Netflix perde subscritores pela primeira vez e cai 12% em bolsa

Por a 18 de Julho de 2019
Netflix

NetflixUm crescimento global aquém das expectativas e, pela primeira vez, uma perda de subscritores naquele que é o seu principal mercado, não agradaram aos investidores e o Netflix viu o seu valor em bolsa cair 12% esta quarta-feira. Os resultados do segundo trimestre apontam para uma perda de 126 mil subscritores da plataforma de streaming de vídeo nos EUA, número que representa não só a primeira perda desde o seu lançamento em 2011, mas também uma evolução em contra-ciclo com as previsões da empresa, que esperava conquistar mais 352 mil assinantes no mercado norte-americano.

A par do resultado negativo nos EUA, o Netflix ganhou neste último trimestre mais 2,7 milhões de subscritores a nível global quando as expectativas da empresa e dos investidores colocavam a fasquia nos 5 milhões de novos utilizadores pagos. Com estes resultados, o número total de subscritores do Netflix está agora nos 151.5 milhões de utilizadores, mais 22% em comparação com o trimestre homólogo em 2018.

Numa carta enviada aos accionistas, Reed Hastings, CEO da plataforma, reconhece o crescimento aquém do esperado e justifica esta evolução com o aumento de preços, especialmente nos EUA, e com um trimestre sem estreias de peso. “Os conteúdos do segundo trimestre geraram menos crescimento na base de subscritores do que tínhamos antecipado”, refere o responsável, mantendo a confiança de que isso irá mudar na segunda metade do ano, apesar da chegado ao mercado, prevista para Novembro, da plataforma Disney+.

Com várias estreias agendadas paro o terceiro e quarto trimestres, entre as quais o regresso de séries com grande popularidade a nível global como as terceiras temporadas de Stranger Things (estreada a 4 de Julho) ou La Casa de Papel (com estreia marcada para esta sexta-feira), o Netflix aponta agora para um crescimento esperado no terceiro trimestre a rondar os 7 milhões de novos subscritores a nível global, número acima dos 6,1 milhões de novos assinantes conquistados no trimestre homólogo.

Ao nível das receitas, o Netflix registou um crescimento de 26% para os 4,9 mil milhões de dólares neste segundo trimestre. Na mesma carta aos investidores, Reed Hastings aproveitou para rejeitar os rumores de que a plataforma pretenderia em breve alavancar as receitas com a introdução de publicidade. “Tal como a HBO, somos uma plataforma livre de publicidade” e “isso permanece um elemento profundo da nossa proposta de marca”. “Quando virem especulação de que vamos avançar para a comercialização de publicidade, estejam confiantes de que isso é falso”, refere, deixando a garantia: “Acreditamos que teremos um negócio mais valioso no longo prazo ao mantermo-nos fora da competição por receitas publicitárias e, em vez disso, focarmo-nos inteiramente em competir pela satisfação do utilizador.”

Deixe aqui o seu comentário