Crise política e investigação que a desencadeou ocuparam 60% dos principais noticiários televisivos

Por a 14 de Novembro de 2023

O (polémico) comunicado que a a Procuradoria-Geral da República emitiu, no passado dia 7, a informar que o nome do primeiro-ministro, António Costa, tinha sido referido no âmbito da investigação da Operação Influencer foi o início de uma (longa) maratona informativa que, entre essa terça-feira e o domingo seguinte, ocupou, em média, 60% dos principais noticiários televisivos da RTP1, da SIC e da TVI. O documento levou à demissão do governante.

A MediaMonitor analisou, nos dias seguintes, o impacto noticioso da declaração, que se espraiou naturalmente do universo judicial para o campo político e económico, centrando essa análise “no tempo de emissão e número de notícias emitidas sobre o tema, entre os dias 7 e 12 de novembro, nos noticiários regulares desses canais”, informa a empresa do Grupo Marktest em comunicado de imprensa.

“Entre as principais conclusões, constata-se que foram emitidas no total 1.114 notícias nos três canais, com duração total de 48 horas e 36 minutos, sendo que no âmbito deste tema da Operação Influencer e respetivas consequências políticas foram identificadas 561 notícias, com a duração total de 29 horas e 20 minutos, o que representa 50% das notícias emitidas no período e 60% do tempo noticioso nos canais considerados”, avança o documento.

A duração média das notícias emitidas ronda os 2 minutos e 37 segundos, “sendo que as notícias relativas ao tema em análise tiveram em média 3 minutos e 08 segundos, mais 20% de duração média”, refere ainda a MediaMonitor.

“A RTP1 foi o canal, dos três em análise, que mais tempo dedicou ao tema, com 10 horas e 4 minutos, sendo igualmente o canal que maior percentagem dos noticiários dedicou ao tema, 69% do tempo noticioso. A análise constata ainda ter havido um equilíbrio nas notícias emitidas sobre o tema entre os jornais da tarde e da noite nos diferentes canais, com uma ligeira presença superior nos noticiários da noite”, sublinha o comunicado da organização.

Deixe aqui o seu comentário