Fullsix e Observador juntam-se para a criação de conteúdos para marcas

Por a 19 de Junho de 2018

Gruner e faustino tamanho siteChama-se Co.lab e é uma marca que está a ser lançada pela Fullsix e pelo Observador para a definição de estratégias, criação e amplificação de conteúdos para marcas. “Muito mais do que um laboratório de conteúdos e estratégias. Colaboração. Numa época em que o individualismo parece vingar, é esta a palavra-chave da marca que a Fullsix e o Observador acabam de criar. Uma colaboração inédita entre duas empresas de referência no universo da comunicação em Portugal”, explicam.
“Este pretende ser um projeto inovador de criação e amplificação de conteúdos, que reúne as valências técnicas e o know-how de criação de conteúdo editorial, de criação de conteúdos para marcas e de implementação de campanhas de media performance. É uma nova forma de comunicar e, sobretudo, uma nova forma de estar na comunicação. Reflete uma sinergia estratégica que procura responder, da melhor forma, às necessidades das marcas, que cada vez mais precisam de adaptar as suas estratégias de marketing e comunicação para se manterem relevantes junto do seu público”, prosseguem, na apresentação da Co.lab, estrutura que terá “uma equipa multidisciplinar que reflete as competências de uma agência digital de comunicação e media e as valências de uma empresa editorial”.

Esta parceria é formalizada após um ano de trabalho para a Sonae Sierra, no qual têm sido desenvolvidos estratégias e conteúdos para os 22 shoppings do grupo e, mais recentemente, para marca de vinhos Periquita.

Por enquanto, explicam em entrevista conjunta ao M&P Jorge Faustino (director da Fullsix Content) e Rudolf Gruner (director geral do Observador), ainda não se trata da criação de uma empresa mas de uma marca, com a qual se vão apresentar ao mercado, uma espécie de “união de facto”.

E porquê? “Analisando o mercado, o que é que vemos? Cada vez mais as marcas a procurar novas formas e novos caminhos para chegar aos seus públicos, cada vez mais por via do digital, sendo que o digital é um mundo complexo. Exige muitos skills, muitas valências, é um mundo em permanente transformação, actualização e muito fragmentado. É um mundo difícil para as marcas comunicarem. Aquela ideia da publicidade através de banners, mrecs e afins continua a ter o seu espaço – felizmente e esperemos que por muitos anos -, mas é claramente insuficiente como forma de chegarem aos seus públicos. Sentimos que as marcas percebem cada vez mais a necessidade de contarem histórias, produzirem conteúdos sobre os seus projectos, os seus produtos, as suas campanhas, para conseguirem chegar ao seu publico de uma forma muito mais relevante”, explica Jorge Faustino.

logo_pretoTendo o nativo digital o OBS Lab e o grupo Fullsix a Fullsix Content, esta nova estrutura – que está baseada no jornal – estará focada em projectos de longo prazo e mais abrangentes, não interferindo nas outras estruturas. “Estamos a falar de valências como a ampliação de conteúdo, que pode transcender muito as plataformas do Observador, estamos a falar de estratégia digital, de marketing digital, que também não é propriamente o nosso core business. Portanto, vemos muita vantagem e muito valor em ir buscar os skills e as valências de uma agência como a Fullsix, que é a lider, a pioneira, e conseguimos ter uma proposta de valor muito mais alargada e completa e que não se limita só à comunicação por via das nossas plataformas”, prossegue Rudolf Gruner.  Mas, “na base, na parte que diz respeito à produção de conteúdo pura e directa, o que está por trás é bastante semelhante. É pensarmos nas marcas, nas histórias que queremos contar sobre as marcas e fazê-lo por via de um conteúdo, seja texto, video ou audio, que permita contar essas histórias. Desse ponto de vista o trabalho é relativamente parecido. só que depois há muito mais à volta deste pack de serviço que é oferecido do que aquilo que fazemos no Observador”.

“A ideia não é fazer projectos pontuais. É que as marcas nos confiem a estratégia, a de comunicação digital e de conteúdo, para o prazo de um ano ou mais”, acrescenta Jorge Faustino.

 

Os objectivos em termos de clientes e facturação, a forma como vêem a evolução tanto da publicidade em ambiente digital como do branded content, o pagamento de conteúdos e a conversão de leitores ou o movimento consultoras/agências são alguns dos temas abordados na entrevista que pode ler na próxima edição do M&P e no M&P Plus.

Deixe aqui o seu comentário