Edição digital
PUB
Media

Jornalistas exigem medidas. “Paixão pela profissão não pode servir de pretexto à exploração desenfreada”

São 15 os pontos que integram a resolução final aprovada e aclamada por unanimidade no final do 5º Congresso dos Jornalistas, o primeiro em sete anos. Além de uma greve […]

Luis Batista Gonçalves
Media

Jornalistas exigem medidas. “Paixão pela profissão não pode servir de pretexto à exploração desenfreada”

São 15 os pontos que integram a resolução final aprovada e aclamada por unanimidade no final do 5º Congresso dos Jornalistas, o primeiro em sete anos. Além de uma greve […]

Sobre o autor
Luis Batista Gonçalves
Artigos relacionados
Rosebud assina campanha da Sport Zone que celebra regresso do calor (com vídeos)
Publicidade
Aquisição de marcas editoriais do Global Media Group pela Notícias Ilimitadas com luz verde da ERC
Media
DAZN reforça oferta global com lançamento de 10 novos canais gratuitos
Media
Ricardo Verdasca e Vítor Silva assumem novas responsabilidades na Foundever
Digital
Sagres festeja os Santos Populares com campanha em mais de 260 locais
Publicidade
Lojas online de presentes personalizados: Um setor em ascensão
BRANDED
WYcreative e Hand assinam nova campanha do Bricomarché (com vídeo)
Publicidade
Lisbon Project conquista website da conferência Velo-city 2024 em concurso internacional
Comunicação
26ª Festival CCP tem 346 trabalhos finalistas. Categoria de Design lidera
Publicidade
Beefeater patrocina Oeiras Padel Academy e aproveita prova para lançar bebida sem álcool
Marketing

São 15 os pontos que integram a resolução final aprovada e aclamada por unanimidade no final do 5º Congresso dos Jornalistas, o primeiro em sete anos. Além de uma greve geral em data a definir pelo Sindicato dos Jornalistas, que deverá acontecer após as eleições legislativas de 10 de março, os profissionais do setor exigem medidas.

“A precariedade laboral, que adquire as mais diversas formas e tem vindo a acentuar-se, compromete seriamente a independência de jornalistas e a sua liberdade de informar. O clima de insegurança e ausência de estabilidade expõe os profissionais à cedência a práticas que violam a ética. A paixão dos jornalistas pela profissão não pode servir de pretexto à exploração desenfreada do seu trabalho por parte das empresas”, afirma o texto ratificado.

PUB

“A sustentabilidade financeira do jornalismo exige medidas imediatas e soluções estruturais, sob pena de ser destruído um instrumento fundamental para a saúde da democracia, tão ameaçada em todo o mundo. É imperioso levar a cabo uma reflexão séria sobre o financiamento do jornalismo, não excluindo o apoio estatal, desde que salvaguardada a autonomia e a independência dos jornalistas, como sucede em países que concebem o jornalismo como um bem público”, apela o documento.

“O quadro legal que regula a profissão, em especial as leis de imprensa, de televisão e de rádio, o estatuto do jornalista e o regulamento da carteira profissional, deve ser objeto de reflexão aprofundada, com vista a incorporar novas realidades e a garantir o pluralismo e a diversidade. Os jornalistas devem reforçar a autorregulação em defesa de um jornalismo de qualidade e eticamente responsável e fortalecer os conselhos de redação”, considera o coletivo.

“Deve ser feita uma reflexão séria sobre o quadro de intervenção da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), em especial no domínio da transparência da propriedade dos órgãos de comunicação”, defende o documento aprovado.

“A desertificação noticiosa do país é uma realidade gritante que precisa de ser alterada, o que passa pelo reforço dos apoios públicos, pela capacitação dos jornalistas que trabalham fora de Lisboa e do Porto pelo combate à promiscuidade crescente entre órgãos de comunicação social e autarquias”, refere ainda a resolução.

Mais de duas moções aprovadas no encontro

O 5.º Congresso dos Jornalistas, que decorreu entre quinta-feira e domingo no Cinema São Jorge, em Lisboa, contou com a presença de mais de 700 congressistas. Entre os temas discutidos, a crise do Global Media Group dominou as conversas. Desde o registo de idoneidade obrigatório para investidores nos media à usurpação pelas grandes plataformas digitais do trabalho dos jornalistas, passando pela segurança dos profissionais de informação, pelo reforço do fotojornalismo e por uma maior diversidade nas redações e nas notícias, foram mais de duas dezenas as moções aprovadas no encontro.

A que defendeu a realização de uma greve geral foi todavia a mais aplaudida. “O momento é aqui e agora. Temos de parar. Simplesmente parar. Exigir que finalmente nos ouçam. Deixar de dar notícias, de fazer diretos, abandonar as redações e as conferências de imprensa. Não metermos jornais nas bancas, não darmos notícias nas rádios, não transmitirmos o telejornal, não publicarmos nas redes sociais. Mostremos o quão necessário é o nosso trabalho”, apelam os organizadores do congresso.

“Caminhemos juntos sem deixar ninguém para trás. Empurram-nos para o escuro, mostremos o que é o escuro por um dia. Para que se perceba o que é viver sem notícias, o impossível da democracia: não haver informação. Parar também para refletir sobre o jornalismo que andamos, ou não, a fazer”, afirmam os promotores do encontro no site do evento, promovido pela Casa da Imprensa, pelo Clube de Jornalistas e pelo Sindicato dos Jornalistas. A última greve geral de jornalistas teve lugar em 1982. Mais de quatro décadas depois, os protestos repetem-se.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Artigos relacionados
Rosebud assina campanha da Sport Zone que celebra regresso do calor (com vídeos)
Publicidade
Aquisição de marcas editoriais do Global Media Group pela Notícias Ilimitadas com luz verde da ERC
Media
DAZN reforça oferta global com lançamento de 10 novos canais gratuitos
Media
Ricardo Verdasca e Vítor Silva assumem novas responsabilidades na Foundever
Digital
Sagres festeja os Santos Populares com campanha em mais de 260 locais
Publicidade
Lojas online de presentes personalizados: Um setor em ascensão
BRANDED
WYcreative e Hand assinam nova campanha do Bricomarché (com vídeo)
Publicidade
Lisbon Project conquista website da conferência Velo-city 2024 em concurso internacional
Comunicação
26ª Festival CCP tem 346 trabalhos finalistas. Categoria de Design lidera
Publicidade
Beefeater patrocina Oeiras Padel Academy e aproveita prova para lançar bebida sem álcool
Marketing
PUB
Media

Aquisição de marcas editoriais do Global Media Group pela Notícias Ilimitadas com luz verde da ERC

A ERC concluiu que a operação não põe em causa os valores da liberdade de expressão, do pluralismo e da diversidade de opiniões nem impede a livre difusão nem o acesso a conteúdos. Concretização do negócio depende da Autoridade da Concorrência, que ainda não se pronunciou

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) não se opõe à aquisição de marcas editoriais do Global Media Group pela Notícias Ilimitadas. Em reunião extraordinária, no dia 17 de maio, o regulador dos media deu luz verde à operação de concentração, a pedido da Autoridade da Concorrência, que, ao abrigo do artigo 55º do Regime Jurídico da Concorrência, pediu um parecer ao organismo presidido por Helena Sousa.

O documento, a que o M&P teve acesso, também abrange as participações do capital social que o Global Media Group detém na Rádio Notícias – Produção e Publicidade, SA. “O leque de órgãos de comunicação social em causa inclui o Jornal de Notícias, o Jornal de Notícias História, a NTV, o Delas, a Notícias Magazine, o O Jogo, a Volta ao Mundo e a Evasões, bem como as licenças da rádio TSF”, informa a ERC em comunicado.

“O Conselho Regulador da ERC concluiu que a operação projetada não coloca em causa os valores da liberdade de expressão, do pluralismo e da diversidade de opiniões, a par da livre difusão de, e acesso a, conteúdos, cuja tutela incumbe à ERC acautelar”, refere ainda o documento. A Notícias Ilimitadas informou a Autoridade da Concorrência, que ainda não se pronunciou, da intenção de avançar com o negócio no dia 18 de abril.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Media

DAZN reforça oferta global com lançamento de 10 novos canais gratuitos

Padel Time TV, Matchroom Boxing, Motorvision TV, Lacrosse TV, SportStak, Boxing TV, Moto America TV, Billiard TV, PDC Darts e ACL Cornhole TV são os canais desportivos que reforçam o portefólio da DAZN no âmbito da renovação do acordo da operadora com a tecnológica Amagi

Portugal é, a par de Espanha, Itália, Reino Unido, França, Alemanha, Bélgica, Suíça, Áustria e Estados Unidos, um dos países que disponibilizam os 10 novos canais gratuitos que a DAZN acaba de adicionar à plataforma digital da operadora, no âmbito da renovação do acordo com a Amagi, empresa que desenvolve e comercializa soluções tecnológicas para televisão tradicional e streaming. Boxe, padel, bilhar, desportos motorizados e ténis são algumas das modalidades abrangidas pela parceria.

Padel Time TV, Matchroom Boxing, Motorvision TV, Lacrosse TV, SportStak, Boxing TV, Moto America TV, Billiard TV, PDC Darts e ACL Cornhole TV são os canais que reforçam o portefólio da DAZN. “O acordo também nos posiciona como a plataforma de eleição para os fãs de desportos de combate, com o lançamento de três novos canais de boxe que vão disponibilizar conteúdos 24 horas por dia, sete dias por semana”, informa a operadora em comunicado.

“Estes três canais vêm complementar o já extenso portefólio de boxe da DAZN, que contava com mais de 150 eventos de topo por ano”, refere ainda o documento. Além do site, os conteúdos são também disponibilizados na app. “O nosso objetivo é tornarmo-nos o destino de eleição para todos os fãs de desporto a nível mundial e isso significa oferecer a melhor proposta a cada utilizador”, assume Shay Segev, CEO do DAZN Group.

A estratégia da plataforma contrasta com a das empresas rivais. “A DAZN está a contrariar as regras do mercado ao oferecer estes canais gratuitamente, garantindo uma experiência imersiva e de fácil utilização”, reconhece a companhia. Além de garantir os direitos de transmissão da Fórmula E e da WTA por mais três anos, a operadora renovou com La Liga por mais cinco anos em Portugal e Itália e adquiriu os direitos do FIA Formula 1 World Championship para o triénio 2025-2027.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Media

O que pode ler na edição 957 do M&P

O percurso do criador de conteúdos Bernardo Almeida, que fatura €300 mil com o YouTube, os casos de assédio sexual na indústria da publicidade denunciados na conta de Instagram The F Side e um especial sobre os patrocínios ao Euro 2024 são alguns dos destaques

Na edição 957 do M&P, um dos mais antigos youtubers nacionais, Bernardo Almeida, partilha com Luis Batista Gonçalves o percurso que o leva a trocar a licenciatura em engenharia mecânica pela criação de conteúdos digitais para marcas, com os quais fatura €300 mil por ano.

Na crónica Costela de Adão? Não, Paula Cosme Pinto, escreve sobre a conta de Instagram The F Side que tem dado lugar de fala a mulheres que trabalham na indústria criativa em Portugal e denunciando casos de assédio e de abusos sexuais. Na Opinião, Pedro Simões Dias considera que as marcas de serviços estão em processo de extinção, enquanto João Paulo Luz diz que a atenção é a nova variável que todos perseguem.

No Especial Euro 2024, é dada a palavra a algumas das marcas patrocinadoras da seleção nacional, da Federação Portuguesa de Futebol ou do campeonato europeu de futebol.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Media

New in Town regressa à CNN Portugal com Sara Sousa Pinto na apresentação

Sara Sousa Pinto é a nova apresentadora de New in Town. O programa produzido pela NiT regressa à antena da CNN Portugal no próximo sábado, 18 de maio. Os vídeos do formato são disponibilizados na plataforma NiTtv e nas redes sociais da marca da MadMen

O programa New in Town, produzido pela NiT, regressa à antena da CNN Portugal, no dia 18 de maio, sábado, com Sara Sousa Pinto na apresentação, confirmou ao M&P Jaime Martins Alberto, diretor-geral da MadMen, empresa que detém a marca. Para além da antiga pivô de Esta Manhã, programa matinal diário da TVI que foi suspenso no início do ano, a versão televisiva da publicação digital de lifestyle conta com a participação de Sara Ribeiro, Marcos Pinto e Miguel Lambertini.

“O desafio da NiT é diferente porque não é em direto. Acabo por ter um papel diferente e a oportunidade de crescer na área do lifestyle. Vou ter uma linguagem diferente e isto acaba por me desafiar”, afirmou Sara Sousa Pinto nas primeiras declarações públicas que fez sobre o projeto, em entrevista à NiT. Também disponíveis na plataforma NiTtv e nas redes sociais da NiT, YouTube e Instagram, os vídeos do programa New in Town integram um código QR que remete para o site da NiT.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Media

NetAudience: TVI segura liderança com alcance de 36,9%

O Ranking NetAudience de Entidades da Marktest volta a ser liderado pela TVI em abril, com uma diferença de 2,2% em relação à SIC, que ocupa o segundo lugar da tabela. O Ranking NetAudience de Redes da Marktest é dominado pela Nónio, com um alcance de 61,8% num universo de 8.591.212 utilizadores

Em abril, a TVI voltou a liderar o Ranking netAudience de Entidades da Marktest, com um alcance de 36,9%, mais 2,2% do que a SIC, que ocupa o 2º lugar, com 34,7%. Os dois canais estão separados por 189.777 utilizadores, uma vez que as plataformas digitais do canal da Media Capital registaram um alcance de 3.172.837 indivíduos e as da estação da Impresa chegaram a 2.983.060 consumidores. O 3º lugar é ocupado pelo Correio da Manhã, com um share de 33,6% e 2.886.948 leitores, revela a análise de audiências auditadas, agora divulgada.

Em 4º lugar, figura a NiT, com 28,8%, à frente do JN, em 5º, com 27,3%. A 6a posição é ocupada pela Flash, com 25,4%. O Observador conquista o 7º lugar, com 24,6%, com uma diferença de 0,2% em relação ao Expresso, que figura na 8ª posição, com 24,5%. O 9º lugar do ranking, que a Marktest apresenta mensalmente desde maio de 2019 com os números relativos ao alcance agregado dos títulos das entidades subscritoras com tráfego auditado, é ocupado pelo OLX, que regista 23,5%. Com 21,4%, o Diário de Notícias fecha o top 10.

O Ranking netAudience de Redes da Marktest é dominado pela Nónio, com um alcance multiplataforma de 61,8%, correspondente a 5.306.202 indivíduos, à frente da Media Capital, em 2º lugar com 48,7% e 4.182.916 pessoas alcançadas. Em 3º lugar, surge a Medialivre, com 44,9%, mais 2% do que a Impresa, que figura em 4º lugar com 42,9%. Estão separados por 172.051 indivíduos, dado que a rede da antiga Cofina terminou o mês com 3.857.894 utilizadores e a da dona da SIC com 3.685.843. O Global Media Group fecha o top 5, com 41,7%.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Media

APIT apresenta o 9º Encontro de Produtores Independentes de Televisão

O evento arranca terça-feira às 9h45, com as boas-vindas de Susana Gato, presidente executiva da APIT e, ao longo da manhã, Lottie Towler, analista principal da Ampere Analysis, apresentará o retrato do mercado audiovisual internacional

A Associação de Produtores Independentes de Televisão (APIT) volta a apresentar mais uma edição do Encontro de Produtores Independentes de Televisão, com o objetivo da aproximação dos profissionais do setor audiovisual, a 14 de maio n0 Montes Claros – Secret Spot, numa reflexão e debate sobre os temas mais atuais do mercado audiovisual internacional e nacional.

O 9º encontro da associação apresenta vários painéis com convidados reconhecidos do setor audiovisual, com foco em temas da atualidade, como a inteligência artificial. O evento arranca terça-feira às 9h45, com as boas-vindas de Susana Gato, presidente executiva da APIT e, ao longo da manhã, Lottie Towler, analista principal da Ampere Analysis, apresentará o retrato do mercado audiovisual internacional.

O consultor digital Dan Taylor-Watt falará sobre o tema ‘Fazer sentido da IA’, seguido pela apresentação da mais recente edição do Anuário do Setor Audiovisual em Portugal, por Catarina Duff Burnay, professora na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa. A manhã termina com uma conversa com Teresa Paixão, diretora da RTP2.

A tarde será ocupada com o debate ‘Os desafios da inteligência artificial’, que conta com um painel composto por Manuel José Damásio, diretor do departamento de cinema e comunicação multimédia da Universidade Lusófona, António Gomes, diretor-geral da Gfk Metris, Paulo Santos, diretor-geral da GEDIPE, Bruno Gaminha diretor do departamento de distribuição da GDA, e Vasco Monteiro vice-presidente da APAD. Seguidamente, António Gomes apresentará um estudo sobre a forma como os portugueses encaram a IA.

Para terminar, José Fragoso da RTP, Daniel Oliveira da SIC e João Patrício da TVI, juntam-se num painel sobre televisão para partilhar experiências sobre os desafios que as três estações generalistas portuguesas enfrentam. As inscrições são gratuitas, mas obrigatórias e limitadas, e ficam sujeitas a confirmação posterior, através de e-mail.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Media

Audiências: Consumo diário de televisão inverte tendência de crescimento

Na semana de 6 a 12 de maio, o futebol europeu ocupa a primeira posição do ranking global da programação e o canal da Media Capital mantém a liderança semanal. A TVI é o único canal que reforça a quota nesta semana, a SIC mantém e a RTP1, Cabo e Outros descem. O pódio dos canais mais vistos na televisão por
cabo permanece inalterado (CMTV, CNN Portugal e SIC Notícias)

O consumo global de TV inverte a tendência de crescimento que tem tido e regista uma quebra esta semana, cai cerca de 27 minutos por dia e é agora de cinco horas e sete minutos por dia.

Nas variações da quota de audiência semanal, a TVI é o único canal que reforça quota esta semana; a SIC está em clima de estabilidade e mantém o mesmo valor da semana anterior; RTP1, Cabo e Outros descem, embora com diferentes níveis de variação, e a TVI mantém a liderança da semana e aumenta a vantagem face à SIC.

Assim, a RTP1 desce uma décima e tem agora 10,3%, a SIC mantém os mesmos 14,0% de quota semanal que já tinha, a TVI reforça e atinge os 16,3% de quota. O Cabo e Outros descem, com o Cabo a ficar pelos 41,5% de quota, e o Outros (que inclui o visionamento em time shift, streaming e vídeo/jogos) a descer até aos 16,2% de quota semanal.

Na tabela dos mais vistos do cabo, o pódio da semana continua sem registar alterações, ocupado por CMTV, CNN Portugal e SIC Notícias, seguidos por STAR Channel, TVI Reality e Hollywood. Nas posições seguintes estão o STAR Movies, a Globo e a SIC Mulher, que está de regresso ao Top 10 dos canais mais vistos da semana. Na décima posição, e a fechar o top 10 da semana, está a TVI Ficção.

Mais uma vez esta semana, é um jogo da Liga dos Campeões que ocupa o topo do ranking da programação, desta vez com a transmissão do encontro Liga dos Campeões/Real Madrid X Bayern, feita pela TVI.

Nas posições que se seguem estão o reality show da TVI Big Brother – Especial e o Jornal da Noite da SIC. As posições restantes são ocupadas pela transmissão de Futebol – Liga Europa/Bayer Leverkusen X Roma, feita pela SIC e ainda pelo Festival Eurovisão da Canção 2024/Final, na RTP1.

O informativo Grande Jornal – Noite, da CMTV, ocupa o topo da tabela dos programas mais vistos da cabo da semana, composto exclusivamente por programas da CMTV. Seguem-se os desportivos Golos: Primeira Parte/FC Porto X Boavista, Duelo Final/FC Porto X Boavista e Golos: Segunda Parte/Benfica X Arouca. A fechar o Top 5 da semana está o Notícias CM.

Data Insights, Havas Media Network

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Media

MadMen reforça portefólio de publicações e prepara projeto da NiT fora do digital

Depois de Cascais, Oeiras, Porto, Seixal, Setúbal e Coimbra, a revista digital New in chega a duas novas localidades. O grupo liderado por Jaime Martins Alberto tem outros projetos em carteira, que podem envolver uma saída da NiT do digital para uma área onde ainda não está presente

A MadMen está a ultimar o lançamento de duas novas publicações digitais New In, dirigidas a localizações geográficas que ainda não são reveladas, que serão apresentadas no fim de maio e em junho, respetivamente. “Neste momento, temos seis. Vamos passar a ter oito”, revela ao M&P Jaime Martins Alberto, diretor-geral da MadMen, empresa que, além da revista digital NiT, da rádio NiTfm e da plataforma de streaming NiTtv, detém as publicações digitais New in Cascais, New in Oeiras, New in Porto, New in Seixal, New in Setúbal e New in Coimbra, o projeto editorial PiT e a iniciativa Pit Match.

“Comercialmente e financeiramente, continuamos a crescer muito e temos outros projetos, que também iremos anunciar em breve, que poderão envolver uma saída da NiT do digital. Esta ainda não é a altura para revelar especificamente o que vamos fazer, mas são conceitos novos. Estamos a trabalhar num projeto para a NiT fora do digital, um projeto grande, que será anunciado nos próximos meses, numa área na qual a MadMen nunca trabalhou. Será um projeto totalmente novo”, garante o responsável, sem adiantar mais pormenores.

“Estamos em contactos com os parceiros, os investidores e os anunciantes mas, como estamos numa fase precoce e não temos tudo efetivado, ainda não posso desvendar mais do que isto”, afirma Jaime Martins Alberto, anunciando que a empresa, que já soma meia centena de colaboradores, está a recrutar mais quatro. “Vamos reforçar a equipa comercial, a equipa editorial, a equipa de parceiros de desenvolvimento, informática e programação e a de produção de conteúdos e gestão de redes sociais”, esclarece o diretor-geral da MadMen.

A ambição é continuar a crescer. “Neste momento, somos o grupo de comunicação com o maior portefólio do país, com 14 projetos editoriais. Este ano, vai haver um grande investimento da nossa parte em novos projetos completamente diferentes daquilo que temos feito”, refere Jaime Martins Alberto, sem adiantar valores. Em fevereiro, segundo o ranking netAudience, só em Portugal, a NiT chegou a 2,56 milhões de leitores. “Este ano, chegámos ao topo. Tornámo-nos, com a NiT, no site mais lido em Portugal, de acordo com a Marktest”, sublinha o responsável.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Media

TV: Os programas que dominam as audiências, gravações e redes sociais em abril

O futebol continua a ter a preferência dos telespetadores nacionais. Os cinco programas mais vistos no quarto mês do ano foram disputados em estádios, segundo os dados oficiais do Social Media Explorer do grupo Marktest. O Big Brother, na TVI, mantém-se como o programa com mais menções nas redes sociais

O futebol ocupa as cinco primeiras posições do top 10 dos programas mais vistos em abril. A primeira posição pertence ao jogo Benfica x Sporting a contar para a Taça de Portugal, transmitido na RTP1 a 2 de abril, com uma audiência de 2.229.200 espectadores, de acordo com os dados oficiais do Social Media Explorer, do grupo Marktest.

Na segunda posição, está o encontro a contar para a Liga Europa, Marselha x Benfica, transmitido na SIC a 18 de abril, seguido pela segunda mão desta disputa, o Benfica x Marselha, transmitido na SIC no dia 11 de Abril, que ocupa o terceiro lugar.

No top 10 de programas mais vistos com gravações no próprio dia, a liderança é ocupada pelo programa da RTP1 Taskmaster, do dia 13 de Abril.

No que diz respeito aos 10 programas mais vistos com gravações de sete dias, o líder da tabela é também o programa da RTP1 Taskmaster, com a emissão de 6 de Abril.

Em relação aos 10 programas com mais menções nas redes sociais, na primeira posição da tabela mantém-se o reality show Big Brother. O programa das manhãs da TVI Dois Às 10 ocupa o segundo lugar da tabela, enquanto em terceiro encontra-se o programa semanal da SIC Fama Show. Ainda neste top, o programa Goucha, na tarde da TVI, ocupa o quarto lugar, à frente da série Morangos com Açúcar, também exibida na TVI, que está em quinto lugar, seguida da novela Senhora do Mar, na SIC, na sexta posição, e do programa Júlia, também na SIC, em sétimo lugar. O programa Casa Feliz, nas manhãs da SIC, é o número oito da tabela.

Nas últimas posições do top 10 dos programas com mais menções nas redes sociais encontram-se o programa da SIC Era Uma Vez Na Quinta, em nono, e a novela Cacau, na TVI, que termina o mês de abril em décimo lugar.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Media

57,3% dos ouvintes escutam rádio em tempo real através dos sites e das apps das estações

O Estudo sobre Consumo de Áudio Digital em Portugal, realizado pela Marktest para a Bauer Media Áudio Portugal, revela que a média de escuta de áudio digital, incluindo podcasts, ronda atualmente as 14 horas semanais. A geração Z é a que mais tempo lhes dedica

A maioria dos ouvintes (57,3%) escuta rádio em tempo real através dos sites e das aplicações móveis das estações radiofónicas, avança o Estudo sobre Consumo de Áudio Digital em Portugal, realizado pela Marktest para a Bauer Media Áudio Portugal. Segundo o documento, oito em cada 10 portugueses utilizadores de internet (83,5%) têm o hábito regular de consumir áudio digital, um número que tem vindo a aumentar. Em 2023, quase quatro em cada 10 (38,7%) garantiram ter ouvido mais conteúdos digitais, incluindo emissões de rádio e podcasts.

Este ano, a tendência mantém-se, com um terço (31,9%) dos 808 inquiridos a contar aumentar o consumo áudio online nos próximos 12 meses. “Pela evolução da mobilidade nas grandes cidades e pela crescente oferta de conteúdo áudio, que é de consumo mais conveniente, está-se a assistir a um crescente consumo de plataformas áudio, de programação linear e on demand. Hoje, é impensável não consumir rádio ou outros produtos de áudio”, afirma, em declarações ao M&P, Salvador Ribeiro, CEO da Bauer Media Áudio Portugal.

A média de escuta ronda atualmente as 14 horas semanais, com 78,2% dos inquiridos a revelarem que o fazem diariamente. O telemóvel o dispositivo mais usado para esse fim. “Música, entretenimento e humor figuram no top 3 dos conteúdos mais ouvidos”, revela o estudo. “Os dados recolhidos demonstram não existir uma diferença substancial no consumo de áudio digital, já que 83,2% da população masculina confirma consumir áudio em formato digital, contra 83,7% do público feminino”, refere ainda o documento.

As maiores alterações verificam-se na análise às diferentes faixas etárias, com 98,4% da geração Z a consumir áudio digital, mais 30% do que a dos baby boomers (68,4%). “O YouTube e o Spotify lideram o ranking das plataformas mais utilizadas para consumo de áudio digital, com 77,7% e 58,4%, respetivamente, mas as apps de estações de rádio
aparecem logo em terceiro lugar, com 42,3%”, sublinha a análise da Marktest, tornada pública a 10 de maio, sexta-feira.

“A morte da rádio tem vindo a ser sucessivamente anunciada, primeiro com a televisão, depois com a internet e, agora, com o streaming. Contudo, o que estes dados nos mostram é que uma grande parte da população continua a ouvir rádio, embora agora a consumam de uma forma digital. Isso e é transversal a todas as gerações”, realça Salvador Ribeiro. “Este estudo abre muitos caminhos para o futuro do áudio digital e para podermos continuar na frente desta transformação, percebendo os ouvintes e dando-lhes aquilo que eles querem ouvir”, refere ainda o responsável.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 Meios & Publicidade. Todos os direitos reservados.