O wakeboard vai colocar Castelo de Bode no mapa mundial da modalidade?

Por a 16 de Setembro de 2015
André Matos

André Matos

Pela primeira vez o campeonato do mundo de wakeboard vai realizar-se fora dos Estados Unidos, mais concretamente em Portugal, em Castelo do Bode. Este é um projecto avaliado em 600 mil euros, que envolve os  municípios de Abrantes, Ferreira do Zêzere, Tomar, Sertã e Vila de Rei, a Turismo do Centro e a Associação Portuguesa de Wakeboard e Wakeskate (APWW). Castelo do Bode, que passará a apresentar-se ao grande público como lago e não barragem, será o epicentro deste evento que conta com o apoio da EIPWU (Everything is Posssible With Us), de Luís Segadães.
André Matos, presidente da Associação Portuguesa de Wakeboard e Wakeskate, explica em entrevista ao M&P o que poderá a região ganhar com o campeonato que decorre de 16 a 19 de Setembro e chega à NBC Sports. Tal como a Nazaré entrou no radar dos surfistas internacionais, será que Castelo de Bode terá o mesmo destino? As respostas a seguir.

Meios & Publicidade (M&P): Qual o impacto económico que esperam obter com o WWA Supra Wakeboard World Championships?
André Matos: O WWA Supra Wakeboard World Championships é a alavanca para um projecto de promoção territorial de grande dimensão nacional e internacional: a instalação da primeira estância de wakeboard do mundo em Castelo do Bode. É importante referir que não é algo pontual, a Wakeboard Portugal conseguiu a realização desta prova pelos próximos três anos. Este é um início de percurso que estamos a construir com a Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, com os municípios de Abrantes, Ferreira do Zêzere, Sertã, Tomar e Vila de Rei, e a Turismo Centro de Portugal. O impacto económico que este campeonato vai ter na região, só será possível de medir com a inauguração da estância em Castelo do Bode, em Março do próximo ano. Queremos que esta estância movimente milhões de atletas e simpatizantes para o centro do país, tornando-se uma autêntica fábrica de talentos nacionais e internacionais.

M&P: É possível que, depois desta competição, Castelo de Bode entre no mapa mundial do wakeboard?
AM: Não só é possível, como é o que vai realmente acontecer. Temos esta semana em Castelo do Bode os atletas profissionais de topo a nível mundial. Os fãs destes atletas e simpatizantes deste desporto, que os seguem nos media e nas redes sociais, vão tomar conhecimento deste novo destino, vão ficar curiosos e entusiasmados com algo que não encontram em mais lugar nenhum do mundo. Para os atletas que correm o mundo todo a fazer provas de wakeboard, este é um destino exótico.

wake 1M&P: Como assim?
AM: Alguns atletas deixaram de ir à prova do Japão para poderem vir a Portugal. O facto de ser algo desconhecido, inesperado, está a resultar muito bem e vai certamente colocar Portugal e Castelo do Bode no mapa de milhões de pessoas. Só na Europa existem três milhões de praticantes e se tivermos em conta que o wakeboard supera o surf nos Estados Unidos, temos um público imenso a atingir.

M&P: Em termos de visibilidade mediática para a região, o que poderá representar o evento?
AM: Se tivermos em conta que estamos a fazer o “build up” da modalidade em Portugal, é um retorno muito acima do esperado. Ainda há uma grande maioria que não sabe o que é o wakeboard. Mas também ninguém sabia o que era o surf há 15 anos atrás e neste momento há pessoas que visitam o nosso país para ver as ondas de Supertubos ou da Nazaré. Estamos a dar a conhecer o desporto, como algo que vai potenciar a região. Criámos por isso algumas parcerias estratégicas a nível nacional e internacional.

M&P: Que parcerias são essas?
AM: Temos colocado o wakeboard no mapa mediático e prevemos um retorno global de quatro milhões de euros em Portugal e de mais de 15 milhões a nível global, com transmissões asseguradas na NBC Sports (mais de 80 milhões de lares) e Fuel TV internacional. Temos também a RTP como media partner oficial, com presença tanto na informação, como na programação e publicidade institucional e A Bola TV no panorama desportivo. A par do campeonato, vai ser realizada a primeira lake party do país, a MTV Lake Party com Pete Tha Zouk, que tem divulgado massivamente o evento. A MTV tem explorado o lado mais social do evento, com várias actividades e animação nos quatro dias de prova.

wake 2M&P: Apresentam Castelo de Bode como um lago e não como barragem como costuma ser designado pelos portugueses. Porquê?
AM: É algo estratégico na criação de destino. Queremos retirar a conotação industrial da palavra barragem ou albufeira. A estância vai ocupar 30 quilómetros do espelho de água de Castelo do Bode (que tem um total de 60 quilómetros), que é realmente um lago, só não foi referido dessa forma até ao momento.

Deixe aqui o seu comentário