destaque

Análise à Woo, que quer liderar mercado low cost

Por a 1 de Julho de 2021


Yvonne Kaps, responsável pela marca Woo, explica os planos para tornar a nova marca de telecomunicações líder no segmento low cost

A Woo surgiu em Julho de 2020, apresentando-se como a primeira empresa de telecomunicações (ou telco, como preferem descrever-se) digital em Portugal. Yvonne Kaps, marketing, customer experience & care director da Woo, explica a estratégia de marketing da marca que integra o portfólio da NOS e que avançou recentemente com a primeira campanha de publicidade multimeios.

Posicionamento e target
A Woo tem como alvo “o segmento dos adultos digitais, com uma proposta de valor net centric, centrada na internet, móvel e fixa, que se distingue pela simplicidade e transparência de uma experiência 100 por cento digital. Desde então é uma marca que vive com a missão de evoluir continuamente com as necessidades deste target, mas que pretende tornar-se acessível a todos os portugueses”, descreve ao M&P Yvonne Kaps, sublinhando que a Woo é “muito simples. Não existem ofertas adicionais, pontos, telemóveis, o que nos permite concentrar todo o investimento no preço e no serviço ao cliente. A marca nasceu para endereçar o segmento dos adultos digitais, mas pretende agora conquistar o seu espaço no mercado, alargando a simplicidade, transparência e experiência digital a todos os portugueses que procuram soluções móveis e fixas a preços competitivos e com um serviço verdadeiramente diferenciador”.

A questão do preço
A marca conta, desde Maio, com novos tarifários móveis sem fidelização. Um GB de dados e mil minutos de chamadas ou SMS têm o custo de 10 euros, por exemplo. A Woo está também a lançar novos tarifários de internet fixa e telecomunicações móveis, a partir de 37 euros, com 6GB dados móveis/1000 minutos e uma velocidade de 100Mbps na net fixa. Quando a Woo foi lançada, em Julho de 2020, os valores mínimos de mensalidade eram de 23 euros, quando agora são 10 euros. A estratégia anterior não estava a funcionar? “Ao longo do último ano, percebemos que existe procura por soluções de menor dotação de dados a preços mais baixos. Por esse motivo, e para responder às necessidades dos clientes, reformulámos a nossa proposta de valor nesse sentido. O que estamos agora a fazer é uma evolução da marca e não um reposicionamento, pois a estratégia e génese da Woo não mudaram”, ressalva Yvonne Kaps. “Apesar de termos o preço mais competitivo do mercado, a relação de proximidade e simplicidade para com os clientes é o principal factor diferenciador da Woo. Baseamo-nos em princípios disruptivos que nasceram para responder às próprias necessidades dos clientes e que se materializam em tudo o que fazemos: a simplicidade da oferta, da experiência de adesão e gestão de tarifário e do apoio ao cliente, a honestidade e transparência do serviço, e a satisfação do cliente no centro de tudo. Existe, de facto, procura em Portugal por uma alternativa com uma proposta de valor diferente no mercado de telecomunicações”, prossegue a responsável pela marca, acrescentando que “o objectivo é sermos competitivos no mercado global e sermos líderes em quota no mercado global de low cost”. A Woo não revela quantos clientes tem actualmente.

A relação com a NOS
A comunicação da Woo não refere que se trata de uma marca do universo NOS. “A Woo é uma marca que opera de forma autónoma e gerida por uma equipa independente. Nasceu do conhecimento técnico e humano da NOS, bem como assenta na infraestrutura tecnológica e legal desta operadora, mas seguiu o seu caminho de forma totalmente autónoma e independente”, justifica Yvonne Kaps, ao mesmo tempo que traça as linhas que separam as duas marcas. “A NOS é um operador de comunicações e entretenimento que opera em todos os segmentos – residencial e empresarial – e que disponibiliza todos os serviços de telecomunicações, actuando ainda no mercado de exibição e distribuição de cinemas. A Woo é uma telco digital, a primeira em Portugal, que se materializa numa app que endereça os serviços de voz e internet, mas a operar de forma totalmente distinta”.

A diferença Woo e WTF
A WTF é outra das marcas detidas pela NOS que actua junto de um público mais jovem e adepto da comunicação digital. Não existe o perigo de canibalização entre marcas da mesma empresa? Yvonne Kaps considera que as ofertas da Woo e da WTF estão ajustadas a diferentes faixas etárias. “A proposta de valor WTF oferece um serviço exclusivo para menores de 25 anos, que integra internet e telefone móvel com ofertas muito direccionadas a este target, como por exemplo, o acesso a apps específicas do segmento como o TikTok e o Snapchat, ofertas de cinema, Uber, Uber Eats, Glovo, entre outras. A Woo é dirigida a um target mais adulto, net centric e que privilegia a simplicidade e facilidade na gestão dos seus serviços. Pela dimensão e objectivos não é concorrente nem da NOS nem da WTF, mas sim marcas complementares face a diferentes necessidades sentidas no mercado”, indica.

Várias agências
Arrancou em Maio a primeira campanha multimeios da Woo, presente em TV, exterior e digital. A criatividade é da agência O Escritório. A estratégia de marca e o branding da Woo foram concebidos pela Stream and Tough Guy e a This is Pacifica e a comunicação digital é assegurada pela ComOn. A LPM trabalha a assessoria de comunicação. Após esta campanha multimeios, deverão ser privilegiados o meio digital, assim como os canais próprios da Woo.

Deixe aqui o seu comentário