Edição digital
PUB
Publicidade

Acne cria campanha com influenciadora animada para a CIN (com vídeo)

A campanha multimeios, que estará presente em publicidade exterior, imprensa, digital, cinema e pontos de venda, contou com a produção da Nebula Studios e o planeamento de meios da Mindshare

Meios & Publicidade
Publicidade

Acne cria campanha com influenciadora animada para a CIN (com vídeo)

A campanha multimeios, que estará presente em publicidade exterior, imprensa, digital, cinema e pontos de venda, contou com a produção da Nebula Studios e o planeamento de meios da Mindshare

Sobre o autor
Meios & Publicidade
Artigos relacionados
Media europeus perdem pluralismo. Portugal é um dos nove países de baixo risco
Media
APETRO é agora EPCOL com rebranding da White Way (com vídeo)
Marketing
LinkedIn lança ferramenta de criação de campanhas com base em IA
Digital
M&P 961: Entrevista a Daniel Hulme (WPP) + Book Prémios de Design M&P’24
Edição Digital
O que pode ler na edição 961 do M&P
Media
Bar Ogilvy é a nova agência criativa da Galp
Publicidade
Swee investe mil euros em marketing de guerrilha para atrair atenção de Cristina Ferreira
Marketing
Porto Business School renova pós-graduação em gestão de comunicação
Comunicação
TV: Os programas que dominam as audiências, gravações e redes sociais em junho
Media
Albano Homem de Melo assina campanha da ERA que evoca portugalidade (com vídeo)
Publicidade

A nova campanha de comunicação da CIN, idealizada pela Acne Lisboa, que pretende dar a conhecer a linha de produtos Woodtec e aumentar a quota de mercado, tem como protagonista a Teca, uma influenciadora virtual e animada em 3D, que vai apresentar a gama que fornece soluções para hidratação, brilho, proteção e decoração da madeira.

A Teca é definida pela CIN como uma influenciadora de ‘woodcare’, fazendo um paralelismo com as influenciadores de ‘skincare’ e com os cuidados de pele amplamente promovidos na cosmética.

PUB

A campanha multimeios, que estará presente em publicidade exterior, imprensa, digital, cinema e pontos de venda, contou com a produção da Nebula Studios e o planeamento de meios da Mindshare. A ideia foi mostrar que a madeira, tal como a nossa pele, precisa de tratamentos especiais consoante a altura do ano, desde proteção contra os raios solares até à aplicação de diferentes produtos por camadas.

Deste princípio surgiu a Teca, que é uma figura humanizada de madeira, criada através de animação 3D, que fala e demonstra, à semelhança de uma influenciadora de cosmética e de cuidados de pele, os cuidados, para proteção e decoração de madeira, que a gama de vernizes, lasures e óleos Woodtec da CIN apresenta.

“O nosso reconhecimento no segmento de tintas é total, sendo fácil associar a CIN à pintura de paredes. Contudo, nem todo o mercado reconhece que também temos soluções de qualidade para a protecção e decoração da madeira. Neste sentido, quisemos utilizar a inovação, que faz parte do nosso legado centenário, juntamente com um toque de criatividade, ousadia e arrojo, numa campanha multimeios, com a ambição de aumentar as vendas dos produtos da gama CIN Woodtec, a notoriedade e, consequentemente, a nossa quota de mercado”, afirma Liliana Leis Soares, diretora-adjunta de marketing da CIN, em comunicado de imprensa.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Artigos relacionados
Media europeus perdem pluralismo. Portugal é um dos nove países de baixo risco
Media
APETRO é agora EPCOL com rebranding da White Way (com vídeo)
Marketing
LinkedIn lança ferramenta de criação de campanhas com base em IA
Digital
M&P 961: Entrevista a Daniel Hulme (WPP) + Book Prémios de Design M&P’24
Edição Digital
O que pode ler na edição 961 do M&P
Media
Bar Ogilvy é a nova agência criativa da Galp
Publicidade
Swee investe mil euros em marketing de guerrilha para atrair atenção de Cristina Ferreira
Marketing
Porto Business School renova pós-graduação em gestão de comunicação
Comunicação
TV: Os programas que dominam as audiências, gravações e redes sociais em junho
Media
Albano Homem de Melo assina campanha da ERA que evoca portugalidade (com vídeo)
Publicidade
PUB
Media

Media europeus perdem pluralismo. Portugal é um dos nove países de baixo risco

Pressões políticas, económicas e sociais e condições laborais precárias apontadas como duas das principais causas pelo Media Pluralism Monitor 2024, relatório do Centre for Media Pluralism and Media Freedom. FIJ já veio a público pedir políticas que salvaguardem a diversidade

Dos 32 países europeus analisados para a edição de 2024 do estudo Media Pluralism Monitor (MPM), realizado pelo Centre for Media Pluralism and Media Freedom (CMPF), apenas sete (Alemanha, Suécia, Dinamarca, Países Baixos, Bélgica, Finlândia e Lituânia) apresentam níveis de pluralismo dos media que podem ser consideradas satisfatórios. Portugal é, a par de Dinamarca, Estónia, Finlândia, Alemanha, Lituânia, Luxemburgo, Suécia e República da Macedónia do Norte, um dos nove países de baixo risco.

Áustria, Chipre e Eslováquia, que também se encontravam nesse patamar, apresentam agora uma taxa de risco médio. Apenas sete países europeus apresentam um nível satisfatório de pluralismo dos meios de comunicação social. A França já não é uma das nações com melhor desempenho na Europa, revela o estudo, realçando que os países com a taxa de risco mais elevada continuam a ser a Turquia, a Hungria, a Albânia, a Sérvia, a Roménia e o Montenegro.

Na maioria dos países analisados, os cidadãos europeus não têm acesso totalmente garantido a fontes de informação diversificadas e independentes, afirma o MPM, que aponta uma deterioração do pluralismo dos media em toda a Europa. “As tendências gerais mostram uma crescente interferência comercial e política nos meios de comunicação social. O relatório demonstra também a passividade dos governos europeus e das empresas de media face a esta ameaça democrática”, critica o CMPF.

O estudo, realizado anualmente, avalia os riscos para o pluralismo dos meios de comunicação social em 32 países europeus, 27 estados-membros da União Europeia (UE) e cinco países candidatos, detalhando as ameaças ao pluralismo e à liberdade dos meios de comunicação social. “Os resultados mostram que nenhum desses países ​​está livre de ataques ao pluralismo dos media”, alerta a análise, que aponta as pressões, as condições de trabalho e as ameaças jurídicas que os jornalistas enfrentam no quotidiano.

“Outra tendência alarmante que emerge do relatório diz respeito à independência editorial, que regista um nível histórico de alto risco este ano. As pressões comerciais comprometem a independência editorial, com os proprietários dos meios de comunicação social e os anunciantes a influenciar a cobertura dos temas”, refere o estudo. A adoção de quadros legislativos que melhorem as condições de trabalho dos jornalistas é uma das recomendações que o CMPF apresenta nas conclusões do MPM.

“Em 10 anos de monitorização dos media, observámos o surgimento de muitos novos desafios. Hoje, mais do que nunca, existe uma extrema necessidade de apoiar o jornalismo e o pluralismo dos media. Esperamos avaliar os efeitos da Lei Europeia sobre a Liberdade dos Meios de Comunicação Social nos estados-membros e apelamos aos governos para que se comprometam a proteger a liberdade de imprensa como um pilar da nossa democracia”, afirma Pier Luigi Parcu, diretor da CMPF.

Após a divulgação do documento, a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) também veio a público insistir na adoção de políticas que salvaguardem o pluralismo dos media. “Em tempos como os que atualmente vivemos, em que a democracia está particularmente em jogo, os cidadãos precisam de uma imprensa livre e os governos devem fazer tudo o que estiver ao seu alcance para garantir a diversidade dos meios de comunicação social”, defende Dominique Pradalié, presidente da FIJ.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Marketing

APETRO é agora EPCOL com rebranding da White Way (com vídeo)

O novo rebranding da associação pretende refletir o novo posicionamento estratégico da associação, destacando o compromisso com a transição energética sustentável

A EPCOL é a nova marca que representa a associação das Empresas Portuguesas de Combustíveis e Lubrificantes, anteriormente conhecida como Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (APETRO).

O novo rebranding da associação, que passou pela criação de uma nova identidade visual e comunicação de marca, é da autoria da agência criativa White Way e pretende refletir o novo posicionamento estratégico da associação, destacando o compromisso com a transição energética sustentável. 

“A EPCOL quer garantir a energia do presente, enquanto investe na energia do futuro. Para nós e para as nossas associadas, é extremamente importante fornecer produtos energéticos com menor impacto no clima e no ambiente, pois somos e queremos continuar a ser parte da solução para as necessidades das empresas e famílias”, garante António Comprido, secretário-geral da EPCOL, em comunicado de imprensa.

“A sustentabilidade é um tema estratégico para a White, tanto na dimensão interna como no apoio aos nossos clientes nesta jornada. Ter a possibilidade de trabalhar criativamente um assunto tão fulcral é, para além de um privilégio, um enorme prazer. Estamos muito satisfeitos com o resultado deste projeto da EPCOL”, revela Filipa Montalvão, cofundadora e sócia da White Way.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Digital

LinkedIn lança ferramenta de criação de campanhas com base em IA

A Accelerate é um dos primeiros investimentos do LinkedIn em IA e está incluída no gestor de campanhas desta rede social para profissionais e empresas, permitindo que os sistemas de IA elaborem uma campanha publicitária completa

O LinkedIn está a lançar oficialmente a Accelerate, ferramenta que utiliza inteligência artificial (IA) para automatizar o processo de criação de campanhas publicitárias. A ferramenta que está a ser apresentada a nível global, com a expetativa de estar disponível para todos os anunciantes no início do outono, já estava disponível para um número limitado de anunciantes, desde outubro de 2023, de acordo com o Digiday.

A Accelerate é um dos primeiros investimentos do LinkedIn em IA e está incluída no gestor de campanhas desta rede social para profissionais e empresas, permitindo que os sistemas de IA elaborem uma campanha publicitária completa. Basta o anunciante fornecer um link para o produto que pretende promover e o sistema encarrega-se do resto, incluindo os elementos criativos, através da integração do Microsoft Designer.

Tendo por base os dados dos clientes, a Accelerate cria automaticamente os conteúdos e o público-alvo para uma campanha. Assim, os anunciantes têm apenas de ajustar o texto, as imagens e aperfeiçoar quaisquer parâmetros de segmentação de acordo com as suas necessidades.

“Em apenas cinco minutos, a Accelerate constrói uma campanha completa e otimizações automáticas para atingir o público pretendido com anúncios envolventes, que podem ser ajustados e aperfeiçoados antes do lançamento da campanha”, salienta Abhishek Shrivastava, vice-presidente de produto do LinkedIn, em comunicado de imprensa.

O LinkedIn também está a adicionar outras novidades ao gestor de campanhas, como a opção de integrar dados de clientes e listas de exclusão na segmentação de uma campanha. Simultaneamente, a rede social está a expandir as capacidades do seu assistente de marketing baseado em IA, para que os anunciantes tenham a possibilidade de colocar questões mais detalhadas durante o processo de criação das campanhas.

Sobre o autorDaniel Monteiro Rahman

Daniel Monteiro Rahman

Mais artigos
Edição Digital

M&P 961: Entrevista a Daniel Hulme (WPP) + Book Prémios de Design M&P’24

Uma análise de dados trabalhados pela Snack Content revela as 10 marcas com as quais a geração Z mais interagiu nas redes sociais em Portugal, entre janeiro e junho

Media

O que pode ler na edição 961 do M&P

Uma entrevista a Daniel Hulme (WPP), as 10 marcas com as quais a geração Z mais interagiu nas redes sociais em Portugal, a opinião de Paula Cosme Pinto, João Paulo Luz e Pedro Simões Dias, e o Book com os vencedores dos Prémios de Design M&P’24 são alguns dos destaques

Na edição 961 do M&P destaca-se uma entrevista com Daniel Hulme, diretor global de IA do WPP, que aponta os caminhos a seguir e a evitar na utilização de inteligência artificial no marketing, criatividade e planeamento de meios.

O também CEO da Satalia, empresa de pesquisa e implementação de sistemas de IA que vendeu ao WPP em 2021, por cerca de €88,75 milhões, destaca ainda o talento nacional na otimização de IA.

Uma análise de dados trabalhados pela Snack Content revela as 10 marcas com as quais a geração Z mais interagiu nas redes sociais em Portugal, entre janeiro e junho.

Na secção dedicada a profissionais expatriados, Ana Martines, diretora de comunicação e ‘engagement’ do cluster ibérico da L’Oréal, partilha a experiência de ter trocado Lisboa por Madrid.

Na rubrica dedicada à criatividade, Como é que não me lembrei disto?, a ‘New and Not Improved’, para o Mac&Cheese da Kraft, é a campanha que André Mota, diretor criativo da Mustard, gostaria de ter feito.

Na crónica Costela de Adão? Não, Paula Cosme Pinto, comunicadora pela igualdade de género, aborda a exploração da imaturidade infantil como nicho de mercado na cosmética, apresentando uma marca (a Kiehl’s), que faz o caminho oposto numa recente campanha publicitária.

Ainda na opinião, João Paulo Luz, diretor de negócios digitais e ‘publishing’ da Impresa, escreve sobre o poder da inteligência artificial no nosso conhecimento e opções de consumo. Pedro Simões Dias, fundador da Comporta Perfumes e advogado de proteção de direitos de marcas, escreve sobre artistas enquanto marcas, dando como exemplos Rihanna e Dino D’Santiago.

O dossiê especial é dedicado à inovação em bebidas, em que os produtos funcionais e diferenciados impulsionam o mercado, numa edição que conta ainda com o book Prémios de Design M&P’24, com os vencedores e os melhores momentos do evento de entrega dos troféus.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Publicidade

Bar Ogilvy é a nova agência criativa da Galp

A agência liderada por Miguel Ralha vai trabalhar a conta que estava dividida entre a O Escritório e a DDB

Catarina Nunes

A Bar Ogilvy é a nova agência criativa da Galp, na sequência de uma consulta ao mercado, ficando a trabalhar a conta que até agora estava dividida entre a O Escritório (grandes campanhas) e a DDB (ponto de venda).

“É um orgulho podermos trabalhar uma marca portuguesa com uma história tão rica e um portefólio de comunicação também ele histórico. Como agência com um claro foco em criatividade e resultados, a exigência criativa da Galp não podia ser um estímulo melhor. Foi exatamente esse estímulo que nos deu força para agarrar esta oportunidade desde o primeiro minuto”, refere Miguel Ralha, CEO e sócio da Bar Ogilvy,

Miguel Ralha acrescenta ainda que “toda a equipa da Bar Ogilvy está entusiasmada com as oportunidades que esta parceria vai trazer. A nossa equipa está preparada para levar a criatividade e a inovação a novos patamares, contribuindo para o sucesso contínuo da Galp”.

Sobre o autorCatarina Nunes

Catarina Nunes

Mais artigos
Marketing

Swee investe mil euros em marketing de guerrilha para atrair atenção de Cristina Ferreira

“Como ela recebe milhares de mensagens por dia, nunca iria reparar numa mensagem nossa. Surgiu-nos, então, a ideia de alugarmos um ‘billboard’ na Malveira”, explica ao M&P Diogo Valente, cofundador da marca de gelados

A Swee investiu mil euros numa ação de marketing de guerrilha para atrair a atenção de Cristina Ferreira. Para dar a provar os gelados veganos que produz e comercializa à apresentadora de televisão, a marca alugou um suporte publicitário na Malveira, na berma de uma estrada por onde a também diretora de entretenimento e ficção da TVI circula diariamente. No cartaz, a empresa reproduz a mensagem direta que enviou a Cristina Ferreira no Instagram, para lhe dar a conhecer a Swee.

“Como ela recebe milhares de mensagens por dia, nunca iria reparar numa mensagem nossa. Surgiu-nos, então, a ideia de alugarmos um ‘billboard’ na Malveira”, explica ao M&P Diogo Valente, cofundador da marca, justificando a escolha com o percurso profissional da apresentadora. “Sentimos muito a necessidade de manter a essência do projeto. Não nos esquecemos para onde vamos nem de onde viemos. A Cristina é uma pessoa que respeitamos muito por causa disso. Apesar de ter chegado aonde chegou, mantém bem vincado de onde vem”, afirma o empreendedor que cofundou a marca com Tiago Rebelo, em 2021.

Depois da colocação do cartaz, a Swee publicitou a ação nas redes sociais, procurando obter uma reação por parte da apresentadora, que até agora ainda não chegou. “Acho que ela está a preparar uma resposta do outro mundo. É a única justificação plausível. Mas estamos a aguardar pacientemente”, garante Diogo Valente, acreditando que o propósito de dar a provar os gelados à apresentadora vai ser atingido. “Ela vive muito os valores de autenticidade e de transparência da marca. Estamos convictos de que vamos ter uma interação com ela”, refere.

Nas redes sociais, os seguidores da marca reagiram entusiasticamente à iniciativa. “Foi a primeira vez que investimos em marketing, para nós este é um investimento gigante, mas fazemos ‘live streams’ com os nossos consumidores todos os dias, o que nos posiciona como uma marca brincalhona e divertida. As pessoas podem ver a equipa, como trabalhamos e onde estamos com ações de experimentação”, explica o empreendedor, que também aproveitou a euforia em torno do Euro 2024 para promover gratuitamente a marca.

“Desafiámos, através das redes sociais, a seleção nacional a experimentar os nossos gelados, incentivando também os nossos seguidores a dar-lhos a provar. Chegámos ao Danilo Pereira, que começou a seguir-nos e a interagir connosco. Quando a equipa partiu para a Alemanha, seguimos o autocarro até ao aeroporto, transmitindo a viagem em ‘live stream’. Quando o Danilo saiu, demos-lhe um gelado a provar”, recorda Diogo Valente, que também invadiu uma emissão da RTP para promover a marca, naquela que foi outra ação de marketing de guerrilha da Swee.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Comunicação

Porto Business School renova pós-graduação em gestão de comunicação

O currículo do curso passa a abordar áreas como o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados, ‘media training’, imagem pessoal e comunicação nas ciências do comportamento

A Porto Business School está a renovar a pós-graduação em gestão de comunicação, com uma atualização curricular direcionada para o atual perfil dos profissionais da comunicação, com uma abordagem holística e integradora.

A pós-graduação passa a abordar áreas como o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD), ‘media training’, a imagem pessoal e a comunicação nas ciências do comportamento. A nova edição do programa, conta ainda com um reforço da importância do trabalho de projeto de fim de curso.

Os participantes vão poder assistir a ‘masterclasses’ conduzidas por oradores nacionais e internacionais sobre temas como estratégia e comunicação organizacional, ‘design thinking’, liderança, ‘data mining’ e transformação digital, entre outros. Esta formação pretende desenvolver nos participantes diversas competências nas diferentes dimensões da comunicação para acesso ao mercado nas áreas de comunicação e gestão de marca.

A pós-graduação em gestão de comunicação assume uma componente prática, através da realização de trabalhos que visam dar resposta a situações e desafios reais dos participantes em disciplinas como RGPD, ‘lobbying’, gestão de crise, ‘media training’ e coordenação de eventos, entre outros. O programa pode ser frequentado em formato presencial ou online e começa a 4 de outubro, sendo que o período de candidaturas termina a 20 de setembro. As inscrições estão disponíveis no site da Porto Business School.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Media

TV: Os programas que dominam as audiências, gravações e redes sociais em junho

No mês de realização do Euro 2024, na Alemanha, o futebol ocupa a totalidade do top 10. Segundo os dados oficiais do Social Media Explorer do grupo Marktest, nos programas gravados e visionados no próprio dia, o magazine humorístico de Ricardo Araújo Pereira na SIC continua a liderar

Em junho, em mês de realização do Euro 2024, na Alemanha, o destaque natural vai para o futebol, que ocupou todas as posições do top 10 de programas. Nas três primeiras posições, temos os três jogos que a seleção portuguesa realizou na fase de grupos da competição, com destaque para o Portugal x Chéquia, transmitido na SIC no dia 18 , com uma audiência média de 3.408.600 indivíduos.

 

 

Nos programas gravados e visionados no próprio dia, a liderança foi ocupada pelo magazine de Ricardo Araújo Pereira, Isto É Gozar Com Quem Trabalha, da SIC, transmitido a 2 de junho. Nas gravações de sete dias, o melhor programa foi o ‘reality show’ sentimental Casados À Primeira Vista, na sua emissão de 16 de junho.

 

 

Nas redes sociais, na primeira posição da tabela, mantém-se em destaque o ‘reality show’ Big Brother, que terminou no final deste mês. O programa das manhãs Dois Às 10 ocupa o segundo lugar da tabela e em terceiro ficou a série Morangos Com Açúcar. A telenovela Senhora do Mar e o programa Casados À Primeira Vista encontram-se, respetivamente, na quarta e quinta posição.

O programa Casa Feliz está no sexto lugar, seguido da nova novela, que estreou este mês na SIC, A Promessa. A fechar este top 10, encontram-se os programas das tardes da SIC e da TVI, Júlia e Goucha, além de Dilema, o novo ‘reality show’ do canal de Queluz de Baixo.

 

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Publicidade

Albano Homem de Melo assina campanha da ERA que evoca portugalidade (com vídeo)

Em vez de contratar uma agência criativa, a ERA Portugal recorre aos serviços do histórico da publicidade portuguesa, com quem colabora há 16 anos, para criar anúncios que pretendem humanizar a marca. Em outubro, é lançada uma nova campanha

Albano Homem de Melo, ex-presidente da Young & Rubicam, é o diretor criativo da campanha multimeios da ERA, que presta tributo à portugalidade, dando seguimento a uma colaboração que dura há 16 anos. Com direção de arte de Ricardo Figueira e produção da Based On a True Story, integra um filme publicitário realizado por Paulo Aguiar e está a ser divulgada em rádio, digital e exterior, até 6 de agosto. “Esta campanha representará um investimento em meios, a preços de tabela, na ordem de €1,5 milhões”, refere ao M&P Mariana Coimbra, diretora de marketing da ERA Portugal.

Além da Rádio Comercial, da RFM, da M80 e da Renascença, os anúncios que a integram estão a ser veiculados nas redes da Google e da Meta e no Spotify, “mas também em alguns websites nacionais como o Expresso, o Observador, o Jornal de Notícias e o New in Town”, informa a responsável, que também apostou em suportes exteriores em todo o país, investindo em estruturas de alto impacto em Lisboa, no Porto e no Algarve, para promover a campanha, que alia a arte à música popular portuguesa.

A amplificação digital está a cargo da Fullsix, enquanto que o restante planeamento de meios é da Initiative. “Esta campanha é o ponto de partida para uma estratégia semestral que tem como grande objetivo voltar a aproximar-nos dos portugueses, humanizando a nossa marca e relembrando que fazemos parte da solução da habitação nacional”, esclarece Mariana Coimbra, que prefere trabalhar com uma equipa criativa de freelancers liderada por Albano Homem de Melo, em vez de contratar uma agência criativa.

“Não está prevista uma segunda vaga da campanha, mas ela continuará a ser comunicada em agosto e em setembro, com menor pressão e maior foco local, por intermédio das agências ERA e das redes sociais da ERA Portugal, nomeadamente com alguns passatempos e desafios. Para além de uma nova aposta em ‘branded content’, está prevista uma nova campanha multimeios ainda este ano, em outubro, com um novo tema”, refere a diretora de marketing.

Segundo a empresa, o número de portugueses que comprou casa aumentou nos primeiros meses do ano. As previsões da ERA Portugal também apontam para um crescimento do mercado interno. “Sentimos que era o timing perfeito para iniciar um período de maior investimento em publicidade e de conteúdos de marca, reforçando não só a nossa notoriedade como também a nossa reputação e posicionamento enquanto mediadora mais próxima, local e especialista em soluções de habitação e investimento”, afirma Mariana Coimbra.

Em parceria com a Arte Leite, a ERA está também a distribuir, através de passatempos nas redes sociais, uma coleção de ímanes de casas típicas portuguesas, feitas à mão pelo artesão vimaranense João Leite, fundador da Arte Leite, que pode ser vista nos novos materiais promocionais. “Prevemos que esta seja uma campanha rica em conteúdo, não só em termos de ‘user generated content’ como também a nível local”, refere a responsável, que já prepara o regresso pós-férias.

“A partir de setembro, lá mais para o final do mês, teremos mais novidades, com uma nova campanha nacional e uma parceria de ‘branded content’ que nos ajudará a simplificar algumas mensagens aparentemente complexas. O foco continuará a ser a proximidade ao nosso público e a humanização da nossa marca, relembrando que somos uma insígnia de e para portugueses, com casas portuguesas que os portugueses podem comprar”, assegura Mariana Coimbra.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 Meios & Publicidade. Todos os direitos reservados.