Despedimentos no DN: Sindicato aponta “falta de coerência entre o que diz e faz a administração do GMG”

Por a 20 de Janeiro de 2023

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) mostra-se “perplexo com a sistemática prática da administração do Global Media Group (GMG) em diminuir os quadros nas empresas que detém”.

Depois de, em julho do ano passado, ter sido aberto um período para negociação de rescisões amigáveis e voluntárias no grupo, nomeadamente, na TSF, Jornal de Notícias (JN), Diário de Notícias (DN) e O Jogo, a redação do DN foi de novo confrontada, este mês, com o anúncio de que três jornalistas, um dos quais grande repórter, e um gráfico foram convidados a rescindir os seus contratos sob o argumento de reduzir os custos fixos. Profissionais que, de acordo com o SJ, não tinham manifestado interesse em aderir ao programa de rescisões voluntárias apresentado em 2022.

O Sindicato acrescenta que se trata de “uma situação que contradiz a promessa que foi feita sobre um reforço de recursos humanos para aquela redação. Além disso, não haverá substituição de profissionais com o mesmo grau de experiência”.

Por outro lado, prossegue o SJ, “a par destas decisões, as redações do GMG foram informadas, esta quinta-feira, da contratação de um novo responsável para a área de Inovação Digital não se colocando aqui, aparentemente, a necessidade de reduzir custos”.

O SJ condena ainda “a falta de coerência entre o que diz e faz a administração do GMG. A prática reiterada de redução de trabalhadores vai acabar por conduzir ao fecho de títulos que são uma referência no panorama nacional. Um destino que pode acontecer a outros grupos de comunicação social caso não mudem as suas práticas de gestão”.

O Sindicato refere também que “apesar de a administração do GMG nunca ter aceitado um pedido de reunião do SJ, a direção deste sindicato voltará a insistir com mais um pedido para falar sobre a situação do DN e sobre a estratégia que está a ser seguida para o JN, TSF e O Jogo”.

Deixe aqui o seu comentário