Sílvia Almeida, directora de marketing da EDP Comercial

Por a 9 de Dezembro de 2005

Conheça a mulher que está por detrás do marketing comercial da EDP. Sílvia Almeida é responsável pela gestão de um orçamento de marketing de 6,5 milhões de euros

Sílvia Almeida ingressou na EDP em Maio de 2004 e desde então tem desempenhado funções de responsabilidade na área do marketing. Esta profissional, 38 anos e economista de formação, reporta ao administrador da área comercial da EDP. «O primeiro grande desafio nesta função foi tornar real a mudança da marca EDP, explica a directora de marketing da EDP Comercial.

Meios & Publicidade (M&P): Quando é que iniciou funções na EDP?

Sílvia Almeida (SA): Entrei na EDP em Março de 2004, com a missão de desenvolver a área de marketing de clientes residenciais. Esse tem sido o meu trabalho desde então, inicialmente como equipa de projecto, agora com uma estrutura mais formal.

M&P: Em concreto, quais são as suas funções?

SA: Como directora de marketing, sou responsável pelo marketing intelligence, pela gestão da oferta de produtos e serviços e pela comunicação com clientes e publicidade.

M&P: Quantas pessoas trabalham consigo?

SA: Lidero uma equipa de cindo pessoas, cujas experiências anteriores de trabalho em empresas com grande know-how de marketing, em mercados competitivos, constitui um valor inestimável para a obtenção de bons resultados. São uma mistura eclética de perfis e experiências, que também nos torna o dia-a-dia rico e divertido.

M&P: Quais são os desafios que tem neste momento em mãos?

SA: O primeiro grande desafio nesta função foi tornar real a mudança da marca EDP. Nas suas manifestações estáticas: desde a imagem da factura aos materiais de comunicação utilizados nas lojas EDP, á imagem da frota, passando pelos formulários diversos utilizados em todos os pontos de contacto com o cliente.

M&P: Quais os objectivos da equipa que lidera?

SA: Quando um dos eixos de posicionamento da empresa é a simplicidade, temos que a tornar realidade. E, com um produto pouco tangível como a energia eléctrica, concretizar a simplicidade assenta essencialmente na capacidade de mantermos um diálogo simples, claro, com os nossos clientes. Toda a organização tem-se concentrado neste objectivo. Não se trata de uma conquista de uma equipa de cinco pessoas. É um trabalho diário, de todos. E tem sido muito bem recebido pelo mercado.

M&P: Quais as acções que a equipa de marketing tem estado a implantar com clientes?

SA: Todas as campanhas de produtos ou serviços da EDP implementadas ao longo de 2005 têm sido resultado do trabalho desta equipa de marketing. Temos desenvolvido acções de natureza bastante diversa: desde o marketing relacional á publicidade em imprensa, rádio e televisão. Afinal, o meio é a mensagem.

M&P: Pode dar-me exemplos de acções?

SA: Por exemplo, fizemos várias acções dirigidas só a clientes, promovendo novos serviços como o nosso site seguro ou a comunicação de leituras por SMS. A nossa campanha mais visível foi a campanha multi-meios sobre eficiência energética, no início do Verão. A 'campanha do André, Joana, Rita e Pedro' tinha o objectivo ambicioso de mostrar que é possível poupar electricidade sem comprometer o conforto, promovendo pequenos gestos de utilização eficiente da energia eléctrica no lar. Actualmente, decorre a campanha de aquecimento, com o tema 'Mostre esse sorriso', presente em mupis, rádio e imprensa, além dos canais de comunicação directa com os clientes e, claro, o site www.edp.pt.

M&P: Qual a avaliação que a EDP faz da implantação da nova imagem?

SA: A pro-actividade na mudança tem sido vista, pelos clientes, como um sinal muito real de aproximação da EDP. Acredito mesmo que, em determinadas alturas, já conseguimos exceder as suas expectativas. Este vai ser o nosso próximo desafio: continuar a exceder expectativas, mantendo as promessas da marca EDP.

M&P: Quais foram as principais diferenças que sentiu em relação ás funções que exercia na UBS?

SA: Esta função é, realmente, bastante diferente da minha experiência anterior. Em primeiro lugar, pelo facto de trabalhar em português! Como directora da UBS Global Asset Management, trabalhei durante três anos praticamente sempre em inglês, entre Lisboa, Zurique, Madrid e Londres. Tinha a missão de desenvolver a presença da UBS no mercado português de gestão de activos, lidava por isso com os principais bancos e gestoras de fundos de pensões do mercado. A entrada na EDP foi um regresso a uma área de actividade que tinha já experimentado durante os anos que vivi em Bruxelas. Aí, tinha já trabalhado no sector eléctrico, na Tractebel (holding que detinha a Electrabel, a nossa congénere na Bélgica) no desenvolvimento de projectos internacionais de geração de electricidade.

M&P: Como é a sua vida na EDP?

SA: Aqui, a minha vida é mais calma de um ponto de vista geográfico. Por outro lado, é mais complexa ao nível das competências de gestão que requer. Quando fiz o MBA, na Kellogg School of Management, fui das poucas pessoas que optou por uma dupla especialização, em marketing e finanças, já que estávamos na escola de marketing por excelência. Hoje, essa duplicidade de know-how é uma boa base de trabalho num mercado que, apesar de representar um bem de grande consumo, tem um modelo de negócio e uma dinâmica muito próxima dos mercados financeiros.

Deixe aqui o seu comentário