Globalização, inovação e sucesso

Por a 3 de Agosto de 2001

O futuro das revistas no Mundo” foi o tema da última edição do congresso da Federação Mundial de Revistas FIPP 2001 que decorreu no passado mês de Abril no Rio de Janeiro e Buenos Aires.

Três dias durante os quais editores de todo o mundo reflectiram sobre Marcas, Concentração e Globalização.

Os debates estenderam-se por temas tão vastos como fórmulas editoriais, estratégias de vendas, experiências com marcas alternativas de distribuição e a eficácia da imprensa como veículo de mensagens publicitárias. A concentração dos vários meios e o respectivo impacto no mercado de revistas foi um dos tópicos em análise e, como não poderia deixar de ser, a difícil tarefa de rentabilizar os investimentos na internet — consolidando as expectativas dos leitores com as necessidades dos anunciantes.

Neste leque variado de temas tão interessantes há um que prende

a minha atenção e que diz respeito á revolução em curso fruto da globalização e o seu efeito no segmento das revistas.

Os momentos actuais são um desafio importante tanto ao nível

da criação de conteúdos como da distribuição de revistas. De facto,

a necessidade de “reinventar” as relações até agora existentes — revista/leitor; anunciante/meio — é indiscutível, tudo deve ser posto em causa, já que é imperativo acompanhar esta evolução.

A forma como as pessoas tomam as suas decisões de compra, fazem as suas compras e os canais através dos quais as mensagens lhes chegam estão a mudar constantemente e a chave está na identificação cla-

ra dessas mudanças. Assim, a concorrência para captar a atenção do consumidor é desenfreada e o sucesso estará ao alcance daqueles que apresentarem mensagens que sejam ao mesmo tempo inovadoras, re-

levantes e “memoráveis”.

Não parecem subsistir dúvidas quanto a uma das fórmulas para vencer os desafios constantes nesta Era de Globalização: inovar a relação meio/revista e anunciante. De facto, as revistas deverão ser cada vez mais “partners” dos anunciantes e estes “partners” das revis-

tas. O grande desafio e objectivo de ambos é colocar-se junto do

consumidor informando-o e ajudando-o a tomar decisões, numa

perspectiva de igual para igual, com uma postura construtiva e ino-

vadora. Já lá vão os tempos em que os consumidores eram influen-

ciáveis; hoje exigem o melhor e não admitem erros. Assim, tanto

o meio/revista como o anunciante, trabalhando juntos, constroem

a vantagem competitiva necessária á prossecução dos seus objecti-

vos comuns: satisfação dos seus clientes e sucesso no seu mercado.

Deixe aqui o seu comentário