Edição digital
PUB
Media

“Enquanto for humana e economicamente possível, iremos manter a edição impressa”

David Pontes assumiu na última quinta-feira a direção do Público. Ao M&P, naquela que é a primeira entrevista nas novas funções, o até aqui diretor adjunto e responsável pela redação do Porto assegura que, apesar do peso que o digital já assume na operação do diário, em sentido contrário com o das vendas em papel, a edição impressa será para manter “até o mais longe possível, enquanto as nossas forças o permitirem, em termos de racionalidade económica e de esforço da redação”.

Pedro Durães
Media

“Enquanto for humana e economicamente possível, iremos manter a edição impressa”

David Pontes assumiu na última quinta-feira a direção do Público. Ao M&P, naquela que é a primeira entrevista nas novas funções, o até aqui diretor adjunto e responsável pela redação do Porto assegura que, apesar do peso que o digital já assume na operação do diário, em sentido contrário com o das vendas em papel, a edição impressa será para manter “até o mais longe possível, enquanto as nossas forças o permitirem, em termos de racionalidade económica e de esforço da redação”.

Pedro Durães
Sobre o autor
Pedro Durães
Artigos relacionados
Ronaldo entra no capital da Vista Alegre para acelerar internacionalização das marcas do grupo no Médio Oriente e na Ásia
Marketing
SIC Notícias reage ao lançamento do Now com campanha multimeios que evoca legado (com vídeos)
Media
O que pode ler na edição 959 do M&P
Media
M&P 959: Entrevista Alberto Rui Pereira, CEO IPG Mediabrands + Nuno Leal, criativo sénior Dentsu Creative + Especial QSP Summit
Edição Digital
Apple é a marca global mais valiosa, mas a Nvidia é a que mais cresce, revela estudo da Kantar
Marketing
TV: Os programas que dominam as audiências, gravações e redes sociais em maio
Media
La Roche-Posay é a nova parceira oficial da seleção nacional feminina (com vídeo)
Marketing
Um quinto das agências de publicidade e telemarketing enfrenta dificuldades financeiras
Publicidade
Cristina Ferreira condenada a pagar €3,3 milhões à SIC
Media
Chefs que são marcas fora da cozinha
Marketing

David Pontes assumiu na última quinta-feira a direção do Público. Ao M&P, naquela que é a primeira entrevista nas novas funções, o até aqui diretor adjunto e responsável pela redação do Porto assegura que, apesar do peso que o digital já assume na operação do diário, em sentido contrário com o das vendas em papel, a edição impressa será para manter “até o mais longe possível, enquanto as nossas forças o permitirem, em termos de racionalidade económica e de esforço da redação”.

Ainda assim, o novo diretor do diário da Sonaecom admite que crescer na circulação impressa paga será “muito difícil, para não dizer impossível” e que a continuidade das edições em papel é uma questão que acabará por se colocar mais à frente já que “o produto generalista, diário, como nós o conhecemos, terá tendência para, cada vez mais, sofrer erosão das suas audiências e um dia, que nós esperamos o mais longe possível, desaparecer”.

PUB

Com uma circulação paga total de 58.580, onde o digital representa já uma fatia de 48.199, o Público é caso único na imprensa generalista diária em Portugal ao registar uma circulação paga no digital quase cinco vezes superior à da sua edição impressa. Num cenário de quebra generalizada das vendas no papel, esta audiência predominantemente digital tem permitido que o diário se posicione frequentemente como a exceção, sendo muitas vezes o único título a alcançar saldo positivo na evolução da circulação paga apesar do recuo nas vendas da sua edição impressa.

Foi assim no primeiro trimestre deste ano, de acordo com o relatório da APCT divulgado na passada quarta-feira, onde foi o único generalista a registar um incremento da circulação paga (+2,6%). Resultado de uma estratégia que passou a colocar a tónica no crescimento da base de assinantes e que, assegura David Pontes na entrevista publicada na edição impressa do M&P, da qual aqui publicamos apenas um excerto, é para prosseguir e aprofundar.

Meios & Publicidade (M&P): Nos dados APCT mais recentes, relativos ao primeiro trimestre, o Público volta a surgir como o único título generalista com saldo positivo, registando uma evolução favorável da circulação total paga (+2,6%), para os 58.580. Um crescimento que está assente no digital, onde a circulação paga subiu 5,6 por cento, já que as vendas da edição impressa recuaram mais 9,2%, para uma média de 10.381 exemplares por edição. As hipóteses de crescimento na imprensa generalista residem agora, exclusivamente no digital? Crescer no papel já não é possível?

David Pontes (DP): É possível usar a nossa experiência editorial, o facto de sermos uma redação multipremiada em termos gráficos, para criar alguns produtos em papel. O produto generalista, diário, como nós o conhecemos, terá tendência para, cada vez mais, sofrer erosão das suas audiências e um dia, que nós esperamos o mais longe possível, desaparecer. Tirando alguns casos muito particulares, e nós temo-lo feito com alguns produtos como a revista Ímpar, que fazemos duas vezes por ano, ou algumas parcerias nas áreas dos vinhos e da cultura, onde somos referência e onde gostávamos de fazer mais coisas, porventura até estendermos a oferta nesse segmento do jornalismo cultural com produtos físicos também. Mas será um trabalho mais de nicho, do que propriamente acreditar que isso será, a prazo, um fluxo constante, quer de receitas quer de audiências. Não queremos deitar fora o saber que temos do papel, queremos rentabilizá-lo, mas temos noção de que, por muito gosto que ainda haja em algumas pessoas para consumir o jornal nesse formato, ele terá tendência a desaparecer. O que andamos à procura constantemente é permitir às pessoas uma visão do mundo que o jornal ajudava a criar, uma forma de hierarquizar informação, de explicar ao leitor o que é mais importante, porque está ali concentrado num meio finito. Na linguagem digital isso é mais complicado de trabalhar. Vamos ter em breve uma nova app, mais uma vez trabalhando para os assinantes. Embora ainda não esteja completamente fechado, deve ser exclusiva para assinantes e uma das novidades será uma espécie de playlist diária, em que as notícias mais importantes estarão lá em formato áudio, nesse sentido de trabalhar a questão da hierarquização, ajudando a traduzir o mundo e explicando às pessoas aquilo que nós – que temos a obrigação de ler mais, trabalhar os temas, falar com fontes, fazer perguntas – achamos que é o mais importante para o leitor.

M&P: Apesar de falarmos em saldo positivo, é preciso não esquecer que as assinaturas digitais representam menos receita em comparação com as vendas da edição impressa. Enquanto modelo de negócio, o crescimento da circulação digital será suficiente para garantir a sustentabilidade dos títulos?
DP: Claramente, até porque os custos de produção são muito mais baixos e esses custos no papel estão cada vez mais elevados. Tivemos uma terrível dor de cabeça, que felizmente tem vindo a atenuar, com uma série de coisas que têm vindo a acontecer na economia. Ainda esta semana foi notícia que o preço do transporte marítimo baixou para níveis pré-pandemia, mas durante um período sofremos com o aumento do preço do papel. Ainda não chegou cá, mas na Europa central e do norte o problema da distribuição está a causar enormes dores de cabeça a jornais com muito mais estatura e capacidade. Há questões do modelo de negócio, nomeadamente estes custos de produção e de distribuição, que pesam tanto na operação que fazem com que as assinaturas digitais, mesmo sendo muito mais baratas do que o valor pago pelo jornal impresso, se tornem bastante mais interessantes.

M&P: Como fecharam as contas do jornal em 2022?

DP: Pensámos sempre que as coisas iriam piorar, mas o resultado final não foi assim tão mau.

M&P: Numa entrevista ao M&P no final de 2020, Manuel Carvalho referia que o jornal só daria prejuízo nesse ano devido ao impacto da pandemia já que, atendendo ao desempenho do primeiro trimestre, o Público estaria já “numa situação de sustentabilidade ou no limite da sustentabilidade”. A situação de prejuízo seria então conjuntural e o Público iria “chegar à estabilização económica e financeira num curto prazo de tempo”. Essa estabilização já foi uma realidade em 2022?

DP: Manteve-se. O Público ainda luta com uma margem de prejuízo, mas que tem vindo a baixar. O jornal tem conseguido baixar gradualmente esse esforço que pede ao acionista e 2022 não foi exceção. Esperávamos, por várias contingências, que pudesse significar um recuo mas não.

M&P: Como é que responde às críticas que por vezes vos são dirigidas, de que é mais fácil quando se tem um acionista que suporta prejuízos há vários anos?

DP: Agradecendo muito ao acionista. Somos a maior redação de imprensa em Portugal e isso deve-se a esse encontro de vontades que aconteceu ali no princípio dos anos 90 entre uma série de jornalistas que quiseram fazer um jornal moderno e um acionista que o quis fazer sem incorrer em riscos. Acima de tudo, tenho de agradecer ao acionista e, depois, mostrar com trabalho, que estamos a corresponder ao desafio que foi colocado nessa altura e que se mantém bem firme. O facto de termos um acionista como este não nos faz esmorecer de maneira nenhuma na vontade de conseguir uma melhoria de sustentabilidade para o jornal e de corresponder com exigência àquilo que ele próprio entrega e que queremos que seja cada vez menos. Não nos acomodamos de maneira nenhuma, não vivemos à sombra de achar que estamos numa espécie de fundação e que isso nos dá direitos ilimitados para fazer o jornal. O jornal vive com contingências, o jornal gostava de estar nas eleições da Turquia, gostava de ter ido à Cisjordânia, gostava de estar com correspondentes em muito mais sítios do país, mas olhamos para isso com responsabilidade. Não é mais fácil para nós só porque temos este acionista. Até porque o acionista é exigente, e bem.


M&P: Tendo em conta essa situação de prejuízo, e olhando para o peso que a circulação digital tem na circulação paga do Público (48.199 de um total de 58.580), está em cima da mesa, ou terá estado em algum momento, acabar com a edição em papel e passarem a ser um jornal exclusivamente digital?

DP: Acho que vai estar. Não está neste momento. Enquanto for humana e economicamente possível manter uma edição impressa, iremos mantê-la. Até porque a edição em papel ainda tem um peso importante em termos de receitas, não só pelas vendas mas pela publicidade, porque ainda há muitas empresas e parceiros que querem ver fixadas no papel as suas mensagens. Depois, porque um legacy paper garante uma outra presença, uma outra acuidade, que um meio só digital não tem ainda conseguido impor. Há uma ideia de materialidade em relação à edição impressa que ajuda a que a marca Público seja mais forte do que se fosse apenas digital. Agora, o mundo está a mudar. É uma questão que tem sido repetida, até internamente. Evidentemente que fazer uma edição impressa tem um custo em termos de máquina de produção que não é irrelevante. Se nos libertássemos de alguns desses custos, teríamos certamente mais forças em determinadas coisas que fazemos no digital. É uma questão que vai sendo objeto de discussão mas até agora não temos nenhuma razão para desistir. Acreditar num crescimento, isso sabemos que é muito difícil, para não dizer impossível.

M&P: Como estão atualmente divididas as receitas do jornal entre papel e digital?
DP: O digital ultrapassou as receitas do papel há pouco tempo. O facto de esse turnover ter acontecido recentemente é também um sinal de que o papel ainda tem um peso significativo.

M&P: Ainda que não esteja em cima da mesa nesta fase acabar com a edição em papel, a circulação impressa paga está nos 10 mil exemplares vendidos (9.218 em banca). Até onde é possível descer sem colocar em causa a sustentabilidade? Há um patamar mínimo estabelecido pelo acionista?
DP: Não. Nunca foi estabelecido um número. Não sei qual é o limite mas, enquanto as receitas, nomeadamente as de publicidade, ainda significarem o que significam, temos tempo para fazer essas contas. Não é uma coisa para os próximos dois ou três anos. Acho que, mais lá para a frente, se vai colocar. Vamos tentar encontrar estratégias que ajudem a mitigar isso. Alguns títulos têm procurado concentrar a sua operação do papel nos últimos dias da semana. É sempre uma interrogação que temos, mas ainda não fizemos essas contas.

M&P: Passar o Público a semanário seria uma possibilidade?

DP: É uma possibilidade que poderá ser estudada. Ainda não sentimos necessidade, até pela evolução das receitas que já referi, de parar para fazer essas contas. Ainda temos aqui alguma margem para que o paraquedas continue a funcionar. O foguetão são as assinaturas, que estão em sentido ascendente. O paraquedas é a edição impressa. Enquanto conseguirmos controlar o vento de forma satisfatória vamos tentar manter. No caso do DN, a inversão que acabaram por fazer resulta da leitura que eles próprios fizeram da maturidade que existia no mercado para ser uma marca exclusivamente digital, concentrando a edição em papel no fim-de-semana. Olhando para o que se passa na imprensa de referência a nível global, vemos que manter a edição impressa é ainda absolutamente crucial para que a marca continue a viver com a pujança e a força que tem.

M&P: Mas não sustentarão uma edição impressa que venda mil exemplares, à semelhança do que acontece com outros títulos.

DP: Não. Dificilmente. Não só pela lógica económica, mas pelo esforço interno que representa fazer uma edição impressa, que tem naturalmente um peso grande na operação da redação.

Leia aqui a entrevista completa, disponível exclusivamente para assinantes do M&P

Sobre o autorPedro Durães

Pedro Durães

Mais artigos
Artigos relacionados
Ronaldo entra no capital da Vista Alegre para acelerar internacionalização das marcas do grupo no Médio Oriente e na Ásia
Marketing
SIC Notícias reage ao lançamento do Now com campanha multimeios que evoca legado (com vídeos)
Media
O que pode ler na edição 959 do M&P
Media
M&P 959: Entrevista Alberto Rui Pereira, CEO IPG Mediabrands + Nuno Leal, criativo sénior Dentsu Creative + Especial QSP Summit
Edição Digital
Apple é a marca global mais valiosa, mas a Nvidia é a que mais cresce, revela estudo da Kantar
Marketing
TV: Os programas que dominam as audiências, gravações e redes sociais em maio
Media
La Roche-Posay é a nova parceira oficial da seleção nacional feminina (com vídeo)
Marketing
Um quinto das agências de publicidade e telemarketing enfrenta dificuldades financeiras
Publicidade
Cristina Ferreira condenada a pagar €3,3 milhões à SIC
Media
Chefs que são marcas fora da cozinha
Marketing
PUB
Marketing

Ronaldo entra no capital da Vista Alegre para acelerar internacionalização das marcas do grupo no Médio Oriente e na Ásia

O futebolista e a empresa detentora da Bordallo Pinheiro e da Vista Alegre Atlantis acordaram a criação de uma empresa, detida em partes iguais, que vai explorar a comercialização das duas insígnias nos mercados do oriente. O negócio contempla a aquisição de 10% da Vista Alegre Atlantis e de 30% da Vista Alegre España

Cristiano Ronaldo é o novo sócio da Visabeira. Além de ter adquirido 10% da Vista Alegre Atlantis e 30% da Vista Alegre España, o futebolista e a empresa acordaram a criação conjunta de uma companhia, detida em partes iguais, que, através da CR7, vai explorar a comercialização da Vista Alegre e da Bordallo Pinheiro no Médio Oriente e na Ásia. “Esta colaboração permitirá acelerar o processo de expansão global das duas marcas no segmento de prestigio/luxo em vários mercados internacionais, tanto no retalho como na hotelaria premium”, revela a Visabeira em comunicado de imprensa.

“A Vista Alegre e a Bordallo Pinheiro são marcas pelas quais sempre tive uma grande admiração e das quais sou cliente assíduo. A possibilidade de apoiar a estratégia de globalização da marca Vista Alegre, como marca de ‘lifestyle’ de luxo, é um orgulho para mim enquanto português. Faremos juntos tudo o que estiver ao nosso alcance para promover este ícone nacional de excelência e colocá-lo no patamar das melhores marcas do mundo”, justifica Cristiano Ronaldo, citado em comunicado.

A ligação da Vista Alegre, que em 2024 comemora dois séculos, ao futebol não é nova. A família Pinto Basto, na origem da insígnia, teve um papel fundamental na sua introdução da modalidade em Portugal, tendo sido os bisnetos do fundador, em 1886, a trazer para o país a primeira bola de futebol e, três anos depois, a 22 de janeiro de 1889, a organizar o primeiro jogo oficial que ocorreu nos terrenos do atual recinto de espetáculos Sagres Campo Pequeno, em Lisboa.

“É com grande entusiasmo que recebemos o Cristiano Ronaldo como nosso investidor, representando este momento a união de duas das mais relevantes e unânimes marcas portuguesas. Cristiano Ronaldo é um elemento indissociável de Portugal. Consegue levar o nome do nosso país aos lugares mais recônditos da Terra, com uma imagem de trabalho, dedicação, simpatia e muito talento. É verdadeiramente uma marca planetária”, sublinha Fernando Campos Nunes, fundador e acionista do Grupo Visabeira, detentor da Vista Alegre Atlantis.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Media

SIC Notícias reage ao lançamento do Now com campanha multimeios que evoca legado (com vídeos)

Idealizada e produzida internamente pela Impresa, que também assume o planeamento de meios, a campanha reforça os valores da marca e passa em revista alguns dos acontecimentos que o canal acompanhou nos últimos 23 anos. Além de televisão, está presente no digital, na imprensa, em outdoors e nas redes sociais

À semelhança da CNN Portugal, também a SIC Notícias está a afinar a estratégia para fazer frente ao Now, o novo canal noticioso que a Medialivre lança a 17 de junho. Para comunicar as novidades que tem vindo a estrear e o posicionamento que pretende assumir, a Impresa desenvolveu internamente uma campanha publicitária multimeios que evoca o legado daquele que foi, a 8 de janeiro de 2001, o primeiro canal informativo do país, dando continuidade ao extinto Canal de Notícias de Lisboa (CNL). O planeamento de meios também foi desenvolvido pelo grupo de media, apurou o M&P.

No seguimento do rebranding levado a cabo em outubro do ano passado, marcado pela estreia de um novo logotipo e por uma nova imagem gráfica, a estação tem vindo a renovar a programação e, nas últimas semanas, estreou novos formatos para se antecipar à concorrência. “A SIC Notícias foi o primeiro canal de informação a ser lançado e em Portugal e ao longo dos anos tem deixado um legado da área de informação. É com esse mote que a marca lança uma campanha multimeios”, esclarece a Impresa em comunicado.

Presente em televisão, digital, imprensa, outdoors e redes sociais, a iniciativa reforça os valores da marca e passa em revista alguns dos acontecimentos que o canal acompanhou, como o Euro 2024 e o 11 de Setembro de 2001. “Não é preciso ter anos de provas dadas, os grandes protagonistas, os melhores e mais experientes comentadores, mas faz toda a diferença”, refere o documento. Para além de Grande Edição, um novo espaço de informação com Ana Patrícia Carvalho, Nelma Serpa Pinto conduz, a partir das 22h, Edição da Noite, com uma nova imagem.

“Também o desporto sofreu alterações com o renovado Mercado Aberto, onde Filipa Pereira e João Abreu trazem todas as novidades, as entrevistas e as reportagens do mundo do futebol. Agora, com uma nova imagem, mas com o empenho de sempre. O Euro 2024 também será uma aposta do canal. Portugal entra em campo e a informação da SIC vai estar a acompanhar tudo com uma vasta equipa na Alemanha. Os treinos, as conferências de imprensa e tudo o que se passar na Casa de Portugal, durante o campeonato, estarão na antena da SIC e da SIC Notícias”, informa ainda a Impresa.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Media

O que pode ler na edição 959 do M&P

Destaca-se uma entrevista com Alberto Rui Pereira, CEO da IPG Mediabrands, que critica os milhões desperdiçados em campanhas publicitárias que não atingem os objetivos e a falta de métricas fiáveis

Na edição 959 do M&P destaca-se uma entrevista com Alberto Rui Pereira, CEO da IPG Mediabrands, que critica os milhões desperdiçados em campanhas publicitárias que não atingem os objetivos e a falta de métricas fiáveis. Aponta o dedo aos rankings de investimento publicitário da MediaMonitor e refere os desafios que se colocam às marcas e a quem as gere e planeia.

Na rubrica dedicada à criatividade, Como é que não me lembrei disto?, Nuno Leal, criativo sénior da Dentsu Creative Portugal, destaca o spot The Epic Split, da agência Forsman & Bodenfors para a Volvo, como o anúncio que gostaria de ter feito, enquanto a Ao Vivo ou Morto, para a associação Circuito, foi a campanha que mais gostou de fazer.

Na rubrica sobre marketers e gestores expatriados, De Portugal para o Mundo, João Pedro Silva, diretor regional de marketing da Nespresso para a Europa Ocidental, fala sobre a mudança de Lisboa para Lausana, na Suíça, e o desafio de interpretar as necessidades dos nove mercados que coordena.

A 17ª edição do QSP Summit dá o mote ao dossiê especial sobre o evento dedicado à gestão e ao marketing, e à entrevista com Rui Ribeiro, CEO do QSP Summit.

Na Opinião, João Paulo Luz, diretor de negócios digitais e publishing da Impresa, explica por que razões não vender é bom, Paula Cosme Pinto, comunicadora para a igualdade de género, faz o balanço da campanha Beleza Real da Dove, que assinala 20 anos desde o lançamento, e Pedro Simões Dias, fundador da Comporta Perfumes e advogado de proteção de direitos de marca, escreve sobre o preço nas marcas de luxo.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Marketing

Apple é a marca global mais valiosa, mas a Nvidia é a que mais cresce, revela estudo da Kantar

As empresas tecnológicas dominam o Kantar BrandZ Global Report 2024. Segundo o relatório, a Apple, que cresceu 15% nos últimos 12 meses, valendo atualmente cerca de €950 mil milhões, é a marca internacional mais valiosa, seguida pela Google e pela Microsoft

A Apple é, de acordo com o Kantar BrandZ Global Report 2024, a marca internacional mais valiosa. Face ao último ano, cresceu 15%, valendo atualmente 1.015.900 milhões de dólares, cerca de €950 mil milhões. O segundo lugar é ocupado pela Google que, com uma valorização de 30%, vale atualmente 753.474 milhões de dólares, perto de €705 mil milhões. Na terceira posição, surge a Microsoft. A empresa tecnológica fundada por Bill Gates e Paul Allen cresceu 42% no último ano, valendo 712.883 milhões de dólares, o equivalente a €666.520 milhões.

A quarta posição do ranking é ocupada pela Amazon, seguida da McDonald’s, que encerra o top 5. Em sexto lugar, figura a Nvidia, a marca internacional que mais cresce, registando um aumento de 178%. Em sétimo lugar, surge Visa e, em oitavo, o Facebook. A nona posição é ocupada pela Oracle, à frente da Tencent, um dos maiores fornecedores de jogos do mundo, que encerra o top 10, apesar da desvalorização de 4%.

Nas categorias setoriais do Kantar BrandZ Global Report 2024, a Corona, que cresce em mercados como o Brasil, a China e a África do Sul é a marca de bebida alcoólica mais valiosa. Na moda, a Nike permanece em primeiro lugar, mas a Zara é a que mais cresce. A valorização de 47% permitiu-lhe subir 24 lugares no top 100 global. No mercado do luxo, a Louis Vuitton continua a liderar. Vale atualmente 130 mil milhões de dólares, cerca de €121,5 mil milhões. Na categoria de retalho, a Amazon, que valorizou 6%, mantém-se à frente.

“O nosso relatório global de 2024 revela que as marcas fortes continuam a prosperar, apesar da incerteza económica global. Com uma avaliação de marca no valor de um bilião de dólares, a Apple provou ser resiliente face às condições de mercado desafiadoras, justificando os preços premium e provando que marcas significativas, diferentes e distintivas estão em melhores condições de enfrentar a perturbação económica global atual”, refere a Kantar, autora do estudo, em comunicado.

Segundo a análise, as marcas que estão a investir em inteligência artificial (IA) e em comunicação e promoção estão a obter ganhos superiores por estarem a proporcionar melhores experiências de compra aos clientes. “Crucialmente, o investimento em marketing eficaz ajuda a melhorar a predisposição do consumidor e a impulsionar o crescimento do valor da marca, contribuindo com um valor monetário significativo para apoiar o sucesso empresarial sustentado”, defende a empresa.

 

As 10 marcas globais mais valiosas em 2024

1. Apple (1.015.900 milhões de dólares)
2. Google (753.474 milhões de dólares)
3. Microsoft (712.883 milhões de dólares)
4. Amazon (576.622 milhões de dólares)
5. McDonald’s (221.902 milhões de dólares)
6. Nvidia (201.840 milhões de dólares)
7. Visa (188.929 milhões de dólares)
8. Facebook (166.751 milhões de dólares)
9. Oracle (145.498 milhões de dólares)
10. Tencent (135.215 milhões de dólares)

 

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Media

TV: Os programas que dominam as audiências, gravações e redes sociais em maio

O futebol continua, sem surpresa, a dominar as preferências dos telespetadores portugueses. No quinto mês do ano, segundo os dados oficiais do Social Media Explorer do grupo Marktest, os cinco programas mais vistos foram novamente disputados em estádios

Em maio, a final da Taça de Portugal entre o FC Porto e Sporting CP, transmito na RTP1 a 26 de maio, foi o programa mais visto do mês, com uma audiência média acima de 2 milhões de espetadores. Seguiu-se o respetivo pós-match, também na RTP1, que culminou com a entrega do troféu ganho pelo FC Porto. Na terceira posição, a fechar o pódio, ficou o Big Brother da TVI transmitido 16 de maio, com uma audiência média de 1.312.800 espetadores, a melhor deste ano.

 

 

Nos programas gravados e visionados no próprio dia, a liderança foi ocupada pelo magazine de Ricardo Araújo Pereira, Isto É Gozar Com Quem Trabalha, da SIC, transmitido a 26 de maio. Nas gravações de sete dias, o melhor programa foi o reality show sentimental Casados À Primeira Vista, na sua emissão de 26 de maio.

 

 

Nas redes sociais, na primeira posição da tabela mantém-se em destaque o reality show Big Brother. O programa das manhãs Dois Às 10 ocupa o segundo lugar da tabela e, em terceiro, ficou o programa Goucha. O top 3 é, assim, composto por três programas da TVI. O programa Casados À Primeira Vista e a novela Senhora do Mar, ambos da SIC, encontram-se respetivamente no quarto e quinto lugar.

A série Morangos Com Açúcar está no sexto lugar seguida do programa Fama Show, em sétimo. Para finalizar este top 10 encontram-se três os programas da SIC, Casa Feliz, Júlia Passadeira Vermelha.

 

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Marketing

La Roche-Posay é a nova parceira oficial da seleção nacional feminina (com vídeo)

Sob o lema ‘Proteger a Pele das Navegadoras’, a La Roche-Posay quer destacar a sua missão de promover a saúde da pele entre as atletas de elite, bem como entre todos os adeptos do desporto. A parceria define o produto Anthelios UVMune 400 como o protetor solar oficial da seleção nacional feminina (na foto)

A La Roche-Posay é a nova parceira oficial da seleção nacional feminina, ficando responsável por proteger a pele das Navegadoras. As jogadoras da seleção nacional são agora as novas embaixadoras da marca de dermocosmética da L’Oréal, com a responsabilidade de alertar para a necessidade de proteger a pele do sol, seja no campo, na praia ou no dia-a-dia. Esta parceria pretende reforçar a ligação da La Roche-Posay à nação e ao desporto feminino.

Sob o lema ‘Proteger a Pele das Navegadoras’, a La Roche-Posay quer destacar a sua missão de promover a saúde da pele entre as atletas de elite, bem como entre todos os adeptos do desporto. A parceria define o produto Anthelios UVMune 400 como o protetor solar oficial da seleção nacional feminina, com o objetivo de proporcionar às jogadoras uma proteção avançada contra os raios ultravioleta, durante os treinos e competições.

“A colaboração com as Navegadoras é um passo em frente para a sensibilização para os perigos da exposição solar, tornando Anthelios UVMune 400 o protetor solar oficial da seleção. Queremos que a fotoproteção no desporto faça parte do equipamento e que sirva de exemplo para cada português cuidar e proteger a sua pele no seu dia a dia”, afirma João Encarnação, administrador geral da L’Oréal Dermatological Beauty, em comunicado de imprensa.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Media

Cristina Ferreira condenada a pagar €3,3 milhões à SIC

A SIC está a estudar com assessores jurídicos a possibilidade de pedir uma reavaliação de parte da sentença, relativa a montantes que não foram tidos em conta

O Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa Oeste condenou a empresa Amor Ponto, da apresentadora Cristina Ferreira, a pagar à SIC €3.315.998,67, reconhecendo as pretensões do canal de televisão e dando como provados os danos provocados pela apresentadora Cristina Ferreira aquando da saída da estação.

O Tribunal deu razão à SIC ao considerar que a cessação antecipada do contrato pela sociedade Amor Ponto Lda, detida por Cristina Ferreira, sem qualquer fundamentação ou justa causa para tal denúncia, foi ilícita e legitimou a resolução do contrato pela SIC e o consequente acionar da cláusula penal e pedido de condenação. O contrato com a SIC não poderia ser livremente revogável, ao contrário do que alegava Cristina Ferreira, porque as partes assim o teriam convencionado. Por outro lado, não houve qualquer incumprimento da SIC relativamente ao contrato de trabalho celebrado com Cristina Ferreira e em relação às suas funções de consultora na direção de Programas.

A SIC revela que o Tribunal calculou o valor indemnizável com base no incremento de despesas que a SIC teve com o novo Casa Feliz, que estreou no dia útil seguinte, na segunda-feira 20 de julho de 2020, à data de saída de Cristina Ferreira, a 17 de julho de 2020.

Os restantes montantes não foram tidos em conta, em parte pelo facto de as equipas comerciais da SIC terem atenuado os prejuízos sofridos com a saída da apresentadora. “A SIC está a estudar, com os seus assessores jurídicos, e tendo em conta a matéria de facto e de direito dada como provada a favor da estação, a possibilidade de se pedir uma reavaliação desta parte da sentença”, refere o canal de televisão do grupo Impresa em declarações enviadas ao M&P

Recorde-se que, a 17 de julho de 2020, Cristina Ferreira decidiu cessar unilateralmente a sua ligação à SIC, colocando termo ao contrato que a vinculava até 30 de novembro de 2022. Por isso, a SIC iniciou uma ação contra Cristina Ferreira e a sua empresa Amor Ponto, pedindo um montante na altura calculado face ao estimado que a SIC iria auferir com a presença da apresentadora em antena.

Apesar da contestação da ré, o tribunal proferiu a sentença, condenando a empresa de Cristina Ferreira a pagar €3.536.666,67 e reconhecer um crédito desta no valor total calculado de capital e juros de €220.668 euros.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Publicidade

Fuel cria campanha do Continente de apoio à seleção no Euro 2024 (com vídeo)

O filme publicitário, que teve a produção da Krypton e a consultoria de produção da Pro(u)d, cruza o futebol com várias situações em que portugueses estão a comer

Com o mote ‘É de Quem Alimenta a Fome de Vencer’, a nova campanha multimeios da Fuel para o Continente pretende demonstrar o apoio da marca à seleção nacional de futebol durante o Euro 2024, envolvendo-se com os consumidores e fortalecendo a relação da cadeia de grande distribuição com a comunidade desportiva.

O filme publicitário, que teve a produção da Krypton e a consultoria de produção da Pro(u)d, cruza o futebol com várias situações em que portugueses estão a comer, demonstrando a mobilização nacional em torno do campeonato europeu. Com direção criativa de João Madeira da Fuel e realização de Pedro Pinto da Krypton, a campanha estará presente em televisão, rádio, publicidade exterior, digital e nas lojas Continente.

“Ao patrocinarmos as seleções nacionais de futebol, incluindo a participação da seleção masculina no Euro 2024, o Continente demonstra o seu compromisso com o desporto e fortalece a sua ligação emocional com os adeptos. É nesta ligação aos momentos especiais de convívio e de partilha impulsionados pelo futebol que a nossa marca especialista se junta à ‘Fome de Vencer’ para poder criar memórias que celebrem os momentos que unem Portugal, seja num estádio, ao ar livre ou mesmo em torno de uma mesa”, afirma Filipa Appleton, diretora de marketing do Continente.

Além da campanha multimeios, o Continente, que patrocina a seleção portuguesa de futebol desde 2010, apresenta também o ‘Período de Descontos’, uma ação exclusiva para utilizadores da aplicação Cartão Continente, que decorre até 14 de julho. Após cada compra, esta iniciativa habilita os clientes a ganharem até €1.000 em saldo no Cartão Continente, produtos da seleção nacional e cupões de desconto no Continente e em outras marcas parceiras do cartão.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Digital

Novas funcionalidades da Apple criam dificuldades aos anunciantes

As atualizações foram reveladas no evento anual de apresentação de novidades da Apple, a WWDC 2024, que começou a 10 de junho e termina a 14 de junho, na sede da empresa em Cupertino, na Califórnia

O ecossistema de produtos da Apple tem novas funcionalidades que vão dificultar a forma como as marcas e os anunciantes chegam aos consumidores, pondo em causa a visibilidade e o alcance das campanhas publicitárias. Uma nova categorização de emails e de notificações, e a priorização de conteúdos em páginas web que são mais relevantes para o utilizador, em detrimento da publicidade, são as funcionalidades em causa.

Uma das principais preocupações para os anunciantes e para as marcas é o impacto do novo modelo de IA no sistema de correio eletrónico Mail, como a capacidade de ordenar os emails com base na preferência prevista do utilizador. Isto significa que os emails que a IA considera não preferenciais, como por exemplo um anúncio, podem ficar no fundo da caixa de entrada de correio eletrónico.

A mesma preocupação aplica-se às notificações. A nova funcionalidade ‘Reduzir interrupções’, que apresenta apenas as notificações com as quais a IA espera que o utilizador se preocupe, uma inferência que o sistema faz com base nos dados que possui sobre o utilizador.

Outra das dificuldades é a nova funcionalidade ‘Destaques’, que utiliza a aprendizagem automática com base em IA para destacar o conteúdo de uma página web mais importante para o utilizador, por oposição ao conteúdo que não lhe interessa, como a publicidade. Tal como acontece com o marketing de correio eletrónico e de notificações, também nas páginas web os anunciantes vão ter de apresentar conteúdos que sejam ainda mais relevantes para o utilizador.

Estas funcionalidades foram reveladas no evento anual da Apple de apresentação de novidades, a Worldwide Developers Conference 2024 (WWDC), que começou a 10 de junho e termina a 14 de junho, na sede da Apple em Cupertino, na Califórnia.

Sobre o autorDaniel Monteiro Rahman

Daniel Monteiro Rahman

Mais artigos
Marketing

Portugália apresenta nova imagem assinada por Farelo Studio e Luís Mileu Studio

A nova identidade visual tem como objetivo adequar a Portugália às novas exigências de um mundo multiplataforma. O logótipo foi sujeito a uma simplificação formal, onde o símbolo do escudo é incluído na própria tipografia

A Portugália escolheu os estúdios Farelo e Luís Mileu para o desenvolvimento do projeto de renovação da marca, referente aos 100 anos que comemora em 2025. O projeto engloba todos os pontos de contacto da marca, tanto no modelo de cervejaria de rua como no de balcão de centro comercial, com um foco específico na loja da Almirante Reis, que recentemente foi alvo de uma renovação.

A nova identidade visual tem como objetivo adequar a Portugália às novas exigências de um mundo multiplataforma. O logótipo foi sujeito a uma simplificação formal, onde o símbolo do escudo é incluído na própria tipografia, adquirindo uma nova liberdade de aplicação. Transversalmente, foi criado um novo símbolo mantendo apenas os dois elementos fundamentais para a Portugália, o escudo como sinónimo de portugalidade e união, e a data da fundação que celebra a história e diversidade da marca.

“Foi um processo profundo, onde houve a coragem de abandonar símbolos de um Portugal distante, como castelos e quinas, e centrar a marca no que a torna única e focá-la no futuro”, refere Pedro Farelo, fundador e diretor criativo do Farelo Studio, em nota de imprensa.

Lançada a 10 de junho, na renovada cervejaria Portugália da Almirante Reis, a nova imagem da marca vai ser progressivamente aplicada nas restantes localizações ao longo do ano, num processo que se prevê estar concluído nas celebrações do centenário, em 2025. “Foi uma viagem longa, onde explorámos 100 anos feitos tantas histórias, tantas pessoas, um verdadeiro ponto de encontro entre gerações. Uma marca que faz parte de tantas memórias passadas e que queremos que faça das futuras”, afirma Luís Mileu, fundador do Luís Mileu Studio, em comunicado de imprensa.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 Meios & Publicidade. Todos os direitos reservados.