Edição digital
PUB
Publicidade :: Noticias

Estas cabeças estiveram a prémio em 2022

É tempo de virar os holofotes para as equipas, conhecer as cabeças por detrás das melhores ideias de 2022 e colocar na mira os rostos de quem dá o corpo às balas pelas agências e produtoras que mais se destacaram nas áreas da criatividade, design, meios, comunicação e produção. Tempo também de dar a palavra aos profissionais do setor, que partilham desejos e expectativas para 2023, os conselhos que deixariam às marcas e os principais desafios que antecipam para o novo ano

Pedro Durães
Publicidade :: Noticias

Estas cabeças estiveram a prémio em 2022

É tempo de virar os holofotes para as equipas, conhecer as cabeças por detrás das melhores ideias de 2022 e colocar na mira os rostos de quem dá o corpo às balas pelas agências e produtoras que mais se destacaram nas áreas da criatividade, design, meios, comunicação e produção. Tempo também de dar a palavra aos profissionais do setor, que partilham desejos e expectativas para 2023, os conselhos que deixariam às marcas e os principais desafios que antecipam para o novo ano

Pedro Durães
Sobre o autor
Pedro Durães
Artigos relacionados
Fora do Escritório com António Fuzeta da Ponte, diretor de marca e comunicação da Nos
Marketing
El Ojo de Iberoamérica anuncia calendário de inscrições
Publicidade
Receitas da Alphabet aumentam 14% no segundo trimestre
Digital
Segunda campanha da Havas Portugal para a APSI põe 26 crianças à prova (com vídeo)
Publicidade
Patrícia Ramos regressa à Repsol como gestora de marketing
Marketing
Media Capital aumenta receitas publicitárias e reduz prejuízo
Media
Havas trabalha embalagens, publicidade e redes sociais de nova gama da Milaneza
Publicidade
Venda de títulos da Global Media por €16,5 milhões será concluída esta semana
Media
Carclasse associa-se à Camisola Montanha na Volta a Portugal em Bicicleta
Marketing
Google, afinal, vai manter cookies de terceiros
Digital

Após dois anos desafiantes, 2022 esteve longe de ser um ano sem obstáculos para superar. Mas é nestes momentos que fica (ainda mais) evidente o poder das grandes ideias. Isso ficou claro num ano com vários projetos que permitiram à criatividade nacional, não só brilhar nos principais festivais em Portugal, mas também regressar aos grandes palcos internacionais, com destaque para uma das melhores performances de sempre em Cannes. Motivos de sobra para conhecer as cabeças por detrás das melhores ideias. Como já vem sendo tradição no M&P, é tempo de virar os holofotes para as equipas e colocar na mira os rostos de quem dá o corpo às balas pelas agências e produtoras que mais se destacaram nas áreas da criatividade, design, meios, comunicação e produção. Tempo também de dar a palavra aos profissionais do setor, que partilham desejos e expectativas para 2023, os conselhos que deixariam às marcas e os principais desafios que antecipam para o próximo ano.

Criatividade
BAR Ogilvy
A agência liderada por Miguel Ralha e José Bomtempo venceu o principal troféu nos Prémios Criatividade M&P. O Grande Prémio foi alcançado graças a Breaking Sirens, campanha desenvolvida pela BAR Ogilvy para a Amnistia Internacional em parceria com o Meo, num trabalho que se afirmou como um dos projetos nacionais que mais se destacaram nos principais festivais de criatividade em 2022, não só em Portugal mas também a nível internacional, tendo chegado a leão de ouro no festival Cannes Lions.
“Começo por dizer que quando a essência do nosso trabalho é a criatividade, é bom que o nosso principal objetivo seja garantir que essa criatividade está sempre ao mais alto nível. Por isso, 2023 começa com o desafio de não baixarmos o resultado alcançado em 2022 pela criatividade portuguesa. Foi sem dúvida o nosso melhor ano de sempre, que, no mínimo, é para manter.
2023 vai ser também um ano desafiante para as marcas, onde se esperam tempos difíceis, com a ressaca da covid-19, com a guerra na Ucrânia, que não tem um fim à vista, e com toda a contração da economia, fruto do aumento galopante da inflação, das taxas de juro e da mais do que evidente redução do poder de compra. As marcas vão precisar de estar ao lado dos seus consumidores, com soluções e propostas de valor que acompanhem as suas necessidades. Para todos nós, que diariamente trabalhamos neste mercado, desejo que 2023 seja um ano cheio de criatividade e que consigamos, com essa criatividade, alcançar os nossos objetivos”, Miguel Ralha, CEO da BAR Ogilvy

PUB

FCB Lisboa
Pela primeira vez na história do festival Cannes Lions, uma agência portuguesa ganhou o prémio máximo numa categoria. O primeiro grand prix em Cannes, feito alcançado pela FCB Lisboa na categoria de Design, seria o pontapé de saída para um palmarés internacional que não parou de aumentar até chegarmos ao final de 2022. O grande prémio foi repetido nos festivais Mad Stars, El Ojo e Eurobest, confirmando a FCB Lisboa como a agência nacional que mais se destacou nos palcos internacionais ao longo deste ano. Em causa está o projeto Reconstituição Portuguesa, desenvolvido para a Penguin Random House Portugal, que somou ainda ouro nos Epica Awards, além de um bronze nos LIA. No El Ojo, festival ibero-americano onde a FCB Lisboa se tornou igualmente a primeira agência portuguesa a vencer um Gran Ojo, o desempenho alcançado com este trabalho garantiu ainda à equipa liderada por Edson Athayde os principais prémios na categoria El Ojo Local, com as distinções de Melhor Agência no mercado português, Melhor Ideia e Melhor Criativo, para Viton Araújo e Diego Tórgo, com contributo decisivo para o prémio de Melhor Anunciante de Portugal, atribuído à Penguin Random House.
“No começo de 2022, respondendo a uma questão parecida com a de agora (o que esperar do novo ano), afirmei que era a hora do ‘Re’. Do ‘refazer’, ‘repensar’, ‘redescobrir’, enfim, de uma série de verbos bons para conjugar num mundo ávido para recomeçar. Tentámos colocar essa ideia em prática na nossa empresa. O que, como todos sabem, nunca é fácil. Rever coisas e processos dá trabalho. Redefinir o seu foco, a sua posição de mercado, os seus objetivos, gera stress, consome energias, obriga a sair da sua zona de conforto. Foi o que fizemos. É o que estamos a fazer. Estamos a preparar a FCB Lisboa de 2023, mas também a de 2033. Isto faz o ‘Re’ continuar a ser importante enquanto filosofia de vida. Essa visão acaba por ser muito parecida com o slogan mundial da FCB: #NeverFinished. ‘Nunca Acabar’, no caso, não quer dizer deixar por fazer. Ao contrário, significa não dormir à sombra da bananeira. Indica desejo de encontrar novas maneiras, novos jeitos de fazer as coisas. Ou de fazer outras coisas, usar outros saberes. Ou como diria o meu Tio Olavo: ‘Nada é permanente, a não ser a mudança’”, Edson Athayde, CEO e COO da FCB Lisboa

O Escritório
Pelo terceiro ano consecutivo, a agência fundada por Nuno Jerónimo e Tiago Canas Mendes saiu dos Prémios Eficácia com o título de Agência Criativa do Ano.
“Nada como uma edição especial sobre as agências mais premiadas para recordar que para uma agência os prémios não são o mais importante. Pelo menos para esta. Para O Escritório, o mais importante é termos boas pessoas, bons clientes e boas ideias. A nossa expectativa para 2023 é simplesmente continuarmos a ter ideias capazes de entusiasmar as nossas pessoas e os nossos clientes. Não somos de dar conselhos a ninguém, mas o desejo de ano novo que deixamos – não apenas às marcas mas a todos os protagonistas do mercado – é que, apesar dos algoritmos, do ritmos das redes sociais e da vontade de ter opinião sobre tudo, não subestimem aquele que é o bem mais valioso e escasso para a indústria criativa, mas também para a humanidade: o tempo para pensar”, Nuno Jerónimo e Tiago Canas Mendes, fundadores de O Escritório

Partners
A Partners conquistou, pelo terceiro ano consecutivo, o título de Agência Criativa do Ano nos Prémios Marketing M&P. Com o projeto The Unwanted Shapes – Covid Edition, a agência agora detida pelo grupo Dentsu fez o pleno nesta edição e conquistou também o Grande Prémio.
“2003 a 2022! 20 anos, duas décadas, uma Partners. Não temos espaço neste artigo para agradecer a todos os que aqui trabalham e trabalharam. Não temos espaço para dedicar muitas palavras a todos os nossos clientes com quem fizemos acontecer muita coisa boa. Nem para todos aqueles que foram e são nossos parceiros nesta fascinante indústria e que nunca tiveram medo de mudar, de nos mudar, de mudar o setor; que acreditaram e confiaram, uma e outra vez, no ‘fora da caixa’, no ‘unfollow’ e no ‘trust risk’. Não temos espaço para contar histórias, ideias, prémios, alegrias, tristezas, ansiedades, gritos, risos… Mas temos espaço de sobra para deixar uma palavra que significa tudo aquilo que, como fundadores, sentimos e queremos escrever nas várias línguas de todos os países por onde deixámos, e queremos continuar a deixar, a marca criativa da Partners: Obrigado, gracias, merci, thank you, danke, spacibo, xiéxie… arigatô”, Tomás Froes, CEO da Partners

Stream and Tough Guy
Três anos após ter sido fundada, a agência de João Ribeiro e Miguel Durão teve em 2022 o seu ano de afirmação no mercado ao somar dois títulos de Agência do Ano, um no festival do Clube de Criativos de Portugal e outro nos Prémios Criatividade M&P. Com vários trabalhos premiados, acabaria por ser o projeto CO2AT, desenvolvido em parceria com a This is Pacifica, a assumir maior protagonismo como um dos cases nacionais com melhores resultados a nível nacional e internacional ao somar dois Grandes Prémios, um nos Eficácia e outro nos APPM Marketing Awards, além de um ouro no festival Cannes Lions.
“A guerra, a inflação, a diminuição do poder de compra e a consequente angústia da incerteza que embrulha 2023 fazem com que se antecipe que o próximo ano venha a ser pior do que os anteriores. Mas não é assim todos os anos? Não nos recordamos de vez alguma termos lido ou ouvido projeções em que se previsse com convicção, mais do que por ténue esperança ou otimismo descabido, que os tempos que se avizinhavam fossem períodos de ostentação, folgas orçamentais ou margem para arriscar. As estratégias de marketing assentes em tendências tendem, passe a redundância, a ser demasiado conservadoras. Diz-nos a experiência que, algures no último trimestre, se tenta aproveitar o budget que (afinal) sobrou para uma iniciativa extra plano.
O desejo da Stream and Tough Guy para 2023 é que se siga mais o instinto, porque os relatórios de intelligence, pese embora sejam um conhecimento privilegiado, só o são até certo ponto, pois toda a indústria tem acesso aos mesmos dados, de uma forma ou de outra. Quanto ao instinto, ele não é copiável nem previsível. A melhor vantagem competitiva para os responsáveis de marca é a de fazerem algo que não se está à espera enquanto todos os outros estão na expectativa de uma certeza que nunca chegará em tempo útil de fazer a diferença. Por tudo isto, fazemos votos para que 2023 seja o ano dos e das Irresponsáveis de Marketing”, João Ribeiro, managing partner da Stream and Tough Guy

The Walt Disney Company Portugal
Após projetos como Estreia-te e Intervalo, a campanha Fox The Scroll valeu à equipa criativa in-house da The Walt Disney Company Portugal, pelo terceiro ano consecutivo, a distinção máxima nos Prémios M&P Criatividade em Autopromoções. Este ano, além do Grande Prémio, o trabalho desenvolvido pela equipa liderada por Hellington Vieira em diversos projetos, como Relicário e Cowboy Fashion Week, os únicos trabalhos nacionais distinguidos internacionalmente nos Promax Awards, levou a The Walt Disney Company a ser eleita Empresa de Media do Ano nos Prémios M&P Criatividade em Autopromoções & Inovação em Media.
“Temos apenas uma grande previsão para o próximo ano: 2023 será imprevisível. Algumas das mais bem reputadas previsões dos anos anteriores tiveram em comum o facto de que estavam erradas. Nada prevê que em 2023 isto seja diferente. Então, não será melhor aprendermos a lidar com a imprevisibilidade? Em vez de confiar em cenários rígidos, as marcas devem estar preparadas para a fluidez”, Hellington Vieira, creative director da The Walt Disney Company Portugal

Uzina
Tens-me na Mão, projeto criado pela Uzina para a Samsung, esteve na origem de um déjà vu para agência e anunciante no festival do Clube de Criativos de Portugal. Após terem conquistado no último ano o Grande Prémio com O Ídolo, voltaram a subir ao palco para receber o troféu para o melhor trabalho em competição na edição deste ano. A Uzina acabaria por ser eleita Agência do Ano nas categorias de Publicidade, Digital e Integração e Inovação, nesta última ex aequo com a Stream and Tough Guy, títulos a que somou ainda o de Agência Criativa do Ano na primeira edição dos APPM Marketing Awards.
“Guerra na Europa, alterações climáticas, ODS, inflação, quebra do poder de compra, quebras de investimento, fragmentação dos media, global versus local, estratégico versus tático, ROI, propósito de marca, greenwashing, teletrabalho versus presencial, saúde mental, inteligência artificial, metaverso e NFTs, criptomoedas e Web 3.0, TikTok, o fim das redes sociais, branded content, content creators, influencers, performance, métricas, fuga de talentos e tanto mais. Como navegar por este mapa sem perder o Norte? Deixo aqui um desejo pessoal, que também pode ser útil para marcas e organizações. Que em 2023 nos consigamos adaptar à mudança, mas sem querer ser o que não somos. Como supostamente disse Oscar Wilde: “Seja você mesmo, porque todos os outros já existem.” E sermos uma boa versão de nós próprios já dá bastante trabalho”, Susana Albuquerque, partner e diretora criativa executiva da Uzina

Design
Deadinbeirute
Com o projeto Cadáver Esquisito, a agência esteve em destaque nos Prémios Design M&P ao conquistar o Grande Prémio. Pelo Clube de Criativos, a Deadinbeirute foi também eleita Agência do Ano na categoria de Design.
“As marcas mais valiosas arriscam. Não têm medo de seguir um caminho menos convencional. Não são iguais às outras. Distinguem-se pela sua vitalidade. Pela sua capacidade de se exporem nos contextos certos. Nos contextos onde podem exprimir o seu verdadeiro caráter. Onde a sua honestidade é plena. Onde são capazes de inspirar. Tornando-se importantes e ligadas às pessoas que as amam. Esta atitude não está, na maioria das vezes, ligada àquilo que a sociedade declara como conveniente, como exemplar ou até como expectável. Num mundo toldado pelo medo e pelo cancelamento, sabemos que é mais fácil ceder às tendências, à alegoria, à falácia do ‘fazer o bem’, deixando de lado a essência, a poesia e o caráter. Ter um impacto positivo na sociedade e no mundo não está limitado a códigos mais ou menos estipulados e previstos. Está antes circunscrito ao risco. Ao assumir a verdade, ou a busca pela mesma, com o fim de criar um valor intemporal. É aqui que reside o valor das marcas. É aqui que queremos estar em 2023. A assumir riscos e a criar marcas e produtos cujo valor resista ao tempo e que o seu impacto seja relevante, honesto e verdadeiro de acordo com o seu contexto”, Marko Rosalline, fundador e diretor criativo executivo da Deadinbeirute

This is Pacifica
CO2AT, projeto desenvolvido em parceria com a Stream and Tough Guy para a marca Azgard9, valeu à agência de design do Porto dois Grandes Prémios, um nos Eficácia e outro nos APPM Marketing Awards, além de um Pencil Award no D&AD, um ouro no The One Show e três leões, um deles igualmente ouro, no festival Cannes Lions.
“2022 foi um ano vintage e, tal como acontece no vinho do Porto, a definição vintage acontece num ano considerado monumental, de exceção, e para ser preservado para consumo nos próximos anos. 2022 trouxe-nos três leões no Cannes Lions International Festival of Creativity, trouxe o nosso primeiro Pencil Awards no D&AD e também o primeiro prémio no The One Show com um ouro. Trouxe também Grand Prix nos Prémios Eficácia e nos prémios da APPM (Associação Portuguesa de Profissionais de Marketing) e, mais do que isso, consolidou e projetou o trabalho da This is Pacifica internacionalmente.
Mas, por muito que celebremos o ano que passa, estamos com uma enorme vontade de entrar no ano que aí vem. E já sabemos muito sobre 2023, porque já estamos a trabalhar há vários meses nele. Em 2023 vamos iniciar projetos que ficaram já adjudicados em 2022, alguns que, acreditamos, podem fazer deste um ano também de exceção. Em 2023 vamos apresentar projetos que ficaram prontos em 2022 (incluindo um com impacto europeu) e que só podemos mostrar no decorrer do ano. Em 2023 vamos começar projetos em que vamos poder transformar marcas, serviços e produtos ajustando-os às necessidades e exigências de desafios como o da sustentabilidade (em que estamos empenhados em marcar a diferença e investir em formação e implementação de eco-design). Em 2023 vamos fazer projetos da This is Pacifica que já não cabem dentro da This is Pacifica. Estamos a lançar um novo projeto chamado Prática of Pacifica, workshops desenhados para crianças com início em janeiro de 2023. Em 2023 queremos juntar equipas capazes de mudar o mundo, clientes, marcas, produtos e ideias de transformação, de ativismo, de causas, emoções e narrativas com nervo e coração”, Filipe Mesquita, fundador e diretor criativo da This is Pacifica

VMLY&R Branding
A unidade de design da VMLY&R Portugal foi eleita Agência do Ano nos Prémios Design M&P.
“Nos últimos anos, muito se tem falado de transformação digital e, para 2023, esse pensamento continuará na ordem do dia. Contudo, acreditamos que a palavra ‘digital’ deveria ser abolida do léxico da comunicação. Hoje em dia, a forma como se pensa, cria e desenvolve uma marca tem que passar por uma atitude transversal e consistente, independentemente de ‘onde’ se comunica. Sobretudo considerando que a comunicação está cada vez mais fragmentada entre meios tradicionais, digitais, virtuais, macro ou micro targets… Para 2023, e numa altura em que grande parte das marcas vive momentos de incerteza potenciados pela inflação, crise, guerra, o sistema de identidade das marcas, sustentado num posicionamento sólido e, sobretudo, verdadeiro, assume um papel preponderante no mundo multicanal em que vivemos. É a base que garante que todos os que respiram a marca, dos colaboradores aos parceiros, têm as ferramentas necessárias para comunicar de forma integrada, seja em que momento/meio for. Manterem-se fiéis ao compromisso do que cada marca representa e ao seu posicionamento permitirá aos decisores mais facilmente definir como se apresentam nos diferentes canais e em quais faz sentido estar. Venha 2023”, Rodrigo Freixo, CEO da VMLY&R

Meios
Havas Media
Para a agência de meios do grupo Havas, 2022 começou como 2021. E como 2020. Pelo terceiro ano consecutivo, a agência liderada por Rita Amzalak repetiu o titulo de Agência de Meios do Ano nos Prémios Marketing M&P.
“Estamos todos convocados! Entramos em 2023 conscientes e alinhados com o que se espera de nós. Temos todos de fazer mais e melhor, porque a sustentabilidade é hoje um pilar central na estratégia das marcas e um indicador de progresso, mas uma escolha menos óbvia para os consumidores quando entram em jogo crescentes restrições financeiras. Estudos recentes dizem-nos que as pessoas esperam mais das marcas, nesta transformação, do que aquilo que esperam do seu próprio governo. Efetivamente, e de acordo com dados MB, 83 por cento dos consumidores acreditam que as marcas devem estar ativamente envolvidas na resolução de problemas sociais e ambientais. As marcas estão a acelerar o seu contributo e a comunicação tem o seu papel no envolvimento das comunidades. É aqui que os desafios na área do talento e da data transitam para o novo ano com uma importância crescente. As marcas têm hoje uma pool de data diversificada que deveria permitir a extração de insights, gerando conhecimento. Porém, tornar esta data acionável continua a ser um grande desafio, mas também um caminho para tornar a comunicação mais relevante, permitindo conectar pessoas com comportamentos e padrões de consumo mais sustentáveis. Esta evolução exige também novos perfis e competências nas equipas, o que torna a requalificação e integração de novos talentos uma condição”, Rita Amzalak, managing partner da Havas Media

Initiative
A agência do grupo IPG/Mediabrands fez o bis este ano. Ao título de Agência de Meios do Ano na primeira edição dos APPM Marketing Awards, somou no último mês a mesma distinção nos Prémios Eficácia, onde foi considerada a agência de meios mais eficaz no mercado nacional.
“2023 vai ser um ano de oportunidades para as marcas que decidirem manter a sua estratégia de investimentos e crescimento de negócio. Para as restantes, nomeadamente as que desinvestirem, vão acabar por ver a sua posição de mercado ‘ameaçada’. Teremos um ano muito condicionado pelo contexto macroeconómico, nomeadamente em função do nível de inflação e dos seus efeitos no consumo. Prevemos um crescimento global de três por cento vs 2022, proveniente do reforço de atividade de alguns setores tais como o retalho, alimentação, bebidas, higiene pessoal (para contrariar contenção consumo e trade down de marcas fabricante para marcas distribuidor), imobiliário, entretenimento, turismo, eletrónica de consumo/telco (para contrariar adiamento compras bens e serviços não essenciais e incentivar consumo fora de casa) e, por fim, banca/crédito/seguros (para responder à crescente competição entre os players). A tendência de investimento dos últimos anos deverá manter-se com a TV a captar a maior fatia dos budgets, o digital a continuar a ser o principal motor de crescimento. Nos meios offline, o exterior alavancado pela sua digitalização, e a rádio vão registar um crescimento moderado. Por fim, a imprensa a manter uma trajetória de decréscimo. Será um ano para as marcas serem ainda mais eficazes e mais inteligentes na forma como investem e medem o respetivo retorno, este tem sido o grande foco da Initiative nos últimos anos, premiado recentemente com a agência do ano nos Prémios Eficácia. 2023 será um ano onde ter parceiros que priorizem a eficácia vai fazer toda a diferença. Citando Churchil, “o pessimista vê dificuldade em cada oportunidade, o otimista vê oportunidade em cada dificuldade”, Rui Freire, managing director da Initiative

Comunicação
Adagietto
A agência liderada por Miguel Moreira Rato foi eleita Agência de Comunicação do Ano na primeira edição dos APPM Marketing Awards.
“Deixemo-nos de m****s. É este o mote da Adagietto para 2023. Num 2023 que traz uma grande dose de incerteza e uma pequena dose de novas tendências, a receita é simplificar. Não vale a pena reinventar a roda, procurar novos conceitos, redistribuir focos ou repensar visões. Deixemo-nos disso. Deixemo-nos de tentar encurtar ciclos por acharmos que o que aí vem vai ser transformacional. Deixemo-nos de m****s. Em 2023 queremos continuar a olhar para projetos de comunicação com uma visão holística, sem rótulos e sem preconceitos. Queremos continuar a ser ágeis e enxutos. Os clientes não querem, nem podem, esperar semanas por ideias que chegam formatadas a um canal específico. Nem podem continuar a falar com várias pessoas/agências para uma campanha só. Não há tempo para quem não for ágil, nem tempo para quem não for enxuto. Num mundo sem rótulos, que já se vive neste momento apesar de tantos não perceberem, qual a vantagem de uma marca lançar uma campanha e distribuir o seu briefing por várias agências dependendo da expertise que pensam que essas agências têm? Qual a vantagem, tanto para a marca como para o consumidor? Nenhuma, certo? Qual a vantagem para quem trabalha nas agências e tem a oportunidade de se tornar verdadeiramente completo? Todas, certo? Acreditamos muito nisto. E é por isso temos vindo a crescer. Sem rótulos. Enxutos e ágeis. Venha daí 2023”, Miguel Moreira Rato, CEO da Adagietto

Corpcom
O título de Agência do Ano nos Prémios Comunicação M&P voltou a ficar nas mãos da agência liderada por José Franco.
“2023 será o primeiro de alguns anos em que haverá uma crise económica transversal a todas as indústrias. Vai haver retração de consumo, mais custos e incerteza, pelo que será natural que as marcas comecem a redefinir os orçamentos, bem como a reorganizar e reestruturar equipas. Já começamos a ver os maiores empregadores do mundo a fazer cortes. Porém, no caso da comunicação, acredito que o exemplo dos dois anos anteriores, marcados por uma forte pandemia, permitiu que os decisores empresariais e gestores de marcas reconhecessem o poder da comunicação e das relações públicas, com todos os seus diferentes públicos, incluindo internos. Em épocas de crise, a comunicação é a ferramenta mais poderosa das empresas, não reagindo em modo de comunicação de crise, mas agindo e antecipando os problemas que possam vir a surgir, comunicando de forma estruturada e ágil com os diferentes stakeholders. Vai ser crítica essa antecipação e preparação. A nível de tendências, não será muito diferente, com a comunicação digital a ganhar mais força e o ESG a ter mais evidência em algumas empresas, provavelmente com o tema social mais em evidência pois a atual conjuntura não é, de todo, positiva: aumento do custo do dinheiro, inflação alta, aumento de custos para as empresas, desemprego e instabilidade nos mercados internacionais. Continuo a defender que, tal como na nossa vida, é nos momentos mais desafiantes que as marcas se podem evidenciar ao mostrar o seu valor e propósito. Sem comunicação e autenticidade na mesma, tal não será possível. É para isso que cá estamos, e é por isso que acho que será positivo para a indústria das relações públicas”, José Franco, managing partner da Corpcom

Produção
78
Pelo segundo ano consecutivo, a produtora, que tem como sócios João Marques e Nuno Alberto, saiu do festival do Clube de Criativos de Portugal com o título de Produtora de Imagem do Ano. Só que ao contrário do último ano, em que dividiu a distinção com a Krypton, desta vez ficou com todo o protagonismo e viria mesmo a repeti-lo na edição deste ano dos Prémios Criatividade M&P, onde foi igualmente eleita Produtora do Ano.
“2023 avizinha-se mais um ano incerto na produção de publicidade em Portugal. Mas que ano até agora não foi incerto? Já é típico no nosso meio chegarmos próximos do final do ano e depararmo-nos com essa questão, mas a verdade é que arranjamos sempre formas de adaptação ao mercado, seja ele com pouco ou muito trabalho. Tudo está mais caro e mais difícil, será sem dúvida mais um ano desafiante onde já estamos de mangas arregaçadas. Mais uma vez esperamos que as marcas não tenham medo de arriscar em termos de criatividade e que proporcionem espaço para ideias arrojadas e criativas às agências. Podemos ser um país de excelentes ideias e produções, temos bons criativos e boas produtoras, muito talento mesmo. Esperamos que as agências se divirtam a fazer filmes e estejam motivadas a filmar com um sorriso no rosto. Adoramos pessoas e desejamos a todos um ano incrível de 2023. Sejam arrojados e curtam a vida.
Queremos agradecer a todos os que têm feito da 78 uma produtora feliz. A toda a nossa equipa um grande abraço apertado muito sentido porque têm sido inesquecíveis”, João Marques e Nuno Alberto, sócios da 78

Núcleo
E vão quatro. A Núcleo, de Fred Pinto, conquistou pelo quarto ano consecutivo o título de Produtora de Som do Ano no festival do Clube de Criativos de Portugal.
“Para 2023 desejo que todas as marcas continuem a comunicar como têm feito e todas as agências, produtoras e as suas equipas possam trabalhar bem. Pessoalmente, será um ano de investimento para a nossa empresa, com criação de novos postos de trabalho e investimento em novo material, para dessa forma podermos continuar também a fazer o nosso melhor trabalho e prosseguir o desenvolvimento da empresa. Em nome da Núcleo, resta-me agradecer a todos pelas oportunidades de fazermos o que mais gostamos”, Fred Pinto, fundador da Núcleo

Sobre o autorPedro Durães

Pedro Durães

Mais artigos
Artigos relacionados
Fora do Escritório com António Fuzeta da Ponte, diretor de marca e comunicação da Nos
Marketing
El Ojo de Iberoamérica anuncia calendário de inscrições
Publicidade
Receitas da Alphabet aumentam 14% no segundo trimestre
Digital
Segunda campanha da Havas Portugal para a APSI põe 26 crianças à prova (com vídeo)
Publicidade
Patrícia Ramos regressa à Repsol como gestora de marketing
Marketing
Media Capital aumenta receitas publicitárias e reduz prejuízo
Media
Havas trabalha embalagens, publicidade e redes sociais de nova gama da Milaneza
Publicidade
Venda de títulos da Global Media por €16,5 milhões será concluída esta semana
Media
Carclasse associa-se à Camisola Montanha na Volta a Portugal em Bicicleta
Marketing
Google, afinal, vai manter cookies de terceiros
Digital
PUB
Marketing

Fora do Escritório com António Fuzeta da Ponte, diretor de marca e comunicação da Nos

Durante as férias, mal abre o computador, mas confessa que se estiver em Portugal espreita a televisão para ver os blocos publicitários ou futebol. A Sagres acompanha-o, porque tem a mania que é o ‘rei da grelha’ e “não há grelha sem Minis”

Uma viagem em família à Florida, em agosto de 2022, (na foto) é a escolha de António Fuzeta da Ponte, diretor de marca e comunicação da Nos, do ‘álbum de férias’, “porque nela estamos profundamente felizes, por estarmos juntos, por estarmos conscientes da sorte que temos e porque somos amantes do ‘american way of life'”.

O que é que não faz durante as férias, que faça habitualmente quando está a trabalhar?

Não toco no despertador, a não ser no primeiro dia para a saída. Mal abro o computador. Mas confesso que se estiver em Portugal espreito a televisão para ver os blocos publicitários ou alguns jogos de futebol. Espreito campanhas, admito.

Estar de férias significa desligar ou inspirar-se para novas ideias a aplicar no trabalho?

Consigo desligar. Mesmo. Nos primeiros dias ainda me vêm à cabeça coisas de trabalho, mas no final há um sinal perfeito para saber se desliguei mesmo: esqueço as ‘passwords’. Isso quer mesmo dizer que carreguei baterias e posso voltar. Só desligando é que depois posso voltar para inspirar e ser inspirado.

Quais são os jornais, programas de televisão, podcasts, sites, plataformas digitais ou outros meios de comunicação que segue durante as férias?

Não sigo. O maior luxo das férias é não seguir, é fazer o que não fazemos nos outros dias/meses de trabalho. O meu telefone até pode sentir FOMO, mas eu nem tanto.

Quais são as marcas que o acompanham nas férias?

A Nos, claro, porque ainda assim preciso de rede. A Sagres, porque tenho a mania que sou o ‘rei da grelha’ e não há grelha sem Minis. A Kobo, porque aproveito para pôr leitura em dia. Agora, vendo bem, duas delas são grandes marcas nacionais. Bom sinal.

Qual é a primeira coisa que faz quando regressa ao escritório?

Reúno com a equipa. Porque nada se faz sozinho, porque até aposto que terei saudades, porque preciso que me ponham a par o mais rapidamente possível, porque a nossa atividade é, acima de tudo, um ‘desporto de equipa’.

 

Sobre o autorCatarina Nunes

Catarina Nunes

Mais artigos
Digital

Receitas da Alphabet aumentam 14% no segundo trimestre

As receitas de publicidade no YouTube sobem para €8 mil milhões, enquanto na Google Network (rede de sites e aplicações de telemóvel com anúncios pagos criados no Google Ads) descem para €6,8 mil milhões. O Google Search representa mais de metade da faturação total da Alphabet

A Alphabet, que detém a Google e o YouTube, aumentou as receitas em 14% no segundo trimestre de 2024, para um total de 84,742 mil milhões de dólares (€78 mil milhões). O Google Search (48,509 mil milhões de dólares/€44,633 mil milhões) representa mais de metade da faturação, de acordo com os resultados financeiros anunciados pela empresa.

As receitas de publicidade no YouTube ascendem a 8,663 mil milhões de dólares (€8 mil milhões), face aos 7,665 mil milhões de dólares (€7 mil milhões) registados no segundo trimestre de 2023, enquanto a Google Network (rede de sites e aplicações de telemóvel com anúncios pagos criados no Google Ads) representa 7,444 mil milhões de dólares (€6,8 mil milhões), em queda em relação aos 7,850 mil milhões de dólares (€7,22 mil milhões) no período homólogo em 2023.

A faturação da Google Cloud, por seu lado, ultrapassa a do YouTube, totalizando 10,347 mil milhões (€9,52 mil milhões), a subir em relação a 2023 (8,031 mil milhões/€7,4 mil milhões). Sundar Pichai, CEO da Alphabet, refere que “o forte desempenho este trimestre destaca a força contínua no ‘Search’ e o impulso na ‘Cloud’. Estamos a inovar em todas as camadas da ‘AI stack’. A nossa infraestrutura de liderança de longa data e equipas internas de pesquisa posicionam-nos bem, à medida que a tecnologia evolui e que acompanhamos as muitas oportunidades vindouras”.

Em termos de resultados operacionais, a Google Services tem um lucro operacional de 29,674 mil milhões de dólares (€27,3 mil milhões), o que representa um crescimento face aos 23,454 mil milhões de dólares (€21,6 mil milhões) no mesmo período em 2023. A Google Cloud totaliza 1,172 mil milhões de dólares (€1,078 mil milhões) em lucro operacional, o triplo do valor registado em 2023 (395 milhões de dólares/€363,5 milhões).

Ruth Porat, presidente e diretora financeira da Alphabet, salienta que “apresentámos receitas de 85 mil milhões, a subir 14% em termos homólogos, impulsionadas pela ‘Search’ bem como pela ‘Cloud’, que pela primeira vez ultrapassou os 10 mil milhões de dólares nas receitas do trimestre e os mil milhões de dólares em lucro operacional. À medida que investimos para suportar as nossas maiores oportunidades de crescimento, mantemos o compromisso com a criação de uma capacidade de investimento com o trabalho que temos em andamento, para reprojetar a nossa base de custos de forma duradoura”. No segundo trimestre de 2024, os custos e despesas totais da Alphabet são de 57,317 mil milhões (€52,7 mil milhões), a subir face aos 52,766 mil milhões de dólares (€48,5 mil milhões) registados no mesmo período no ano passado.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Media

Media Capital aumenta receitas publicitárias e reduz prejuízo

A dona da TVI salienta o incremento de 50% do consumo do TVI Player, devido, sobretudo, ao sucesso da novela ‘Cacau’ (na foto), aos ‘reality-shows’ e à recuperação do arquivo de ficção do canal

No primeiro semestre de 2024, o grupo Media Capital aumentou as receitas de publicidade em 16%, atingindo os €50,5 milhões, e teve um prejuízo de €2,7 milhões, face aos €4,8 milhões negativos que registou no período homólogo em 2023, segundo os dados divulgados pelo grupo de media que detém a TVI e a CNN Portugal, entre outros.

O resultado líquido ajustado apresentou uma melhoria de €3,3 milhões face ao período homólogo, “naquele que é o semestre mais condicionado pela sazonalidade da atividade de media”, atingindo os €1,3 milhões negativos, justifica a Media Capital.

O aumento das receitas publicitárias, por seu lado, é reflexo do “crescimento concretizado quer no mercado publicitário de canal aberto, onde superou largamente o crescimento de mercado, quer no mercado de publicidade de canais de televisão paga, onde cresceu 40% face aos resultados atingidos no período homólogo”, refere a Media Capital.

Os outros rendimentos operacionais registaram um ligeiro aumento para €25,8 milhões, mais 1% que no mesmo período no ano anterior, destacando-se a performance do segmento de produção audiovisual, que cresce 10% para €20,23 milhões. Nos primeiros seis meses de 2024, os rendimentos operacionais apresentaram um aumento de 10%, devido às vendas de publicidade.

Os gastos operacionais, excluindo amortizações, depreciações, gastos líquidos com provisões e reestruturações, registaram um acréscimo de 3%, passando de €70,4 milhões no primeiro semestre de 2023 para €72,6 milhões em 2024. “Os gastos operacionais ajustados refletiram o aumento significativo da atividade de produção e do investimento no Euro 2024, aliados a uma gestão criteriosa e eficiente”, adianta o grupo de media.

Excluindo os gastos líquidos com provisões, imparidades e reestruturações, o EBITDA consolidado do grupo atingiu, no primeiro semestre de 2024, €3,8 milhões, o que representa um aumento de €4,9 milhões face ao período homólogo. Os gastos com provisões, imparidades e reestruturações totalizaram, no primeiro semestre de 2024, €1,4 milhões, um valor que reflete a continuidade da concretização do plano de reestruturação levado a cabo pelo grupo Media Capital.

Quanto ao resultado operacional (EBIT), este foi negativo em €1,1 milhões no primeiro semestre de 2024, uma melhoria face ao resultado operacional negativo de €4,8 milhões, em 2023.

O grupo de canais TVI é líder há 12 meses consecutivos, tendo registado um aumento de quota de audiência face ao período homólogo em universo total dia e em horário nobre de 0,8 e 1,2 p.p., respetivamente, segundos os dados da Media Capital, que destaca que “na comparação com os principais grupos nacionais, o grupo de canais da TVI foi líder no primeiro semestre de 2024, no share do total dia, nos targets Universo, Adultos e ABCD 15-54”.

A Media Capital salienta ainda o incremento de 50% do consumo do TVI Player, devido, sobretudo, ao sucesso da novela ‘Cacau’, aos ‘reality-shows’ e à recuperação do arquivo de ficção da TVI.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Digital

Google, afinal, vai manter cookies de terceiros

“Continuaremos a disponibilizar as API do Privacy Sandbox e a investir nelas para melhorar ainda mais a privacidade e a utilidade”, refere Anthony Chavez, vice-presidente da Privacy Sandbox da Google, acrescentando que serão disponibilizados controlos de privacidade adicionais, como a proteção de IP no modo de navegação anónima do Chrome

Catarina Nunes

A Google já não vai acabar com os cookies de terceiros, que permitem que entidades externas aos sites, como anunciantes ou empresas de análise, acompanhem o histórico de navegação do utilizador e recolham e tratem os respetivos dados. Em causa está o esforço de adaptação de todas as partes envolvidas na publicidade online, nomeadamente ‘publishers’, anunciantes e agências.

Depois de ter adiado o prazo para o fim do cookies de terceiros, de 2024 para o início de 2025, a Google vai antes introduzir uma nova experiência no Chrome, para permitir que os utilizadores façam uma escolha que se aplique à sua navegação na web, sendo que estas escolhas podem ser ajustadas a qualquer momento. “Estamos a discutir este novo caminho com os reguladores e vamos envolver a indústria à medida que for sendo disponibilizado”, revela Anthony Chavez, vice-presidente da Privacy Sandbox, numa publicação no blogue da Google.

O responsável da Privacy Sandbox, projeto da Google focado na criação de tecnologias que protejam a privacidade online dos utilizadores, justifica o recuo com a constatação de que a transição para o fim dos cookies de terceiros, previsto para o fim de 2025, “exige um trabalho significativo por parte de muitos participantes e terá um impacto nos ‘publishers’, nos anunciantes e em todos os envolvidos na publicidade online”. Tendo em conta esta situação, “propomos uma abordagem atualizada que permite aos utilizadores escolherem. Em vez de descontinuar os cookies de terceiros”, explica Anthony Chavez.

O vice-presidente da Privacy Sandbox salienta que, à medida que este processo avança, continua a ser importante que os programadores tenham alternativas que preservem a privacidade. “Continuaremos a disponibilizar as API [Application Programming Interface, usado para integrar novas aplicações com sistemas de software existentes] do Privacy Sandbox e a investir nelas para melhorar ainda mais a privacidade e a utilidade”, refere Anthony Chavez, acrescentando que a Google também pretende disponibilizar “controlos de privacidade adicionais, por isso planeamos introduzir a proteção de IP no modo de navegação anónima do Chrome”.

Os primeiros testes realizados por empresas de tecnologia Adtech, incluindo a Google, indicaram que as APIs da Privacy Sandbox têm um grande potencial para alcançar resultados, de acordo com a Google. “Esperamos que o desempenho geral, ao utilizar as APIs de Privacy Sandbox, melhore com o tempo, à medida que aumenta a adoção por parte da indústria”, prevê o vice-presidente da Privacy Sandbox, que tem como objetivo encontrar soluções inovadoras que melhorem a privacidade online, ao mesmo tempo que preservam uma internet baseada em anúncios que sustenta o ecossistema de ‘publishers’, liga empresas aos clientes e disponibiliza conteúdos gratuitos aos utilizadores.

“Ao longo deste processo, recebemos feedback de uma ampla variedade de ‘stakeholders’, incluindo reguladores como a Autoridade de Concorrência e Mercados (CMA) do Reino Unido e o Information Commissioner’s Office (ICO), ‘publishers’, programadores web e grupos padrão, sociedade civil e participantes da indústria publicitária. Este feedback ajudou-nos a criar soluções que visam apoiar um mercado competitivo e próspero que funcione para publishers e anunciantes e incentive a adoção de tecnologias que melhoram a privacidade”, refere Anthony Chavez, garantindo que “à medida que finalizarmos esta abordagem, continuaremos a consultar a CMA, a ICO e outros reguladores a nível mundial. Esperamos continuar a colaboração com o ecossistema na próxima fase da jornada, para uma web mais privada”.

Sobre o autorCatarina Nunes

Catarina Nunes

Mais artigos
Digital

Domínio .pt não é prioritário para Amazon

Quatro anos depois do lançamento em Portugal, os portugueses continuam a ser redirecionados para a Amazon espanhola. Em declarações ao M&P, Inês Ruvina (na foto), gestora nacional da plataforma de comércio eletrónico, revela que não há planos para inverter a situação, apesar de a empresa estar a investir em Portugal

Ativar o domínio português não é prioritário para a Amazon, que continua a recorrer à plataforma de comércio eletrónico espanhola para alavancar o negócio em Portugal. Apesar de estar operacional desde 2021, o endereço Amazon.pt continua a redirecionar os consumidores nacionais para o site espanhol.

“Estamos muito contentes com o percurso da empresa em Portugal, que tem aproveitado a configuração que existe na Europa, sobretudo em Espanha. A Amazon tem uma rede logística europeia, da qual tiramos partido para servir os nossos clientes, mas vamos continuar atentos às oportunidades para ir melhorando a experiência de compra”, garante ao M&P Inês Ruvina, gestora da Amazon em Portugal.

A plataforma, que está disponível em língua portuguesa e comercializa marcas portuguesas como Castelbel, Vista Alegre, Ach Brito e Costa Nova, continua, no entanto, continuar a contar com o investimento da casa-mãe nos Estados Unidos.

Para promover a edição de 2024 do Prime Day, com milhares de descontos entre as 23h de 15 de julho e as 22h59 de 17 de julho, a empresa tem no ar a maior campanha publicitária do ano.

Adaptada para Portugal pela Amazon, que a concebeu internamente nos Estados Unidos, foi produzida pela Hungryman. Com planeamento de meios da Rufus, está presente em televisão, rádio, imprensa, suportes digitais e redes sociais.

No ano passado, globalmente, os clientes da Amazon pouparam 2,5 mil milhões de dólares (€2,31 mil milhões) em 375 milhões de produtos, com as compras durante o Prime Day.

Em Portugal, a empresa não divulga quanto é que os subscritores nacionais do serviço Prime gastaram a menos. “Posso partilhar apenas que entre os produtos mais comprados estão toalhitas de bebé da Dodot, cápsulas de café da Delta Q, desodorizantes masculinos da Rexona e lâmpadas LED da TP-Link Portugal”, refere Inês Ruvina.

Para divulgar o Prime Day 2024, a Amazon conta com um estudo desenvolvido com a GfK, que revela que 89% dos portugueses aproveitam períodos de promoções para fazer compras online.

A análise identifica os três fatores críticos que impulsionam o comportamento digital dos consumidores nacionais, apontando o preço (69%) como o mais decisivo, seguido dos descontos (67%) e da garantia de entrega rápida (51%).

“Os resultados que obtivemos são encorajadores. 96% dos inquiridos já compra online e 94% confia nas plataformas de ecommerce”, refere a gestora da empresa, que também disponibiliza em Portugal o Amazon Business, uma plataforma de vendas independente que permite às marcas alcançar cinco milhões de clientes empresariais.

Parcerias com TVI e RTP

A par do comércio eletrónico, a Amazon continua a investir no Prime Video, serviço de streaming lançado em 2006, em Portugal desde 2017, no âmbito das parcerias estabelecidas com a Media Capital e a RTP.

“Vamos aproximar-nos do cliente português com uma oferta de entretenimento nacional dedicada, para complementar a oferta internacional. Vamos ter séries documentais sobre o Tony Carreira e a apresentadora Maria Cerqueira Gomes e adaptar ‘La que se avecina’, série que teve muito sucesso em Espanha”, revela Inês Ruvina.

A parceria com a Media Capital foi estabelecida em 2023 para cofinanciar o regresso da série ‘Morangos com açúcar’, exibida em simultâneo na TVI e na plataforma digital da Amazon, à semelhança das produções que estão a ser ultimadas. ‘Punto Nemo’, a nova coprodução com a RTP, estreia antes do fim do verão.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Publicidade

Campanha da TBWA/BBDO para a McDonald’s Portugal pode ser usada em outros países (com vídeo)

A cadeia de restauração norte-americana escolheu Portugal para lançar a nova aposta internacional. O Big Arch compete diretamente com o Big Mac, depois de a McDonald’s ter perdido o uso exclusivo da marca na Europa. Mila Refacho (na foto) protagoniza o filme publicitário

A campanha publicitária que a TBWA/BBDO concebeu para a McDonald’s Portugal, para promover o novo hambúrguer Big Arch que Portugal é o primeiro país do mundo a lançar, pode vir a ser usada em outros países. “Depende sempre muito de cada mercado, que procura adaptar a comunicação às realidades locais, mas é muito natural que isso possa acontecer, não em todos mas em alguns países, porque, pela forma como está desenhada, é muito disruptiva e suscetível de despertar muita curiosidade”, avança ao M&P Sérgio Leal, diretor de marketing da McDonald’s Portugal.

Com supervisão criativa de Rui Silva, direção criativa executiva de Marco Pacheco, direção criativa de João Guimarães e Julliano Bertoldi e direção de arte de Julliano Bertoldi e Beatriz Roque, a campanha tem redação de João Guimarães e André Águas. Produzido pela Krypton Films com consultora da Pro(u)d, o filme, realizado por Pedro Pinto, com direção de fotografia de Ekkehart Pollak, tem produção executiva de João Vilela e Ricardo Estevão e gestão de produção de Alexandra Ribeiro e Ana Ribeiro. Sérgio Pedro assina a edição e a Light Film a pós-produção.

A coordenação da pós-produção do anúncio, protagonizado por Mila Refacho, ficou a cargo de Neia Oliveira. No filme, a portuguesa, autora de um dos vídeos mais virais do fenómeno atmosférico que decorreu em Portugal na noite de 18 de maio, quando um meteoro iluminou o céu na Península Ibérica, descobre, na companhia dos amigos, o local exato da queda do meteorito, encontrando na cratera o novo hambúrguer da McDonald’s, o Big Arch. “Um épico Mac”, como a cadeia de restauração o denomina, numa designação que remete foneticamente para o Big Mac.

A 5 de junho, a McDonald’s perdeu a exclusividade da marca, que detinha desde 1996, estando a nova aposta a ser entendida como uma resposta pública à decisão do tribunal europeu que o decretou. “O Big Mac tem o seu lugar estabelecido. O novo produto procura adaptar a nossa oferta às novas tendências, oferecendo aos fãs da marca uma experiência mais saciante, numa combinação entre o Big Mac e o Double Cheeseburger”, explica Sérgio Leal, orgulhoso por Portugal ter sido o país escolhido para lançar o novo produto. “É o reconhecimento do bom trabalho que nós temos feito cá enquanto marca”, afirma.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Media

Anunciantes do Now poderão ter investido cerca de €100 mil em publicidade no primeiro mês

A Nos lidera a lista de anunciantes do novo canal da Medialivre, seguida da Betclic e da Dacia. A valores de tabela, entre 17 de junho a 16 de julho, os 15 maiores anunciantes despenderam €1,21 milhões, 68% do investimento total, segundo a Universal McCann

Os anunciantes do Now investiram oficialmente €1,79 milhões em publicidade no primeiro mês de emissão do canal, valores a preços de tabela sobre os quais incidem os descontos em televisão, que, tal como referido por Alberto Rui Pereira, CEO da IPG Mediabrands, em entrevista ao M&P, chegam a atingir reduções entre os 95% e os 97%.

Caso se aplique um desconto de 95%, o montante apontado na análise da Universal McCann reduz para cerca de €100 mil. No entanto, tratando-se de um lançamento de um novo canal, é possível que o desconto tenha sido diferente.

De acordo com a análise da agência de meios que integra o IPG Mediabrands, as 15 marcas que mais investiram no novo canal noticioso da Medialivre representam 68% do total das verbas despendidas, o que em valores de tabela atingiram os €1,21 milhões, o que corresponde a cerca de €68 mil.

Nos, Betclic, Dacia, Audi e Generali Tranquilidade foram as marcas que mais investiram no Now (ver caixa) durante o primeiro mês de transmissões, período em que a nova proposta televisiva alcançou um share de 0,5%, após ter atingido 0,8% no dia de arranque, tendo terminado o mês na 22ª posição entre os canais mais vistos do cabo.

“O Now conseguiu captar audiência maioritariamente proveniente da CMTV, mas também dos seus concorrentes diretos (SIC Notícias e CNN Portugal), no entanto, de forma menos acentuada”, refere a Universal McCann em comunicado de imprensa.

O share do canal, lançado a 17 de junho, tem permanecido estável, independentemente do dia da semana. “Contudo, vemos que é a quarta-feira o dia em que verifica um share ligeiramente mais baixo do que nos restantes dias da semana”, revela a análise, que avança ainda que o Now tem atraído “um perfil mais masculino, sendo agora mais acentuado do que na primeira semana”.

Em termos de telespetadores, tem conseguido uma maior adesão junto de um público mais velho, acima dos 65 anos. “O Now registou ainda uma afinidade elevada junto da classe social mais baixa (E)”, informa a Universal McCann.

“Comparando com a primeira semana, o Now registou um crescimento da afinidade junto da classe média/alta (B), aproximando-se assim mais do perfil dos canais SIC Notícias e CNN Portugal”, refere o comunicado da empresa, que avança que o programa mais visto no primeiro mês foi o ‘Record na hora’, que vai para o ar logo após o noticiário das 19 horas.

“Teve uma audiência média de 28 mil telespetadores, a que correspondeu um share de 0,7%. Na segunda posição, ficou o programa ‘Now às 19h todos os sábados’ com uma audiência média de 27 mil telespetadores e um share de 0,8%”, revela ainda o documento.

 

15 maiores anunciantes do canal Now

De acordo com a Universal McCann, com base nos dados da ferramenta YumiAnalytics Web, a preços de tabela, as 15 marcas que mais anunciaram no novo canal da Medialivre, entre 17 de junho e 16 de julho, representam 68% do investimento total

  1. Nos (€270.925)
  2. Betclic (€129.815)
  3. Dacia (€107.511)
  4. Audi (€88.145)
  5. Generali Tranquilidade (€84.781)
  6. Renault (€75.277)
  7. Olá (€74.340)
  8. Santander (€73.767)
  9. Vodafone (€68.567)
  10. Lidl (€61.994)
  11. McDonald’s (€61.303)
  12. ESC Online (€34.063)
  13. Bacana Play (€32.754)
  14. Cif (€28.330)
  15. Cupra (€25.939)

 

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Publicidade

Agência criativa DJ cria anúncio de verão da Rádio Comercial (com vídeo)

Com direção criativa de Diogo Anahory e João Pacheco (o D e o J que denominam a agência), o ‘spot’ de televisão tem como ponto de partida a legislação que proíbe o ruído nas praias nacionais

Catarina Nunes

A Rádio Comercial acaba de lançar uma campanha de verão, desenvolvida pela agência criativa DJ, que estará no ar em televisão, até 6 de agosto.

Com direção criativa de Diogo Anahory e João Pacheco (o D e o J que denominam a agência), a campanha tem como ponto de partida a legislação que enquadra a proibição de ruído nas praias nacionais. Diogo Anahory, cofundador e diretor criativo da DJ, explica ao M&P que “nas férias as pessoas tendem a ouvir menos rádio. Além disso, a Autoridade Marítima Nacional não ajuda, já que interdita, nas praias, a utilização de equipamentos sonoros geradores de ruído”.

A campanha, com produção da Flaming, realização de Gonçalo Paixão e direção de fotografia de Ricardo Magalhães, é a resposta a essa proibição, que não ajuda no consumo de rádio durante o verão, sugerindo uma alternativa. O spot de 20 segundos começa com um plano fechado de uma coluna de som, em cima de uma geleira dentro de água, que transmite a emissão da Rádio Comercial.

Conforme o plano vai abrindo, até mostrar a geleira com a coluna de som sobre uma plataforma a flutuar no mar, a voz off cita a lei que enquadra a proibição de ruído nas praias e respetivas coimas aplicáveis, com esta informação a passar igualmente em rodapé.

No final, a voz off pergunta: “O que é que se pode fazer por isso?” e responde ‘Nada’, ao mesmo tempo que a imagem mostra três pessoas a começar a nadar em direção à plataforma flutuante afastada da costa, onde se encontra a coluna de som a tocar a emissão da Comercial.

O anúncio ‘Off Coast’ está a passar na SIC e SIC Notícias, no Fox Life , Fox Crime, Fox Movie e Fox Comedy, bem como no Place SIC e TVI.

 

Sobre o autorCatarina Nunes

Catarina Nunes

Mais artigos
Publicidade

Iberdrola entrega criatividade à Fuel

“Estávamos à procura de uma marca neste setor, que era um objetivo para este ano”, refere em declarações ao M&P Pedro Santana, coCEO da Fuel, que vai tratar da publicidade, digital e design da Iberdrola

Catarina Nunes

A partir de agosto, a Fuel é a nova agência criativa da Iberdrola, que anteriormente trabalhava com a Bar Ogilvy, que acaba de conquistar a conta da Galp.

Na sequência de um processo de consulta de mercado, a agência do grupo Havas vai agora tratar da publicidade, do digital e do design da marca do setor energético. “Estávamos à procura de uma marca neste setor, que era um objetivo para este ano”, refere Pedro Santana, coCEO da Fuel, em declarações ao M&P. Recorde-se que, até à data, a Fuel não detinha nenhuma conta publicitária na área da energia.

Sobre o autorCatarina Nunes

Catarina Nunes

Mais artigos
Publicidade

Turismo do Centro investe €700 mil para promover região (com vídeos)

Produzidos pela Lobby, os cinco filmes publicitários que integram a nova campanha segmentam a comunicação promocional da região, explorando os cinco eixos em que a entidade de promoção turística aposta para atrair mais visitantes nacionais

€700 mil é o montante que o Turismo do Centro está a investir, ao longo do ano, para promover a região. A estratégia de promoção inclui a campanha que a entidade regional lança a 16 de julho. Divulgada em televisão, digital, redes sociais, email marketing, motores de busca, imprensa especializada e imprensa regional, inclui cinco filmes publicitários de 20 segundos que exploram os cinco eixos em que a entidade de promoção turística aposta para atrair mais visitantes nacionais à região, que abrange 100 municípios.

Para além de três produtos tradicionais (gastronomia e vinhos, turismo de natureza, turismo espiritual), os anúncios, com criatividade e produção da Lobby, exploram as duas novas apostas estratégicas da instituição, o turismo náutico e o turismo industrial. “Os anúncios publicitários vão ser exibidos durante duas semanas na CMTV e também na SIC Notícias, de 15 em 15 dias, até ao final do ano”, revela ao M&P Adriana Rodrigues, diretora de comunicação, imagem e relações públicas do Turismo do Centro.

Ao contrário das campanhas lançadas em 2022 e 2023, o plano de meios da nova comunicação promocional não inclui rádio nem múpis. “A intenção agora não é tanto aumentar a notoriedade da região, daí apostarmos numa comunicação mais segmentada, também para medir resultados. Tentamos medir ao máximo as inserções que fazemos para otimizar o retorno do investimento”, explica a responsável, que também recorre a conteúdos patrocinados no SAPO, na Magg e no Observador para divulgar o centro do país.

A estratégia que tem vindo a ser implementada está a dar frutos. “Nos primeiros cinco meses deste ano, o número de dormidas na região cresceu 5,3% e os proveitos decorrentes do alojamento aumentaram 5,9%”, revelou Raul Almeida, presidente do Turismo do Centro, a 16 de julho, num evento que serviu também para apresentar os vídeos promocionais da Experimenta Paisagem. Produzidos pela Slideshow, os filmes divulgam as iniciativas culturais que o ateliê de arquitetura Mag dinamiza em vários municípios da região.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 Meios & Publicidade. Todos os direitos reservados.