Semanauto vai para as bancas

Por a 17 de Abril de 2009

O Semanauto, jornal gratuito sobre automóveis, vai passar a ser vendido em banca, com o preço de capa de um euro. O título terá 40 mil exemplares e a distribuição será assegurada pela Logista.Segundo avançou ao M&P Carlos Ribeiro, director-geral da CR Marketing e Publicidade, Lda, o objectivo é que o título, que continuará a ter periodicidade semanal, vá para as bancas no início de Maio.

As questões que motivaram esta mudança prendem-se, segundo o responsável, com a visibilidade, pois, enquanto gratuito, “muitas pessoas não tinham conhecimento da existência do jornal”, e a redução de encargos, já que “deixaremos de ter os custos relacionados com a distribuição na rua” e “passaremos a ter uma receita com a venda”, acrescenta.

O Semanauto, que continuará a sair às sextas-feiras, será auditado pela APCT e, segundo o responsável, os objectivos são que o título venda, em média, no primeiro semestre, 20 mil exemplares por semana.

Em termos gráficos, o logótipo sofrerá um restyling, sendo que as alterações, a cargo da directora de arte Mónica Fonseca, serão mais profundas. “Teremos um grafismo mais tipo revista, com mais fotos e mais caixas, de modo a que a leitura do jornal tenha maior dinamismo”, explica.

Miguel Cabral continuará a ser o director editorial, dirigindo uma equipa de cerca de 10 jornalistas. Os conteúdos, tal como no formato anterior, serão focados em novos modelos de automóveis, no desporto automóvel e no comércio e indústria automóvel.

Já a equipa comercial, que tinha como director comercial Rui Santos, está a ser reestruturada. Contudo, Carlos Ribeiro diz que ainda não está definido o nome que vai dirigir esta unidade do projecto. Outra das novidades no Semanauto é a inclusão de um destacável designado Classificar. Trata-se de um caderno com capa própria, de saída semanal, dedicado a classificados de automóveis.

O lançamento de duas revistas gratuitas

A CR lança hoje duas revistas gratuitas dedicadas às comunidades inter-municipais: a Quinta Dimensão e a 2D. Segundo Carlos Ribeiro, cada título tem uma tiragem de 20 mil exemplares e é esperado que, em receitas comerciais, a Quinta Dimensão e a 2 D captem 33 mil e 20 mil euros por mês, respectivamente.

Luís Ferraz, director editorial das duas revistas, explicou ao M&P que a Quinta Dimensão, com edições de 40 páginas, vai ter a missão de explicar a nova organização territorial, com base nas comunidades inter-municipais, dar foco ao poder local e lançar uma discussão sobre como deverá ser o modelo a seguir pela regionalização. A primeira edição será distribuída no Tâmega e Vale de Sousa e a segunda no Minho e Lima, sendo que, a nível nacional, será enviada para as câmaras municipais, juntas de freguesia e todos os organismos do Estado.

Já a 2D, que terá o mesmo modelo de distribuição, como avança Luís Ferraz, será distribuída no Área Metropolitana do Porto nas duas primeiras edições. Este título, acrescenta, terá 36 páginas e os seus conteúdos incidirão sobre o desporto regional e as modalidades amadoras.

Sérgio Diniz é o director comercial dos dois projectos, sendo que Susana Mendes assegura a parte comercial da Quinta Dimensão e Michelle Costa e Rui Martins a vertente comercial da 2D. Elisabete Moreira e Marlene Lima são as redactoras dos projectos.

Deixe aqui o seu comentário