Público abandona netAudience com críticas aos critérios de análise

Por a 9 de Junho de 2020

PúblicoO tráfego online do Público deixará de ser auditado pelo netAudience depois de o diário da Sonaecom anunciar a suspensão da sua participação no barómetro da Marktest “por não se rever nos critérios” de análise. “Este barómetro mensal mistura sites de jornalismo com sites de entretenimento, sem ter em conta as especificidades de cada meio, de que resulta um ranking misto, que compara o incomparável”, aponta em comunicado o jornal dirigido por Manuel Carvalho, argumentando ainda que os critérios que sustentam o barómetro “excluem quer os leitores mais fiéis, quer os leitores que o são a partir de outro país”.

Isto porque, explica o título, o estudo da Marktest “mede sobretudo a quantidade de leitores únicos que consultam um dado site ao longo de um mês, nas várias plataformas, mas não valoriza a fidelidade dos mesmos às respectivas publicações”. “A quantidade de leitores que lêem o Público várias vezes ao longo do dia, e em várias plataformas, cujas percentagens de fidelidade têm vindo a crescer nos últimos meses, não é tida em conta neste ranking, que mede sobretudo o número total de leitores que lêem uma publicação pelo menos uma vez ao longo de um mês”, justifica o diário da Sonaecom, que em Março liderou este ranking com 3,81 milhões de reach, ocupando em Abril (dados mais recentes) a terceira posição com 3,45 milhões de indivíduos alcançados.

No que diz respeito aos leitores a partir de outros mercados, o Público critica ainda o facto de que o netAudience “tem em conta apenas o tráfego proveniente dos utilizadores em território nacional e não inclui todos aqueles que, sendo da diáspora ou não, consultam publicações portuguesas, como é o caso do Público, que tem 20% dos seus leitores, segundo o Google Analytics, no estrangeiro, sobretudo em países como Brasil, Reino Unido ou Estados Unidos”, diz o título.

Deixe aqui o seu comentário