Retalho de luxo em contraciclo em Portugal

Por a 2 de Janeiro de 2012

A evolução positiva que o segmento do retalho de luxo tem demonstrado nas cidades de Lisboa e Porto, evoluindo em contraciclo com a restante indústria de retalho desde 2008 a sofrer os efeitos da crise económica, favoreceu o crescimento deste nicho de mercado no nosso País. A análise é da Cushman&Wakefield.

Nos últimos anos inauguraram em Lisboa e Porto importantes insígnias de luxo reconhecidas internacionalmente como são a Prada, Hermés, Marc Jacobs, Dolce & Gabbana, entre muitas outras, estando marcada para o início do ano a inauguração da primeira loja Gucci em Portugal, na Avenida da Liberdade, em Lisboa.

As localizações por excelência das insígnias de luxo em Portugal são a Avenida da Liberdade em Lisboa e a zona de Avis no Porto. No caso de Lisboa, o crescente fenómeno de revitalização do Chiado tem atraído para esta zona marcas de luxo, que beneficiam do importante fluxo de turistas de que esta zona é alvo ao longo de todo o ano.

Na última década as cidades de Lisboa e Porto têm vindo a atrair uma cada vez maior atenção internacional, aumentando a procura do turismo cultural e de lazer em ambas as cidades. Este aspeto tem efeitos positivos na performance do comércio de rua, ao aumentar o leque de potenciais clientes para os operadores com unidades nos destinos culturais de ambas as cidades.

Segundo o “Globe Shopper City Index – Europe” do Economist Intelligence Unit, Lisboa obteve a sétima posição (num total de 33) entre as melhores cidades para compras em viagens internacionais. O guia de viagens britânico Lonely Planet colocou recentemente a capital portuguesa no top 10 em dois rankings, nomeadamente no segundo lugar como uma das cidades de visita obrigatória em 2012 e no sexto lugar entre os melhores destinos para férias com crianças. A mesma publicação, considerou em 2011 a cidade do Porto, como o quarto melhor destino a nível mundial em termos de relação qualidade/preço. Ainda relativamente a Lisboa, esta foi recentemente distinguida pela Academia do Urbanismo Britânica, uma organização que junta analistas e decisores de vários quadrantes e cidades do Reino Unido e Irlanda, com o prémio Cidade Europeia 2012.

Este ano dar-se-ão alguns acontecimentos na cidade lisboeta que a destacarão a nível internacional. Durante duas semanas em Junho, Lisboa, escolhida entre 34 cidades candidatas europeias, irá acolher o stopover da etapa transatlântica entre os Estados Unidos da América e a Europa da Volvo Ocean Race. Já em Julho, a cidade volta a acolher um evento desportivo marítimo, sendo uma das escalas do The Tall Ships Races, uma corrida de grandes veleiros que se estima que venha a atrair cerca de 1 milhão de visitantes.

 

Victor Jorge (HiperSuper)

Deixe aqui o seu comentário