“As marcas precisam de novas soluções de investimento num sector com tanto potencial como este”

Por a 9 de Outubro de 2019
Miguel Abalroado, co-founder & active partner da Brandelicious

Miguel Abalroado, co-founder & active partner da Brandelicious

Miguel Abalroado lançou em Portugal a Brandelicious, consultora ibérica focada nos sectores gastronómico e agro-alimentar. Ao M&P o até Maio director-geral da Cofina Eventos explica o posicionamento e objectivos da empresa

 

Fundada em Espanha por Borja Beneyto, uma das 20 pessoas mais influentes na food industry no país, Guillermo Dávila, Javier Ferradal e Rodrigo Varona, a Brandelicious, consultora focada nos sectores gastronómico e agro-alimentar, chegou a Portugal. Miguel Abalroado, sócio-fundador da empresa, explica o que pretendem fazer.

Meios&Publicidade (M&P): A Brandelicious nasce a partir de um hobby. Quer contar a história?
Miguel Abalroado (MA): A minha vida profissional tem sido feita em funções de gestão de topo no marketing, nos eventos e nos media. Ajudei a construir marcas e meios de comunicação. Sempre viajei muito, pessoal e profissionalmente. E sempre aproveitei essas viagens para aprender, conhecer localmente a gastronomia, os produtos, os chefs e os produtores. A gastronomia vem de braço dado com a hospitalidade, com os sectores hoteleiro e agro-alimentar. São sectores que impactam de uma maneira profunda o bem-estar das pessoas.  Quando dei conta, nos últimos 10 anos, estava a visitar mais de 200 restaurantes por ano. Tascas, restaurantes de hotel e os melhores três estrelas Michelin do mundo. Tinha visitado incontáveis produtores e adegas. Sabia intuir as tendências do sector. Tinha feito incontáveis formações. Tinha relações pessoais com alguns dos chefs mais importantes do mundo, um capital de conhecimento, de network, de formação e de experiência que ultrapassava em muito aquilo que achamos razoável para um hobbie. O prazer tinha-se tornado uma obsessão quase profissional. Achei que era a altura de juntar este know-how às minhas competências de gestão e finalmente trabalhar num sector que tanto me apaixona.

M&P: Assumem-se como uma consultora estratégica de gestão de negócio, marketing e comunicação, especializada no sector agro-alimentar e gastronomia. Na prática, como é que funcionam?
MA: É importante saber que somos uma consultora ibérica. Nascemos em Espanha, com sócios portugueses e espanhóis – no epicentro de uma das culturas gastronómicas mais ricas do mundo – e agora também com a nossa sede em Portugal. A Brandelicious tem uma preocupação: dar soluções aos seus clientes e ajudar a implementá-las, trabalhando em exclusivo o sector agro-alimentar, a hotelaria e a gastronomia. Como o fazemos? Com a junção de vários factores-chave. Temos know-how aprofundado da indústria, dos chefs e das dinâmicas do sector, capacidade de aplicar as melhores ferramentas de marketing digital e competências de comunicação especializada. Além disso, uma visão estratégica e competências de gestão de topo. O cliente quer soluções integrais, um único interlocutor. Temos a objectividade de olhar para o negócio do nosso cliente de uma forma holística. Queremos que, com a nossa ajuda, este possa entregar óptimos produtos aos seus clientes. Que tenha visão de longo prazo, que seja rentável. Que possa dispor e tirar partido da digitalização, das melhores ferramentas de marketing e de comunicação. Queremos, por fim, que as marcas entendam a beleza e potencial deste sector e, connosco, possam definir objectivos, criar projectos, investir e gerar retorno. Gastronomia é afinidade, paixão, amor. Os chefs são hoje o que os gurus de gestão foram há 20 anos. Acreditamos que o sector gastronómico e agro-alimentar, em particular os eventos, pode ter, na próxima década, a importância que a música e os eventos com ela relacionados tiveram nestes últimos 10 anos. E que as marcas vão querer parceiros especializados que os ajudem a concretizar objectivos.

M&P:  Têm três áreas de actuação: consultoria de negócio, comunicação, eventos & conteúdos. Quais são as áreas com maior potencial de crescimento?
MA: A gastronomia é um factor de diferenciação do nosso país. O crescimento do turismo, a globalização dos consumidores criaram novos desafios a esta indústria. Lisboa ou Porto competem hoje com cidades como Málaga ou Sevilha. O investimento espanhol e francês está a chegar em força à restauração e hotelaria. Para os players do sector, a consultoria de negócio é uma necessidade. Iremos casar a procura existente com a nossa oferta altamente especializada. Iremos ajudar o desenvolvimento de negócio, a gestão estratégica, criando valor e diferenciação. Conseguir mais atenção e investimento ao sector será uma prioridade. Como? Criando novos projectos de restauração e modelos diferenciadores. Identificando e criando novos modelos de eventos e experiências gastronómicas. E desenvolvendo estratégias de sponsoring e comunicação adequadas. As marcas precisam de novas soluções de investimento num sector com tanto potencial como este. E queremos ajudar nesse processo.

Miguel Abalroado, Maria Martinho, Marta Braga e Vânia Reis

Miguel Abalroado, Maria Martinho, Marta Braga e Vânia Reis

M&P:  A quem é que se dirigem? Qual é o potencial cliente tipo?
MA: Numa escala macro, aos grupos de restauração, aos projectos hoteleiros diferenciados, à grande distribuição, aos produtores de vinho, às marcas de produtos de consumo, sejam cervejas, arroz, automóvel, comunicação, energia e tantas outras. Numa escala micro, ao chef que procura um coach e uma visão de longo prazo na sua carreira, ao restaurante diferenciador, ao hotel boutique que procura clientes globais. A micro-marcas de produtos de consumo. O produto é, na restauração, o novo luxo. E queremos estar nessa revolução.

M&P: E quais as principais lacunas que se propõem a colmatar? Como é que definem o sector ao qual se dirigem?MA: Temos uma abordagem mono-sectorial, vertical, especializada e de serviço integrado ao sector agro-alimentar, à hotelaria e à restauração. E aqui incluímos os players do sector e todas as marcas e agentes que, directa ou indirectamente, interagem com este sector. Creio que é fácil entender três desafios que se vão colocar a este sector nos próximos anos. O primeiro é a concorrência global na atenção do cliente. Um restaurante duas estrelas Michelin, em Lisboa, concorrerá com equivalentes, em Córdova, Singapura ou Estocolmo. Digitalização é o segundo desafio. É a grande revolução que se coloca, seja na gestão de processos, seja na forma de comunicar.  O último e mais importante é o desafio da rentabilidade. Falamos de um sector altamente concorrencial, onde as competências de gestão farão a diferença.

M&P:  Entretanto, já estão a trabalhar com alguns clientes. Pode falar de dois ou três projectos que estejam a desenvolver?
MA: Nos últimos dois anos, é conhecida a nossa associação em Espanha ao grupo Dani Garcia, que ganhou recentemente a sua três estrela Michelin. Ao restaurante Disfrutar, número 9 da lista Worlds 50 Best, também ao Heart Ibiza, que junta os irmãos Ferran e Albert Adrià ao Cirque du Soleil. Em Portugal estamos a desenvolver um projecto de grande dimensão com um dos maiores players da distribuição. Somos também consultores e responsáveis pela comunicação da Taberna do Calhau, um lançamento de enorme sucesso em Lisboa. Entre outros somos também consultores do chef Vasco Coelho Santos, do Euskalduna, número 86 da lista OAD, que trabalhou no El Bulli e Mugaritiz.

*A entrevista completa pode ser lida na edição nº846 do M&P

Deixe aqui o seu comentário