André Macedo deixa JLM&A e vai lançar um projecto próprio

Por a 7 de Julho de 2020
André Macedo

André Macedo

André Macedo vai sair da JLM&A, agência na qual ingressou há dois anos, para lançar um projecto próprio. A informação foi confirmada ao M&P pelo ex jornalista.

“Fui jornalista durante 23 anos, muito cedo com funções de edição e depois de direção. Fui director do Diário Económico, do Dinheiro Vivo e do DN, director executivo do i, além de director-adjunto da RTP.  Um vaidoso, portanto”, diz. “O hábito de estar no centro da informação e da actualidade traz consigo um caderno de encargos pessoal muito exigente: eu gosto e quero estar no centro da actualidade e da informação. É esse o meu modo de vida. Não quero viver sem essa pressão nos próximos anos”, prossegue.

“A JLM&A deu-me essa magnífica oportunidade: nestes dois anos, que se completam precisamente agora, com o João Líbano Monteiro e o Vítor Cunha, consegui construir uma nova carreira sempre com a mesma alta voltagem, embora com outras exigências. Continuo a ler jornais, a ouvir rádio e as notícias dos canais de TV com a mesma vontade e, de certa forma, com um objectivo parecido: identificar oportunidades de comunicação. Não sou jornalista, claro, não faço informação, mas, entre outras funções, participo no processo”, enquadra.

“É também por isso que saio. Porque o ponto de partida para este passo, a JLM&A, não podia ser melhor. As minhas credenciais profissionais, digamos assim, foram postas sobre a mesa e à prova neste período de tempo. A minha capacidade foi amplamente testada com os mais diversos clientes e empresas – as maiores do país, mas também outras de menor expressão — com briefings também eles muito diferentes. Penso que correu bem para os clientes, para a agência e para mim”, diz sobre estes dois anos, em que deixou o jornalismo para trabalhar na área da comunicação.

Sobre a decisão de sair, ou a relação com a agência na qual começou a trabalhar em comunicação”, André Macedo assegura que “temos – a JLM&A e eu – uma relação de confiança e de proximidade”. “Foi difícil decidir sair por isso mesmo”, diz.

“O contexto económico também parecia ser um contravapor a esta minha decisão, mas não cedi a esse risco, que, aliás, considero calculado. A gestão de crise é um dos pontos que trabalhei intensamente: simplificando, hoje tenho a experiência de ver o que acontece quando se segue o caminho A e não o B, a que junto a experiência jornalística e de análise mais profunda e detalhada. O codid-19 está a provocar mudanças significativas e a comunicação faz parte desse processo”, prossegue.

Assim, riscos ponderados, “vou fazer, então, a minha agência. Que dizer, nasce pequena para se tornar maior com o passar do tempo”, acredita.

Sobre as áreas nas quais pretende trabalhar, ou valências do novo projecto, André Macedo diz que “além das relações com os media e também com os actores institucionais, que é um lado relevante do que faço, sempre me coordenei com os departamentos de marketing das empresas, apesar de, em regra, não fazer ou comunicar produto”. Depois, continua, “a publicidade sempre me interessou. Tenho amigos nessa área. Nesta minha nova fase penso que continuarei a poder complementar e potenciar o trabalho que eles fazem, embora isso não seja o prato principal”, adianta.

“Lancei a Sábado (era chefe de redação), o i e o Dinheiro Vivo. Há séculos, lancei o site do Record. Chegou o momento de lançar a minha empresa”, resume.

E quanto a pormenores sobre a nova agência? “Os detalhes seguem no próximo capítulo, mas sempre com a devida discrição. Hoje foi uma justificada excepção”, conclui.

“Não podemos dizer que é uma verdadeira saída, pois vamos continuar a colaborar e a manter uma excelente relação. Percebemos que o André queira iniciar uma fase diferente na sua vida profissional, fazendo outras coisas, mas sabemos que ele tem a JLM&A no coração”, diz, contactado pelo M&P, Vítor Cunha, administrador da JLM&A.

Deixe aqui o seu comentário