Marco Galinha entra como accionista no Global Media Group (act.)

Por a 17 de Setembro de 2020
Marco Galinha. CEO do grupo Bel

Marco Galinha. CEO do grupo Bel

Marco Galinha, do Grupo Bel, é o novo accionista do Global Media Group. A confirmação do negócio, que terá sido concretizado muito recentemente, foi feita por comunicado interno. “Os accionistas da Global Media e o Grupo Bel chegaram a acordo para a entrada deste na estrutura accionista da empresa. Esta parceria, que será formalizada após a conclusão dos devidos procedimentos, visa o relançamento estratégico de um dos principais grupos de referência da comunicação social em Portugal, num momento desafiante para o sector e para o país”,  lê-se no email enviado aos colaboradores da empresa ao qual o M&P teve acesso.

A participação com que fica o Grupo Bel, ou a nova estrutura accionista da empresa, não foi revelada, não sendo também conhecido o montante pelo qual o CEO do Grupo Bel, que tem também uma participação no Jornal Económico, vai adquirir a sua sua posição. Não se sabe também se será o único novo accionista a entrar na estrutura.

A actual composição accionista da Global Media, conforme consta no seu site, é KNJ Global Holdings Limited (35,25%), José Pedro Carvalho Reis Soeiro (24,5%), Olivemedia (19,25%), Novo Banco (10,5%) e Grandes Notícias (10,5%).

Após a saída de Daniel Proença de Carvalho, em Agosto, a função de chairman passou a ser assumida por José Pedro Soeiro,  que entrou como accionista no final de  2017. 

Alterada a estrutura accionista, sobre a qual não são conhecidos mais pormenores, é esperada a reestruturação do grupo, que vem sendo adiada há quase dois anos.

Recorde-se que o grupo registou, em 2018, prejuízos de 9,1 milhões de euros, um agravamento face aos 4,5 milhões de euros registados em 2017.

Os trabalhadores do grupo saíram do regime de lay-off simplificado no início de Agosto, o  que permite avançar com um possível processo de despedimento colectivo já em Outubro.

Entretanto, e ao que o M&P apurou, Marco Galinha ficará com 40% do grupo, por cerca de 4 milhões de euros, montante que permitirá resolver a situação com o Novo Banco e o BCP.  Injectará ainda mais cerca de 6 milhões, quantia que servirá para a reestruturação. O despedimento colectivo deve abranger cerca de 120 pessoas.  Esta informação não foi confirmada ao M&P. dizendo fonte oficial da Global Media que não comenta temas relacionados com accionistas.

Deixe aqui o seu comentário