Martin Sorrell: “As empresas analógicas terão grandes dificuldades a partir de 2023”

Por a 3 de Novembro de 2021

“As holdings estão a perder quota de mercado, mas não se ouve falar sobre isso”, apontou Martin Sorrell, ex-CEO do grupo WPP e CEO da S4 Capital, entrevistado esta quarta-feira no palco PandaConf da Web Summit dedicado às grandes tendências da publicidade para 2022. Para o gestor, na área das agências de publicidade e de marketing “há dois planetas: o do não crescimento e o do crescimento elevado”, sendo que é neste último que Martin Sorrell posiciona a S4 Capital, assim como o negócio da publicidade digital e o das plataformas Facebook, Google, Amazon, TikTok, Alibaba e Tencent.

O gestor recusa a ideia da pandemia de covid-19 como um momento de transformação na indústria mas sim como acelerador da digitalização. “Não há nada novo na pandemia, é só uma acelerador da transformação que já se assistia ao nível do consumidor, do consumo de media e no interior das próprias empresas”.

Será em 2023 que o mercado publicitário voltará, como um todo, ao nível pré-covid, prevê. Um contexto que leva Martin Sorrell a defender que “a partir de 2023 que as empresas analógicas terão grandes dificuldades”. É que a “transformação digital significa uma grande volta ao nível das vendas, do marketing e das TI”, sendo que, argumenta Martin Sorrell, muitas agências não estão preparadas para esta mudança de paradigma no relacionamento com os clientes.

“As três questões que temos de resolver nos clientes são vendas, marketing e TI. Há uma controvérsia sobre data driven em que as pessoas pensam que são o Don Draper ou o David Ogilvy. Acham que os dados não inspiram a criatividade. Mas o próprio David Ogilvy percebeu-o. Se lerem os melhores textos sobre publicidade, que os da sua autoria, constata-se que ele percebeu a importância do direct mail e do direct marketing, assim como a importância dos dados para gerar insights”, apontou o CEO da S4 Capital.

Leia na edição quinzenal  a estratégia de Martin Sorrell e da S4 Capital para os países de língua portuguesa, tema abordado em entrevista exclusiva ao M&P

Deixe aqui o seu comentário