Comunicar no presente construindo o futuro

Por a 8 de Abril de 2020
Fernanda Marantes, CEO do Havas Media Group

Fernanda Marantes, CEO do Havas Media Group

Neste contexto em que 66% dos portugueses estão preocupados com os riscos de contaminação (estudo da Kantar + Marktest, março 2020) e as preocupações recaem na saúde, bem-estar físico e emocional, além da segurança e do trabalho, qual o papel das marcas e a pertinência da sua comunicação?

Precisamente, como resposta à crise, as marcas precisam de comunicar proactivamente.  Analisando os seus protocolos de marketing, divulgando mensagens com um tom positivo, humano e focadas num propósito colectivo. Apostando em mensagens práticas, informativas e realistas para ajudar as pessoas no seu dia-a-dia, as marcas encontram o ambiente adequado para expressar o seu sentido de Responsabilidade Social de forma não oportunista, apoiar a comunidade e contribuir para reduzir a ansiedade.

Os consumidores estão já diferentes devido ao contexto da pandemia, tendo experiências que nunca tinham tido antes, como o trabalho à distância, a educação online, novos hábitos de compra, experiências de e-commerce, novas preferências de entretenimento e de consumo em geral.

As marcas que têm estado activas neste período, são um exemplo do valor que podem aportar às pessoas, quer na facilitação da adaptação das famílias portuguesas a uma nova rotina com a #RotinadeImproviso do Continente, ou a newsletter da Worten dedicada à nova realidade do trabalho em casa, quer na ajuda ao entretenimento das crianças com as fichas de actividades da Turma Imbatível do Lidl. O apoio no alívio do peso das prestações dos créditos comunicado pelo Santander. Os 10 gigas oferecidos pela NOS, Vodafone e MEO para que todos continuemos ligados. O acesso gratuito à plataforma de ensino à distância da Porto Editora. A agilidade das equipas de marketing e das agências, em criar, aprovar e colocar anúncios no ar apenas em 48h, para sensibilizar as pessoas a ficarem em casa, assegurando que não deixam de contar com o apoio das suas marcas.  Entre muitos outros exemplos, esta dinâmica é um contributo inspirador que contagia outras iniciativas na sociedade.

As marcas não deixaram de comunicar, estão a ajustar o mix de canais, conteúdos e parcerias potenciais para um alcance eficiente e pertinente. Os media como a TV, Radio, Imprensa são cruciais enquanto fonte de informação credível que estimulam a reflexão e promovem o acesso à informação honesta e esclarecedora.

Neste período, as plataformas online, redes sociais e apps são fundamentais, pois mantêm as pessoas ligadas, de todos os grupos etários, com incidência nas gerações mais novas, que procuram entretenimento, ideias, comunidades e grupos de interacção, formas de combater o isolamento social e partilhar emoções.

Há, pois, um mundo de novas oportunidades que surge da disrupção, criando um ecossistema dinâmico e incentivando a criatividade e a reinvenção de alguns negócios e da comunicação. Ao manterem uma comunicação dinâmica, as marcas preparam-se para a recuperação e constroem uma transição táctica e proactiva, com a expectativa e a certeza de que a quarentena não durará para sempre.

*Por Fernanda Marantes, CEO do Havas Media Group

Deixe aqui o seu comentário