Observador estreia versão paga e entra no campeonato das assinaturas

Por a 26 de Abril de 2018

Observador PremiumO próximo dia 2 de Maio marca o arranque de uma nova fase para o Observador, site de informação cujo acesso gratuito se mantinha desde o lançamento em 2014 e que agora passará a contar com uma versão paga através de um programa de assinaturas. Prometendo que “a grande maioria dos artigos continuará a ser de acesso livre e irrestrito”, o título passa a disponibilizar a versão Observador Premium e “quem quiser ter acesso a todos os artigos do Observador, sem excepção, terá que fazer uma assinatura”. Quem optar por continuar a aceder apenas à versão gratuita terá a possibilidade de ler por mês sete artigos classificados como premium.

“Ponderámos maduramente este passo, pois desejamos que a informação que produzimos, as nossas reportagens e análises, as investigações que publicamos, as notícias que explicamos, os factos cuja veracidade verificamos, as opiniões a que damos voz, continuem a chegar ao maior número de leitores”, sublinha-se numa mensagem dos fundadores – António Carrapatoso, Duarte Schmidt Lino, José Manuel Fernandes e Rui Ramos – publicada esta manhã no site do Observador. Os responsáveis recordam o objectivo inicial de “sustentar o pagamento deste projecto exclusivamente com receitas de publicidade” mas reconhecem que é preciso encontrar novas formas de sustentabilidade. “Assim foi até hoje, com resultados que também nos orgulham e que têm sido investidos na qualidade do nosso jornalismo. Não é coisa pouca num sector martirizado por quebras de receitas e projectos de reestruturação. Mas não é suficiente”, pode ler-se na missiva endereçada aos leitores pelos quatro fundadores.

“A consolidação deste projecto passa agora também pela adesão do maior número possível dos nossos leitores ao projecto do Observador Premium, tornando-se assinantes e começando a pagar pelo jornalismo que até hoje lhes oferecemos sem lhes pedir qualquer contribuição”, justificam, acrescentando saber que “neste mundo onde a informação parece estar disponível, sem qualquer custo, a todas as esquinas, a grande maioria dos que nos visitam vai querer continuar a fazê-lo sem qualquer pagamento, e não iremos impedir que continuem a ler quantas notícias desejarem”. “Mas o acesso aos trabalhos que exigem mais esforço, mais investimento, que são mais diferenciados e exclusivos, e que passaremos a designar como premium, terá um limite mensal”, apontam, esperando que “a adesão do maior número ao programa de subscrições resulte numa forte diversificação da origem das nossas receitas, assim como em receitas mais robustas, duas condições indispensáveis para termos mais meios para fazer um jornalismo ainda melhor e, ao mesmo tempo, solidificarmos a cultura de liberdade que é a nossa e é a que permite respondermos apenas, nas escolhas editoriais que fazemos, aos nossos leitores”.

Além de disponibilizar outros formatos de assinatura para grupos e para empresas, a assinatura individual da versão Observador Premium, que permitirá o acesso aos conteúdos a partir de um máximo de três dispositivos, terá um custo de 7,90 euros mensais, arrancando com um preço promocional de 2 euros nos primeiros dois meses. Já a assinatura anual, será lançada com um custo de 39,90 euros a quem a subscrever durante o período de lançamento, passando depois ao custo normal de 79,90 euros.

Deixe aqui o seu comentário