Dicas para os meios sociais

Por a 30 de Julho de 2010

Starbucks não é apenas sinónimo de cadeia global de cafés. A marca foi a primeira a conseguir ultrapassar os 10 milhões de fãs no Facebook. Para se perceber a dimensão do fenómeno, nada como comparar com quem tem ainda mais fãs: Lady Gaga, Michael Jackson, o jogo Mafia Wars, o próprio Facebook ou Barack Obama. Além de lançar várias promoções exclusivas no Facebook, a Starbucks foi uma das primeiras a testar os tweets patrocinados do Twitter e a apostar em força na rede social de georeferenciação Foursquare. Brad Nelson, product Manager da Starbucks Coffee Company, comentou ao Mashable que, nas redes sociais, mais do que pôr as marcas a dizer alguma coisa, é preferível que sejam as pessoas comuns a fazê-lo: “Os consumidores vão vê-lo como um validador externo, assim vão estar mais disponíveis para responder do que se vissem um outdoor numa estrada. Isso também deixa o autor contente. Todas as pessoas gostam de ver os seus conteúdos expostos.” Deixe que alguém o diga por si é, portanto, o primeiro conselho que as marcas devem seguir na gestão da sua presença na web. Outra dica: a presença das marcas no online deve ser unificada, mesmo tratando-se de plataformas tão díspares como um site, blogue corporativo, Twitter, Facebook, YouTube ou Foursquare. O departamento de marketing interactivo dos Chicago Bulls, por exemplo, esteve a redesenhar o Bulls.com, que passou a incluir uma TV online e conversas online entre jogadores e fãs. A reformulação tinha um objectivo central: proporcionar aos fãs uma experiência consistente. Terceiro conselho: “As plataformas de meios sociais com maior sucesso usam os egos e dinâmicas de jogo para guiar os seguidores, e tanto as pessoas como as marcas são medidos em número de fãs e seguidores. O sucesso é sempre atribuído aos retweets, likes, partilhas e outra métricas.” No entanto, as marcas devem devem ter algum cuidado neste ponto. “Trato as minhas interacções com clientes nos meios sociais como faria numa entrevista com jornalistas: sou directo, digo a verdade e reconheço que o tempo disponibilizado pelo cliente é valioso e que é importante resolver o seu problema o mais rápido possível”, testemunha Joel Frey, senior public relations do portal de viagens Travelocity.

A Virgin America foi, à semelhança da Starbucks, uma das primeiras empresas a adoptar os tweets patrocinados. Pouco tempo depois anunciou apenas através daquela rede social que iria expandir a sua actividade a Toronto. Esta estratégia resultou porque a empresa conseguiu encontrar o seu nicho para comunicar, em vez de optar por um plano de meios gigante. É importante perceber como reagem os consumidores perante iniciativas de menor dimensão, aconselha Bowen Payson, online marketing manager da companhia aérea. Por fim, não se regozije em demasia porque tudo o que disser pode virar-se contra a marca.

Deixe aqui o seu comentário