Anunciantes contestam posição “unilateral” dos canais sobre medição de audiências TV

Por a 9 de Novembro de 2018

televisãoNa sequência do acordo transitório com a GfK anunciado pelos três canais generalistas para manter a medição de audiências até que se realize novo concurso, a APAN vem agora constestar aquilo que considera ser um “rompimento unilateral”. “A Associação Portuguesa de Anunciantes (APAN) registou com surpresa o anúncio por parte da RTP, SIC e TVI de que tencionam celebrar um novo acordo com a GfK para a medição de audiências televisivas”, pode ler-se no comunicado emitido pela associação, referindo que “tal anúncio materializa o rompimento unilateral por parte dos operadores televisivos em sinal aberto do consenso entre os principais stakeholders do mercado, mantido desde há oito anos no seio da CAEM”.

“Os anunciantes não aceitam e lamentam que seja colocada em causa uma instituição de autorregulação como a CAEM que tem dado provas da sua utilidade e que possa, assim, ficar abalada a confiança gerada ao longo dos últimos anos”, acrescenta o mesmo comunicado. A APAN, reitera Manuel Botelho, secretária-geral da associação, “foi sempre intransigente na defesa de um modelo de medição de audiências fiável e transparente, adaptado aos novos desenvolvimentos tecnológicos, já que eles são incontornáveis para planear e aferir os resultados dos investimentos feitos na promoção de produtos e serviços”.

Recorde-se que os três generalistas pretendem que o serviço de medição de audiências de televisão, actualmente prestado pela GfK, seja alvo de novo concurso durante o próximo ano de 2019, servindo o referido acordo para assegurar a medição até que o mesmo seja concluído. “Tendo presente que o contrato de prestação de serviços de medição de audiências celebrado entre a CAEM e a GfK cessa no próximo dia 31 de Dezembro, não tendo as partes logrado alcançar um entendimento relativamente à renovação ou prorrogação do mesmo, os operadores televisivos em apreço acordaram com a GfK, para garantir a estabilidade no mercado, a prestação do serviço de medição de audiências, a partir do dia 1 de Janeiro de 2019, por um período transitório de 12 meses”, explicavam, em comunicado conjunto, RTP, SIC e TVI.

No mesmo documento, as três estações adiantavam que “nesse intervalo, iniciar-se-á um procedimento concursal internacional para a prestação do serviço de medição de audiências por um período temporal mais alargado”, havendo disponibilidade “para incluir no referido acordo outros representantes do sector e do mercado”.

Deixe aqui o seu comentário