Um trimestre de valores atípicos

Por a 5 de Maio de 2000

Entre o “boom” das telecomunicações e a emergência de novas estruturas, o sector foi alvo de algumas alterações

Os primeiros três meses de actividade são marcados pela entrada de duas novas unidades de media: a Espaço OMD e a Nova Expressão, que pela primeira vez figuram no ranking. Uma visibilidade que, de acordo com Pedro Baltazar, director-geral da Nova Expressão, vem ao encontro «não de questões relacionadas com o nosso volume de negócio, mas sim com a estratégia de crescimento sustentado iniciada no ano passado pela agência». No que diz respeito a saídas, destaque para as ausências da Markimage e da Media Direction no ranking. A análise dos dados permite constatar que a agência que registou a maior subida foi a Media Specialist com um crescimento de 252,5%. Em segundo lugar figura a Global Media, que regista uma subida de 237,7%. Segundo Paulo Santos, director-geral da Global Media, este crescimento reflecte, «em primeiro lugar, o crescimento da Bates Portugal onde a agência de meios está inserida e, em segundo lugar, a aceitação deste projecto por parte dos clientes». Para Rogelio Fernández, director-geral da Carat Portugal, este trimestre não é significativo. De acordo com Rogelio Fernández – e no caso da Carat, que registou um crescimento de 3,9% -, «só a partir do segundo trimestre é que poderá ser feita uma análise mais pormenorizada». E conclui que «a Carat ganhou novos clientes nos últimos meses que ainda não efectuaram um investimento significativo, o que resulta, neste momento, numa análise variável e sazonal do mercado e destes valores».

Deixe aqui o seu comentário