Grupo Renascença reforça liderança

Por a 20 de Julho de 2001

Rádio Renascença e RFM, ambas do Grupo Renascença, foram as estações mais ouvidas do segundo trimestre de 2001, período marcado pelo aumento do número de ouvintes quando comparado com o trimestre anterior

O segundo trimestre do ano revela um crescimento geral, embora reduzido, do número de ouvintes quando comparado com o trimestre anterior (Janeiro/Março 2001). No entanto, se a comparação tiver em conta o período homólogo (Abril/Junho 2000), o número de ouvintes é relativamente inferior: menos 0,4% do que nos três primeiros meses do ano passado.

A Rádio Renascença e a RFM mantêm-se no topo das preferências dos entrevistados, com uma Audiência Acumulada de Véspera (AAV) de 12,6 e 10,5%, respectivamente. «Quando me perguntam qual o nosso segredo, costumo responder: dêem alegria, sejam uma companhia e ofereçam informação o mais objectiva e correcta possível. É esta a nossa missão», justifica Fernando Magalhães Crespo, director executivo do Grupo Renascença.

Tendo em conta a variação absoluta entre o segundo trimestre do ano e os três primeiros meses de 2001, a RFM foi a estação que mais cresceu, com uma variação de 1,3%. Embora com um crescimento menor de AAV — 0,4% —, a Rádio Renascença contribuiu igualmente para a subida do Gru-po, enquanto a Mega FM registou uma descida de 0,3%. Segundo Magalhães Crespo, foi possível «inverter a tendência que o Canal 1 vinha a registar desde meados de 2000 e que nos começava a preocupar. Por outro lado, houve uma deslocação na audiência das rádios dirigidas ao público mais jovem, factor que prejudicou um pouco a Mega FM. Isso acontece sobretudo porque é difícil manter os picos neste segmento».

O panorama é um pouco menos optimista se tivermos em conta o período homólogo: Rádio Renascença e Mega FM descem, enquanto a RFM sobe 4,7%. Foi precisamente a pensar nas audiências que o grupo delineou a sua estratégia para o Verão. «Vamos apostar em acções fora da antena», garante aquele responsável.

O Grupo Media Capital Rádio segue a mesma tendência do Grupo Renascença, tendo registado no segundo trimestre do ano uma variação absoluta de 0,9%. No grupo, a estação que mais cresceu foi a Rádio Comercial, que, dos 8% de AAV do primeiro trimestre de 2001, passou para uma AAV de 9,2%. Rádio Nostalgia e Rádio Mix foram as únicas estações do grupo que baixaram as suas AAV. A primeira desce igualmente se comparado o segundo trimestre de 2001 com o período homólogo de 2000: -0,6%.

Rui Silvestre, director coordenador de marketing do Grupo, justifica este crescimento com o investimento contínuo «na melhoria dos nossos produtos, de forma a que estes correspondam ás preferências dos ouvintes. Este trabalho é fundamentado por um investimento permanente em pesquisa de mercado, ao mesmo tempo que garantimos o alargamento de cobertura e da qualidade do sinal rádio. Este ano a Rádio Comercial inaugurou já dois emissores [Lamego e Guarda] e Bragança arranca brevemente».

Depois do decréscimo verificado no primeiro trimestre do ano, a TSF volta a subir. Entre Abril e Junho a estação registou uma AAV de 3,9%, mais 0,6% de variação absoluta do que a alcançada nos primeiros três meses do ano e mais 0,1% em relação ao período homólogo. As estações estatais vivem realidades diferentes: enquanto a Antena 3 mantém a sua AAV, a Antena 1 desce de 4,1 para 3,1%.

Por regiões, a Rádio Renascença é a preferida na Grande Lisboa, com uma AAV de 59,3%, assim como no resto do país. A excepção verifica-se no Grande Porto, onde a liderança pertence á RFM, com 63,4% de AAV.

Deixe aqui o seu comentário