Interact “arruma” a casa

Por a 28 de Abril de 2000

Cultivando a proximidade com o cliente, a Interact implementou o Act e o Intact, dois novos caminhos para resolver os problemas do anunciante

Depois da fusão com a Six e a Menano, chegou agora o momento de a Interact apresentar o novo sistema da agência. Trata-se, segundo Rodrigo Silva Gomes, director-geral da Interact, de dar prioridade áquilo que o profissional considera a mais-valia de uma agência: pensar nos problemas de comunicação juntamente com o cliente. Aliás, para a Interact sempre foi fundamental cultivar a proximidade com os clientes. Assim, sem perder de vista tal objectivo, a Interact implementou na agência dois novos caminhos de resolução dos problemas de comunicação dos clientes. Se o problema é estratégico, tudo se centra no desenvolvimento integral da marca, pelo que a Interact opta pelo Intact. A filosofia do Intact assenta no “pensar estrategicamente a vida da marca”. «Tudo é pensado estrategicamente desde o princípio», explica Rodrigo Silva Gomes, acrescentando que o Intact «garante o desenvolvimento de ideias criativas assentes em conceitos sólidos e duradouros e a optimização e integração dos recursos em função do interesse essencial do anunciante». Por outro lado, se o problema é táctico, a Interact vai encará-lo como um Act, que se traduz por tempos de execução mais rápidos, valores diferentes e parte do princípio de que existe um conhecimento prévio do problema de comunicação. “Pensar bem o pensamento do cliente” é a filosofia de base de um Act. No âmbito de um Act, a agência pode proceder, por exemplo, á concepção de uma peça adicional para uma campanha já em curso. Ou seja, um Act «permite partir de imediato para um trabalho criativo», diz o director. «Resolvemos “arrumar” o trabalho que entra na Interact desta maneira, filtrando imediatamente o problema por forma a definir o modo de agir», acrescenta Rodrigo Silva Gomes. Quanto á criatividade, a Interact continuará a operar centrada em perceber as verdadeiras motivações dos consumidores, desenvolvendo depois as soluções criativas mais adequadas. De resto, a agência continuará a trabalhar rodeada «das empresas nacionais que, em cada área de negócio, consideramos serem as melhores», diz Rodrigo Silva Gomes. Na media, a empresa contará com o apoio da Universal Media, enquanto na área de relações públicas manterá a parceria com a Emirec. Com 25 funcionários, a Interact pretende facturar um milhão de contos este ano. Refira-se ainda que a agência está a participar num novo new business: o concurso para a Alstom, empresa que construiu os comboios da Ponte 25 de Abril.

Deixe aqui o seu comentário