Constatação

Por a 23 de Fevereiro de 2007

Rui Marques

Aquilo que aparentava ser apenas o reflexo de um mau período económico que pousou sobre o país é, afinal, uma contínua mudança nos hábitos de consumo de media. O lugar da imprensa tradicional está a ser, lentamente, ocupado pela internet e pela imprensa gratuita. Esta é uma constatação que atravessa todos os mercados internacionais. Daí que valha a pena dar alguma atenção a três aspectos relacionados com a reformulação do Público. A começar pela campanha de publicidade, que põe em evidência dois dos fenómenos que desafiam o processo jornalístico: o ‘user content generated’ e o ‘citizen journalism’. É que, é nos blogues e no YouTube que estão algumas das ideias mais interessantes do momento, ao mesmo tempo que a intervenção dos cidadãos anónimos altera a produção das notícias, de que é exemplo mais próximo o vídeo do enforcamento de Saddam Hussein. Depois, o logótipo do jornal, substituindo a palavra Público pela marca P, pode ser aplicado, desdobrado e transportado para qualquer suporte. Já o caderno P2, com uma abordagem mais próxima da de uma revista, permite fugir á temporalidade do ritmo diário. Estas três respostas da reformulação do Público contornam a cartilha que deveria ser seguida pelo típico jornal de referência. Basta recordar o exemplo do suplemento de Economia do DNdescrito, aquando do lançamento, como o terceiro diário de economia português e considerado um trunfo para que o título se consolidasse como um jornal de qualidade. Os números apresentados para justificar a demissão da direcção do DN vêem agora mostrar que não é, apenas, com qualidade que se conquistam leitores.

Os editores irão cada vez mais prestar contas pelos resultados que os títulos apresentam, escrevia a propósito das mudanças no DN e no 24horas António Giner, fundador da Innovation, a consultora espanhola que reformulou o Expresso e prepara a nova Visão. O problema é que o número de consumidores do meio papel está a diminuir e não parece que haja sinal, com excepção de um ou outro projecto isolado, de que seja possível inverter esta tendência.

Deixe aqui o seu comentário