Redes sociais em Portugal: onde, como e quando (com vídeo)

Por a 21 de Dezembro de 2018

fb

Florbela Borges, managing director da Multidados, fez a radiografia do uso das redes sociais em Portugal com base num estudo com três mil inquiridos

“O Instagram está a ganhar peso a nível nacional. As pessoas procuram conteúdos mais credíveis e mais concisos”, apontou Florbela Borges, managing partner da Multidados, na abertura da conferência Comunicação em Debate, organizada pelo M&P. A responsável apresentou um estudo sobre o que o consumidor espera dos conteúdos online e qual a sua relação com as redes sociais, que tem por base três mil inquiridos.
Em Portugal o Facebook continua em destaque com 96 por cento dos inquiridos a garantirem que acedem diariamente a esta rede social e com 27 por cento a assegurar que passa entre uma a três horas por dia a ver conteúdos. “Antes que se diga que está na hora de fazer as malas para ir embora, não se pode pôr de lado o Facebook”, comentou Florbela Borges, a propósito dos sucessivos dados que indicam que esta rede social está a perder peso entre os mais novos.
A seguir surge o YouTube, que é acedido diariamente por dois terços dos inquiridos e em que uma em cada cinco pessoas diz que passa entre 30 minutos e uma hora a ver vídeos na plataforma. No caso do Instagram a rede surge com quase 60 por cento de acessos diários.
A maioria dos portugueses acompanha as redes sociais nas pausas (68,1 por cento) nos “tempos mortos” (61,3 por cento), ao almoço (45.4 por cento) ou em deslocações (36,2 por cento). De referir que há 27,6 por cento que se liga às redes sociais mal acorda e 21,5 por cento que o faz antes de adormecer. Casa (92 por cento), trabalho (50,9 por cento), restaurantes e bares (42.3 por cento) e transportes públicos (39,9 por cento) são os locais privilegiados para aceder às redes sociais para uso pessoal. Em casa, o local mais frequente para consultar é a sala de estar (81 por cento), seguindo-se o quarto (67,5 por cento), a cozinha (39,9 por cento) e a casa de banho (38 por cento).

Deixe aqui o seu comentário