Cannes: Twitter quer gerar receitas já em 2009

Por a 23 de Junho de 2009

tim-001.jpgOs responsáveis pelo Twitter estão a estudar um modelo de negócio em que obtenham receitas através de outras empresas que ganhem dinheiro com a plataforma. “Uma das hipóteses é cobrar um fee às empresas que estão a conseguir gerar valor no Twitter. Terão de ser projectos relacionados com o Twitter e não com venda de espaço”, adiantou ontem Biz Stone, um dos fundadores do Twitter, presente em Cannes a convite da Hill & Kwolton. Com dois anos de existência, 2009 será, por isso, o ano das “das primeiras experiências para gerar receitas”.
O responsável, que estará amanhã em Lisboa para participar numa conferência promovida pelo jornal I, explicou que o sucesso do Twitter não se baseia na tecnologia mas antes “num trunfo da humanidade”. Exemplo disso é a troca de informação das vítimas dos fogos da Califórnia, dos afectados pelos ataques terroristas de Bombaim ou, mais recentemente, dos manifestantes de Teerão sobre o que estão a vivenciar. “Não vejo o Twitter como uma rede social, mas como uma rede de comunicação e informação”, justificou Biz Stone. Para o fundador desta plataforma que permite a partilha de mensagens até 140 caracteres, o seu potencial corresponde aos quatro mil milhões de telemóveis existentes, já que é possível twitar via SMS, e não apenas através da internet.
Em resposta a uma questão via Twitter, já que era a através do site e do hashtag #hkcannes que se interagia com Biz Stone, o fundador da empresa explicou por que se deve convencer as empresas a estarem presentes neste meio. “Não vale a pena explicar como é que se twita. Basta colocar o nome da empresa no campo de pesquisa para se perceber porque é prioritário.” Um exemplo bem sucedido, para Biz Stone, de presença nesta plataforma é o da rede de cabo norte-americana Comcast. A empresa monitoriza, responde e soluciona em tempo real aos problemas descritos pelos utilizadores.

O M&P desloca-se a Cannes com o apoio da YoungNetwork. Acompanhe o festival em Do Fundo da Comunicação.

Deixe aqui o seu comentário