Associação Portuguesa de Mulheres Juristas contra campanha da L’Oréal

Por a 19 de Julho de 2019
loeal

loealA Associação Portuguesa de Mulheres Juristas (ASMJ) apresentou na quarta-feira uma queixa à Direcção Geral do Consumidor contra a campanha publicitária de promoção a um desodorizante masculino da L’Oréal, que recorre a frases como “É de homem” ou “Bolas grandes”. A associação pede a suspensão da campanha publicitária. Contactada pelo M&P, a L’Oréal não comentou o assunto ao longo desta sexta-feira. Há pelo menos três anos que a L’Oréal tem esta linha de comunicação associada aos desodorizantes masculinos.
A ASMJ defende na queixa, que entretanto divulgou no seu site, que a campanha publicitária “procura veicular uma concepção claramente sexista do que seja ‘ser homem’”, uma vez que utiliza esta expressão “como ilustração de uma identidade masculina que afirma que os ‘homens’ devem ser estóicos, fortes, valentes, determinados de desprovidos de emoção”. Para a associação isso significa que “a abnegação, fortaleza, valentia e a determinação são características identitárias da masculinidade e não de toda a espécie humana, designadamente das mulheres.”
A ASMJ vai mais longe e sustenta que a campanha da L’Oréal viola a Constituição e o Código da Publicidade, “Também a Constituição da República impõe que o Estado tenha como sua tarefa fundamental a promoção da Igualdade entre homens e mulheres e, consequentemente, interdite práticas discriminatórias. Nesta conformidade, o Código da Publicidade proíbe no seu artigo 7º toda a publicidade que viole os valores e os princípios constitucionais”, refere o mesmo documento.

Deixe aqui o seu comentário