Maria Flor Pedroso demite-se da direcção de informação da RTP

Por a 16 de Dezembro de 2019

maria flor pedrosoMaria Flor Pedroso demitiu-se esta segunda-feira do cargo de directora de informação da RTP. O conselho de administração já deu a conhecer que “aceitou a saída de Maria Flor Pedroso do cargo”.

Segundo avançou o conselho de administração (CA) em comunicado, a que o Público teve acesso e entretanto colocado online pela estação pública, “após auscultação dos motivos invocados pela directora e exclusivamente por esses motivos, o CA considera que não tem outra alternativa que não seja aceitar essa decisão”.  Maria Flor Pedroso sai por considerar “que, face aos danos reputacionais causados à RTP, não tem condições para a prossecução de um trabalho sério, respeitado e construtivo, como sempre tem feito”.

O CA destaca a “idoneidade” e o “currículo irrepreensível”, de Maria Flor Pedroso, defendendo que “a linha editorial que vinha a ser seguida pela direcção, assente num jornalismo objectivo e rigoroso, livre e independente, isento e plural, é a matriz de uma serviço público de excelência, em absoluto contraste com a crescente tendência para um jornalismo populista e sensacionalista”.

A administração liderada por Gonçalo Reis garante que “em breve” será nomeada “uma nova direcção à qual continuará a exigir a implementação das melhores práticas, para que o jornalismo feito pela RTP seja o mais completo, o mais sério, o mais credível e o mais isento, ao total serviço do público”, conclui o mesmo comunicado.

Maria Flor Pedroso assumiu o cargo no final do ano passado para substituir Paulo Dentinho, que tinha colocado o lugar à disposição após uma polémica gerada em torno de comentários escritos pelo jornalista nas redes sociais.

Sexta às 9: Caso ISCEM juntou-se ao lítio

O Conselho de Redacção da RTP tinha convocado para esta segunda-feira um plenário de jornalistas sobre o conflito entre a equipa do Sexta às 9, coordenado pela jornalista Sandra Felgueiras, e a directora de informação da televisão pública, Maria Flor Pedroso. A demissão ocorreu antes do plenário.

No centro da polémica estava um relato feito pela coordenadora do Sexta às 9, Sandra Felgueiras, numa reunião com o Conselho de Redacção a propósito da reportagem sobre o lítio, em que adiantou que o Sexta às 9 estava a investigar suspeitas de corrupção no âmbito do processo de encerramento do Instituto Superior de Comunicação Empresarial (ISCEM), que passava pelo alegado recebimento indevido de “dinheiro vivo”.  Segundo relatou a Lusa, Sandra Felgueiras acusou Maria Flor Pedroso de ter transmitido informação privilegiada à visada na reportagem [directora do ISCEM, Regina Moreira], algo que a directora de informação da RTP “rejeitou liminarmente”, de acordo com as actas do Conselho de Redacção.

Maria Flor Pedroso garantia, segundo esse relato, que “nada foi falado sobre o contrato de compra e venda do imóvel ou outros dados da investigação. A directora de informação limitou-se a defender os interesses da RTP ao tentar contrariar a recusa de uma entrevista”.  A então directora de informação terá aconselhado Regina Moreira para responder ao programa Sexta às 9 por escrito.

Mais de 130 jornalistas tinham subscrito um abaixo-assinado em defesa de Maria Flor Pedroso, uma iniciativa que arrancou na sexta-feira e conta com nomes como Adelino Gomes, Henrique Monteiro, Anabela Neves, Francisco Sena Santos, Rita Marrafa de Carvalho, São José Almeida ou Sérgio Figueiredo.

O PSD agendou para esta semana um debate de actualidade no Parlamento sobre a informação da RTP.

 

Deixe aqui o seu comentário