Lift quer adquirir Imago

Por a 28 de Maio de 2008

imago-lift.jpgA Lift lançou uma proposta de aquisição à Imago que, a ser concretizada, fará com que Carlos Matos e Madalena Martins, donos da Imago, passem a ser sócios de Salvador da Cunha, único accionista do grupo Bairro Alto, que detém a Lift, apurou o Meios & Publicidade.
Contactado pelo M&P, Salvador da Cunha não quis comentar esse cenário. No entanto, confirmou a existência de uma aproximação entre as empresas com o objectivo de reunir uma estrutura com as “extraordinárias competências das duas consultoras”. “Somos duas empresas com práticas de líderes de mercado e, nesse sentido, queremos reforçar essa posição”, diz. Além do mais, acrescenta, a Lift tem vindo a registar uma boa performance no mercado, pelo que foi decido implementar uma estratégia de crescimento mais agressiva. As semelhanças no posicionamento das duas agências também acabaram por determinar a abertura de conversações: “São parecidas do ponto de vista cultural e ético, pelo que faz todo o sentido esta aproximação”. Estão assim vários cenários em aberto: a criação de uma holding em que a Imago se juntará às outras empresas integradas no grupo Bairro Alto, uma fusão ou então a manutenção da independência das empresas, apesar de continuar a existir uma estrutura accionista comum. O certo é que as insígnias Lift e Imago continuarão a existir, pois não “faria sentido fazer cair duas marcas com tanta força no mercado”, esclarece Salvador da Cunha. Já em relação à autonomia do trabalho com os clientes, o patrão do grupo Bairro Alto garante estarem todas as possibilidades em aberto. Do lado da Imago, Carlos Matos explica a aproximação: “O nosso objectivo é estudar as melhores alternativas. A ideia é criar sinergias, embora as equipas se mantenham. A única coisa que se altera é que passaremos a ser sócios”, detalha, dando também como certa a manutenção das insígnias e a autonomia das equipas com os respectivos clientes. Com a parceria pretende-se criar um “grupo líder na consultoria em comunicação e relações públicas em Portugal”, diz. A aproximação entre Carlos Matos e Salvador da Cunha surgiu pela credibilidade que aquele vota no actual presidente da APECOM: “Chegámos à conclusão que o Salvador da Cunha era a pessoa certa, por ser uma pessoa com um grande valor. Juntando o meu know-how e o da Madalena [directora da Imago] com o do Salvador, ficaremos mais fortes”. Ainda assim, nega que esta aproximação tenha surgido para fazer face à perda de protagonismo que a Imago poderia estar a perder no mercado: “A Imago não perdeu importância, até porque o ano de 2007 foi um dos melhores para a empresa. Essa é uma ideia fabricada por alguma concorrência. Basta olhar para a nossa carteira de clientes para se perceber a vitalidade da empresa”, advoga. A Imago tem, neste momento, clientes como a Galp, a Sonae Sierra, a MTV ou a Unilever. Já a Lift trabalha com a Media Capital, a Jerónimo Martins, a Samsumg, entre outras.

Deixe aqui o seu comentário