Revolução digital pode prejudicar agências

Por a 15 de Novembro de 2007

As alterações dos hábitos de consumo de media, fruto da transferência dos media analógicos para os digitais, irão revolucionar a indústria de publicidade. Esta é a ideia de um estudo da Accenture, divulgado pelo Adweek. De acordo com um inquérito da consultora junto de 70 líderes da indústria de media e da publicidade, as agências terão mais a perder do que, por exemplo, as estações de televisão. Inquiridos sobre quem será mais afectado com a transição para a publicidade digital, 43% dos entrevistados referem-se às agências, enquanto que só 33% são da opinião que os operadores de televisão serão as mais afectadas.

Assim, a segmentação dos públicos decorrente da transição para o modelo digital irá obrigar a que se desenvolvam constantemente novas formas de comunicação com os targets a que se destinam as mensagens, já que a comunicação passará a ser mais dirigida ao indivíduo. Neste contexto, as operadoras tradicionais de televisão ficarão a perder, ou não estivessem os públicos a ser cada vez mais canalizados para canais segmentados ou de nicho. Por outro lado, a transferência dos consumidores para a internet acabará também por ser prejudicial para esses canais.
A grande ameaça que paira sobre as agências está relacionada com o facto das empresas de tecnologias fornecerem, cada vez mais, ferramentas que permitem aos clientes desenvolver as suas próprias estratégias de comunicação, pois permite-lhes conhecer directamente os seus consumidores. Daí que possa suceder os clientes virem a dispensar os serviços das agências. O estudo refere também que 50 % dos inquiridos defendem que as plataformas digitais serão a plataforma fundamental na distribuição de conteúdos dentro de cinco anos, enquanto que 80% apontam que isso venha a suceder daqui a uma década.

Mesmo assim, os anunciantes parecem não estar optimistas quanto à capacidade das agências para acompanharem esta transição, já que 70 % dos inquiridos defende que a indústria não está tecnologicamente preparada para as mudanças que resultarão desta nova forma de medir as respectivas performances da publicidade.

Deixe aqui o seu comentário