O desafio de aprender

Por a 21 de Julho de 2000

Eduarda Maio Chefe de Redacção da TSF

A partir do próximo mês de Setembro, Eduarda Maio assume a chefia da redacção da TSF. A trabalhar há cerca de 13 anos como jornalista nesta estação, Eduarda Maio revela que as suas principais expectativas em relação ás suas futuras funções passam por «contribuir o mais que puder para que a TSF continue a ser um órgão de comunicação social de referência no que diz respeito á informação e, se possível, que consiga cumprir algumas das suas vocações… Uma rádio com rasgo, capaz de experimentar coisas novas, com ousadia quanto baste, que evolua no seu estilo obrigando as outras rádios a segui-la». Ainda sobre esta nova etapa, e em termos pessoais, a jornalista encara o regresso a Lisboa com alguma angústia e tristeza, porque «já vivi em Lisboa durante cinco anos e tomei a opção de regressar ao Porto». Do ponto de vista profissional, Eduarda Maio explica que as suas novas funções são encaradas «com o sabor de um novo desafio e como uma forma de aprender mais sobre este meio, pelo qual sou apaixonada». Começou a fazer rádio com 18 anos, numa estação “pirata”, a Rádio Onda Verde, na Póvoa de Varzim. Após esta experiência, é convidada para trabalhar na Antena 1, na área de Programas, onde esteve durante um ano. Posteriormente, e durante dois anos, integra a redacção da Antena 1, tendo no último ano acumulado a rádio com o trabalho na RTP. Tudo isto na Cidade Invicta. Após três anos na estação pública, a jornalista começa a sua carreira na TSF. Nos últimos cinco anos, conciliou a rádio com a televisão, através do programa “Juiz Decide”, na SIC. A opção pelo jornalismo surge durante a adolescência. Uma escolha que foi sempre acompanhada por uma visão romântica da profissão. «O jornalismo podia ser uma boa ferramenta para mudar o mundo e, como todos os jovens, eu tinha esse ideal», explica Eduarda Maio, que acrescenta: ã uma profissão onde ainda se pode sonhar, lutar por ideais, e mesmo que ás vezes não se dê por isso, ajudar a melhorar a vida dos outros.» O bloqueio na Ponte 25 de Abril, a emissão de Timor (apesar de não ter participado nela) e a reportagem no Saara Ocidental, onde durante duas semanas acompanhou a tragédia dos refugiados sarauis, no Sul da Argélia, foram os momentos profissionais que elege como mais marcantes. Além do trabalho entre as quatro paredes de um estúdio de rádio, Eduarda Maio assume a 100% o papel de mãe: «Cuidar do meu filho é uma actividade fantástica, que me tem ensinado imenso sobre o meu próprio passado e sobre aquilo que somos como seres humanos».

Deixe aqui o seu comentário