Pescanova faz convite á criação

Por a 28 de Julho de 2000

Para comemorar o Verão, a Pescanova convidou alguns artistas nacionais para criarem padrões exclusivos para os sacos térmicos oferecidos pela empresa

Na sequência da sua política de promoções contínuas, a Pescanova acaba de lançar novos sacos térmicos desenhados por conhecidos pintores e designers nacionais. Segundo Carlos Henriques, director da empresa, «a Pescanova sempre procurou apoiar as artes plásticas em Portugal, através de iniciativas que pode partilhar com os consumidores. Agora, procurámos trazer a arte para os sacos térmicos e a resposta dos artistas convidados foi de grande entusiasmo e criatividade». A escolha dos artistas Isabel Pyrrait, Henrique Cayatte e Antão de Almeida, que assinam os primeiros sacos térmicos exclusivos, não foi premeditada. «Foram contactados vários artistas e profissionais ligados ás artes gráficas, mas uns não estavam disponíveis no momento e outros só aceitavam se tivessem um modelo a seguir. Assim, os três escolhidos foram os que concordaram em colaborar», salienta Adelaide Teles, directora de comunicação da Fonte. A responsável pela agência de comunicação da Pescanova adianta ainda que foram dadas «liberdade e criatividade totais» aos artistas, que curiosamente escolheram todos imagens relacionadas com o mar e a praia. As escolhas foram óbvias, uma vez que a promoção destes sacos decorre durante todo o Verão. A ideia é oferecer os sacos térmicos em acções de promoção de produtos, iniciativa que a empresa há muito organiza. Ainda segundo Adelaide Teles, «esta campanha é uma continuação das promoções anteriores e a Pescanova deverá continuar com o projecto». Os sacos serão distribuídos durante toda a época balnear, em pontos de venda seleccionados, nomeadamente em hipermercados e lojas de ultracongelados. Em relação a campanhas de publicidade ou de divulgação especificamente dedicadas a estes sacos térmicos, Adelaide Teles acrescenta que «não há nada previsto. Somente em termos de comunicação, através da nossa agência, a Fonte».

Deixe aqui o seu comentário