI, que com a transmissão da partida, liderou no total do dia, com um share de 30,4%, seguida da SIC com 11,6% e da RTP1 com 7,6%

Portugal não consegue repetir o feito de 2016 e perde com a França nas grandes penalidades, ficando assim pelos quartos de final do Euro 2024. Considerada por muitos, uma final antecipada, o jogo entre Portugal e a França não desiludiu. Um jogo intenso, bastante disputado e com a vitória a poder cair para qualquer uma das seleções, acabando por ser os gauleses os últimos a sorrir.

Em média, mais de 3,5 milhões viram a derrota de Portugal frente à França nas grandes penalidades

Com transmissão na TVI, a segunda do canal, depois do Geórgia x Portugal, o jogo foi visto por um total de 5,4 milhões de telespetadores, a que correspondeu a uma audiência média de 3,5 milhões de telespetadores e um share de 67%. O encontro, que também teve transmissão na Sport TV, foi visto por um total de 390 mil telespetadores, a que correspondeu uma audiência média de 236 mil telespetadores e um share de 45,5%.

O jogo entre Portugal e França teve um forte impacto nas audiências da TVI, que devido à transmissão do jogo liderou no total dia com um share de 30,4% (mais 14.4p.p. face à média de maio). A SIC ficou na segunda posição com um share de 11,6%, seguida da RTP1 com um share de 7,6%. A TVI com este resultado, verifica o share mais elevado no total dia desde 2016. Destaque ainda para a Sport TV1, que com um share de 2,6% no total dia, foi o segundo canal de ‘pay TV’ mais visto do dia, atrás apenas da CMTV.

Comparativo jogo de Portugal nos quartos de final do Euro 2024 vs. jogo nos quartos de final do Euro 2016

O jogo dos quartos de final de Portugal no Euro 2024, quando comparado com o jogo dos quartos de final do Euro 2016, frente à Polónia registou uma audiência ligeiramente mais baixa. Curiosamente, ambos os jogos foram decididos nas grandes penalidades, no entanto no Euro 2016 foi Portugal quem acabou por sair vencedor.

O jogo da última sexta feira, verificou uma audiência média de 3,5 milhões de telespetadores (-3% vs. jogo com a Polónia do Euro 2016). A nível de share, o Portugal x França também verificou um share ligeiramente mais baixo do que o Portugal x Polónia.

Portugal x França com pico máximo de quase quatro milhões de telespetadores

A partida transmitida pela TVI, registou uma performance crescente ao longo da primeira parte. A atenção e interesse dos portugueses manteve-se estável durante a segunda parte. Durante o prolongamento a audiência foi um pouco mais instável, no entanto com início das grandes penalidades voltou a verificar-se um aumento do interesse dos portugueses na partida, tendo sido neste período quando se atingiu o pico máximo de audiência. O pico de audiência aconteceu durante a marcação das últimas grandes penalidades. Nesse período estavam sintonizados na TVI mais de 3,9 milhões de telespetadores.

Perfil jogos vs população: TVI Portugal x França

O perfil do público que assistiu ao encontro dos quartos de final entre Portugal x França, foi mais masculino e com idades diversificadas (maior afinidade com o público +45 anos). Quanto à classe social contou com afinidades superiores junto das classes sociais médias (B e C).

Impacto das audiências em TV – Euro 2024

Faltando apenas três jogos do Euro 2024 (meias-finais e final), o jogo de Portugal frente à Eslovénia mantém-se como o jogo mais visto de toda a competição, sendo inclusive o programa mais visto do ano. A partida foi vista por um total de 5,7 milhões de telespetadores, a que correspondeu uma audiência média de 3,8 milhões de telespetadores e um share de 69,1% (resultados acumulados RTP1 e Sport TV).  O jogo entre França e Portugal dos quartos de final figura agora na segunda posição dos jogos mais vistos em canal aberto.

Entre 14 de junho e 6 de julho, entre os canais generalistas, as estações RTP1 e SIC são as únicas que verificam um aumento face à média do mês de maio. A TVI, que graças a transmissão do último jogo de Portugal na competição, reduziu a diferença face ao último mês (era de -0.8p.p. até aos oitavos de final da prova) registando agora apenas uma décima a menos do que no mês de maio.

Jogo de Portugal frente à França foi o mais visto dos quartos de final

Analisando apenas os jogos dos quartos de final, vemos que dos quatro jogos, três foram transmitidos em canal aberto. Destes três jogos, o Portugal x França, que teve transmissão na TVI destaca-se como o mais visto.

Na Sport TV, os quartos de final provocaram algumas alterações no top 3 de jogos mais vistos. O top 3 jogos mais vistos do canal, tem agora dois jogos dos quartos de final. O Portugal x França, que entrou diretamente para a primeira posição dos jogos mais vistos no canal de subscrição. O encontro contou com uma audiência total de 390 mil telespetadores, a que correspondeu uma audiência média de 236 mil telespetadores e um share de 4,5%. Na terceira posição está o Espanha x Alemanha, que teve transmissão exclusiva na Sport TV1. O jogo alcançou uma audiência total de 393 mil telespetadores, a que correspondeu uma audiência média 202 mil telespetadores e um share de 6,7%.

Elaborado por Initiative/ Mediabrands Insight sobre dados CAEM/GFK reproduzidos em YUMI, Telereport – Mediamonitor; Alvo Ind 4+. Tipologia de audiência: Total Dia; Período da Análise: junho de 2024; Outros: Visionamento residual de canais não auditados, visionamento em diferido noutros dias e outras utilizações da TV como streaming e consolas

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Media

Skydance conclui aquisição da Paramount e juntas dão origem à New Paramount

Os planos passam por reforçar e revigorar as marcas de referência da Paramount e da CBS, melhorando a rentabilidade e investindo em plataformas digitais de crescimento mais rápido

A Skydance Media e a Paramount Global chegaram a um acordo de fusão através de um investimento de 8 mil milhões de dólares (€7,38 mil milhões) por parte dos acionistas da Skydance. A Skydance toma assim posse da nova empresa e de todas as suas propriedades.

O investimento incluiu um pagamento de 2,4 mil milhões de dólares (€2,21 mil milhões) à National Amusements, que controlava o grupo Paramount. Surge assim a New Paramount, avaliada em 28 mil milhões de dólares (€25,83 mil milhões), que vai ser liderada por David Ellison, CEO e fundador da Skydance.

O acordo, anunciado em comunicado de imprensa a 7 de julho, ocorre após vários meses de negociações com a Paramount, que além dos estúdios de cinema e televisão Paramount, controla canais como CBS, MTV, Nickelodeon e Comedy Central, e o serviço de streaming Paramount+. A Paramount detém ainda uma lista de propriedade intelectual, que inclui Star Trek, Mission: Impossible, Top Gun e SpongeBob SquarePants.

Os planos da Skydance para a nova aquisição passam por “reforçar e revigorar as marcas de referência da Paramount e da CBS”, melhorando simultaneamente a rentabilidade e investindo mais em plataformas digitais de “crescimento mais rápido”, segundo avança a empresa em comunicado de imprensa. O processo de fusão tem um período de vigência que dá ao conselho de administração da Paramount uma margem de 45 dias para determinar se encontra um acordo de compra mais favorável.

No final da operação, que deverá estar concluída no primeiro semestre de 2025, os investidores da Skydance vão controlar cerca de 70% das ações da nova entidade, segundo o comunicado. O grupo de investidores da Skydance, que inclui a RedBird Capital Partners, adiciona ainda 1,5 mil milhões de dólares (€1,38 mil milhões) ao capital do novo grupo para reforçar o seu poderio financeiro.

Sobre o autorDaniel Monteiro Rahman

Daniel Monteiro Rahman

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 Meios & Publicidade. Todos os direitos reservados.