5 profissões que nos esquecemos que existem

Por a 11 de Fevereiro de 2019

5 profissoes que esquecemos que existemA verdade é que todos temos momentos em que reclamamos da nossa profissão. Sentimos que o nosso trabalho não é suficientemente valorizado ou que não nos dão o crédito que sentimos que merecemos. Ainda assim, há 5 profissões para as quais estamos certos de que esta realidade é ainda mais intensa! Venha conhecer as 5 profissões que nos esquecemos que existem. Todos os trabalhos têm as suas vantagens e as suas desvantagens mas, no que respeita a dificuldades, algumas pessoas parecem ter tirado a pior das sortes. Alguns empregos que permitem a nossa subsistência enquanto espécie social e que garantem o bom funcionamento do mundo como o conhecemos são feitos – literalmente – por entre o lixo e os despojos humanos, entre o que existe de mais putrefacto e indesejável. Muitas vezes, enquanto nos queixamos dos nossos empregos de escritório (e é certo que estes ofereçam as suas dificuldades!) esquecemos que existem pessoas com empregos mais débeis e que trabalham, diariamente, para garantir o bem-estar de todos nós. Estes não são apenas empregos que ninguém quer… são as profissões que, de alguma forma, esquecemos que existem… mas que notaríamos, caso falhassem. Venha conhecer as 5 profissões que nos esquecemos que existem.

1. Canalizador

Por muito que se fale a verdade é que o canalizador tem uma profissão que só recordamos quando nos faz falta. Estes profissionais irão mexer, literalmente, em qualquer pedaço da nossa canalização que necessite de ser restaurado ou desentupido, lidando, muitas vezes, com dejetos humanos e objetos putrefactos. Trata-se de uma profissão essencial para garantir que as tubagens das nossas casas e cidades se mantêm funcionais, garantindo uma vida mais simples para todos nós.

2. Desentupimento de esgotos

Os esgotos da nossa cidade são sujos e albergam criaturas como baratas e ratos. Detritos diversos ali permanecem e ficam, incluindo os dejetos humanos que tão habilmente descartamos com um toque no autoclismo. O Inspetor de esgotos anda por estes esgotos, chegando a entrar em túneis nos quais, literalmente, tem de se arrastar. Estes profissionais farão o que for necessário, por entre os excrementos e as criaturas, para garantir o desentupimento do esgoto e garantir o normal funcionamento da vida citadina.

3. Colector de lixo

Os colectores de lixo, vulgarmente conhecidos como “homens do lixo” ou “lixeiros” são as pessoas que tratam da recolha dos resíduos que criamos no nosso lar. Emprego usualmente noturno e feito quando a maioria das pessoas estão a dormir, este passa mais ou menos despercebido aos mais desatentos. Ainda assim, a verdade é que quando este funcionário não passa pela nossa rua, notamos a diferença que o seu trabalho faz nas nossas vidas e nas nossas cidades.

4. Funcionário de limpeza de WC portátil

Quando vamos aos festivais de verão ou a qualquer evento montado no exterior, costumamos deparar-nos com as pequenas retretes portáteis que servem o evento e permitem que o mesmo decorra, segundo as normas estipuladas de higiene e segurança e eficiência no aproveitamento da água. A limpeza deste tipo de casa de banho é feita com um aspirador de vácuo e um tanque por pessoas especializadas na sua utilização. A limpeza destas casas de banho é particularmente difícil e tem constrangimentos óbvios, de onde se destaca o odor. Embora quase todos já tenhamos recorrido a este tipo de WC, é raro pensarmos na forma como se efetua a sua limpeza, o que torna esta uma das profissões que nos esquecemos que existem.

5. Profissionais de limpeza de cena de crime

Quando se dá uma situação violenta ou um crime que envolve sangue, assim que perícia policial já fez o seu trabalho, é chamado um profissional ou uma equipa de profissionais para fazer a limpeza da cena do crime. Deste tipo de cenário não faz apenas parte o sangue mas, muitas vezes, restos humanos ou restos de animais, que implicam uma limpeza cuidada, com químicos e materiais perigosos. Este é, também, um trabalho que nem sempre lembramos que existe.

Deixe aqui o seu comentário