Marketing de conteúdo: 7 erros a evitar

Por a 14 de Janeiro de 2020
Jorge Faustino, director da Fullsix Content na Fullsix Portugal

Jorge Faustino, director da Fullsix Content na Fullsix Portugal

Numa altura do ano em que a maior parte dos artigos de opinião aborda tendências e o que se deve fazer no novo ano (também eu o fiz no meu último artigo de opinião), considero ser tão ou mais importante escrever sobre aquilo que não deve ser feito.

#1: Não ter uma estratégia de marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo deixou de ser uma tendência para ser uma inevitabilidade nas estratégias de marketing da maior parte das marcas. Não existir uma estratégia de marketing de conteúdo e a mesma não estar reflectida nos orçamentos de marketing, são erros que podem sair muito caros às marcas. O conteúdo, independentemente do formato (vídeo, texto, imagem…), é o melhor instrumento que uma marca tem para conseguir captar a atenção e conversar com a sua base de consumidores, contando a sua história e mostrando como é que pode fazer a diferença, melhorando as suas vidas.

Os objectivos, o tipo e formato dos conteúdos, a periodicidade/calendarização, as temáticas, o investimento na amplificação e as plataformas/canais onde os conteúdos vão estar, são pilares fundamentais de uma estratégia de marketing de conteúdos.

 

#2: Desistir ou não ser fiel à estratégia

Desistir de uma estratégia de conteúdos, ou achar que esta foi mal delineada e que necessita revisão, apenas porque não se vêem resultados de curto prazo, é o segundo erro básico e, infelizmente, comum. O sucesso do marketing de conteúdo, quando uma estratégia foi bem construída, faz-se normalmente notar a médio e longo prazo. A regularidade e consistência dos conteúdos, a par da qualidade/relevância dos mesmos, são factor provado de sucesso.

 

#3: Não definir objectivos

Não definir objectivos é condenar, à partida, o sucesso de qualquer projecto. E, não sendo fácil definir objectivos quando falamos de marketing de conteúdos, é fundamental fazê-lo para que se possam avaliar os resultados da estratégia implementada. Métricas e KPIs (objectivos quantitativos) são fundamentais nesta avaliação. A definição de objectivos realistas e o alinhamento destes com o resto dos objectivos de marketing e de negócio são outros dois factores críticos e indispensáveis neste processo.

 

#4: Ignorar os interesses da audiência

A quantidade de conteúdos de qualidade disponíveis no “mercado” é gigantesca. Produzir bom conteúdo já não é suficiente. O foco da produção de conteúdos tem de estar também, e principalmente, no interesse que estes possam suscitar ao público/audiência/consumidor que queremos conquistar. Inspirar, entreter, informar, ensinar ou educar, premiar e ajudar são os papeis que o conteúdo pode e deve ter junto da audiência. Na intersecção daquilo que a marca quer dizer e aquilo que a audiência tem interesse em consumir, está a chave do sucesso do conteúdo de uma marca.

 

#5: Focar demasiado em vendas

Acreditar que todos os desafios comerciais vão ser resolvidos através de marketing de conteúdo é, para além de ilusório, um dos atalhos mais rápidos para o segundo erro que neste artigo apresento. Os consumidores são (somos) cada vez mais atentos, perspicazes e exigentes. O conteúdo pode e deve apoiar vendas se for pensado para impactar o consumidor quando este, na sua consumer journey, já se encontra na fase de compra ou em momento avançado da fase de selecção. Nas restantes etapas da consumer journey o conteúdo não pode nem deve ter como foco ou objectivo primário a ligação, mais ou menos directa e óbvia, a vendas. Fazê-lo é estar a esquecer a audiência e os seus interesses. É, portanto, estar a perder essa audiência.

 

6#: Apenas produzir conteúdos focados na descoberta

No seguimento do ponto anterior, ou em oposição a ele, há que evitar o erro de apenas focar a produção de conteúdos na fase de descoberta na consumer journey. Definir uma keyword relevante para o seu serviço/produto, produzir um conteúdo que a contenha repetidamente, subir nos respectivos rankings de pesquisa do Google e ser descoberto pelo consumidor é, efectivamente, uma das estratégias e funções do conteúdo. No entanto, da consideração à selecção, passando depois pelo pós-venda e advocacia, os conteúdos, se produzidos adaptados a cada uma destas etapas e de forma relevante para o consumidor, são factor de sucesso na estratégia de conteúdos e, consequentemente, nas de marketing e de negócio.

 

#7: Não ter uma estratégia de amplificação dos conteúdos

Um dos maiores e mais comuns erros que uma marca pode cometer é investir na produção de conteúdos e, depois, esquecer-se de investir, ou optar por não o fazer, na amplificação dos mesmos. A ideia de que apenas a “qualidade” do conteúdo, SEO ou a viralidade farão tudo é um erro crasso e, mais uma vez, o caminho para o falhanço de uma estratégia de marketing de conteúdo.

Deixe aqui o seu comentário