Polémica em torno do cancelamento do concurso dos jovens criativos

Por a 3 de Junho de 2008

A representação dos jovens criativos em Cannes está a gerar polémica em algumas franjas de publicitários que reúnem os requisitos para participar na competição. Em causa estão o cancelamento do concurso por parte da +Cinema, a entidade que representa a competição em Portugal, e a opção da empresa de levar a Cannes a dupla que saiu vencedora do Festival do Clube dos Criativos de Portugal.Em declarações ao Meios & Publicidade, Filipa Gomes, a redactora da Lowe que está a servir de porta-voz à contestação, crítica a falta de profissionalismo da empresa dirigida por Ana Paula Costa por não ter “anunciado a sua posição publicamente”, isto depois dos jovens criativos só terem tido conhecimento da situação a partir de uma notícia veiculada pelo Briefing. Em relação à falta de apoios financeiros que a +Cinema argumenta estar na origem da impossibilidade de levar, tal como em anos anteriores, as duplas de imprensa, cinema e ciber a Cannes, Filipa Gomes garantiu “existirem instituições que estariam disponíveis a apoiar a ida” dos jovens criativos a Cannes, sem contudo conseguir especificar nomes.

Mas as críticas não se ficam por aqui. O facto da informação de que a dupla que estará a representar Portugal em Cannes só ter sido avançada há uma semana, também está a merecer posições de desagrado, o que leva a criativa a endurecer as críticas: “Neste momento a +Cinema representa mal a participação dos jovens criativos em Portugal no festival de Cannes, e se assim é, o melhor é mudar a empresa que representa a nossa participação”. E em relação ao festival do Clube de Criativos diz: “Nós não concorremos ao CCP para ir a Cannes, logo não faz sentido esta solução. No próprio festival, não havia regulamento, não houve short list e nem sequer sabíamos o nome dos membros do júri”.

Contactada pelo M&P, Ana Paula Costa fez questão de frisar que a +Cinema não conseguiu levar todas as duplas a Cannes devido à “falta de condições financeiras”, garantindo ainda que esta “decisão não foi tomada de ânimo leve”. Já o facto da opção de cancelar o concurso só ter sido tomada há uma semana tem como justificação “terem sido esgotadas todas as soluções financeiras tentadas pela +Cinema para encontrar a melhor alternativa para levar os criativos portugueses a Cannes”. Por outro lado, a empresa não tem ainda um modelo definido para as edições seguintes, sendo que Ana Paula Costa garante que a posição de Portugal nas três categorias não está posta em causa.

As críticas feitas à +Cinema são, no entanto, desvalorizadas: “Quando falamos de jovens criativos estamos a abranger um conjunto vasto de pessoas e não sei até que ponto essas pessoas são representativas. A verdade é que vivemos numa democracia e o facto de estarem descontentes é sinal que o esforço que a +Cinema tem vindo a fazer para levar Portugal a ser representado em Cannes acaba por ser reconhecido, pois já é uma iniciativa muito importante no mercado”.

Deixe aqui o seu comentário