Imprensa: valor seguro

Por a 14 de Abril de 2018
Luis Delgado, CEO da Trust in News

Luis Delgado, CEO da Trust in News

Hoje, como nunca, e num movimento que começa noutros países, os leitores estão a regressar aos media tradicionais, distribuídos em todos os meios. Até a rádio está a reanimar. Para grande espanto dos futuristas e catastrofistas.
E regressando os leitores, regressa a publicidade, a audiência, e o interesse. Por isso a imprensa (no seu sentido lato) voltará a ser um valor seguro.
As razões são simples e facilmente explicáveis: a imaterialidade do digital, a sua taxa de mortalidade, e a fluidez das suas modas e conteúdos tornam este meio cada vez mais cansativo. É indispensável, obviamente, e imortal, seguramente, mas começa a levar as novas e velhas gerações a quererem parar, por algum momento, para voltar a ler, ver e saber em papel, em televisão, em rádio. E este fenómeno também está a acontecer com uma geração que não se pode perder: os millenialls. É a nova vaga de leitores da imprensa tradicional. Por momento que seja, querem desligar de um dia totalmente virtual.
luis Delgado 1998Outra razão, tão forte como a primeira, e talvez mais decisiva, é a que tem a ver com os conteúdos, as fake news, a criação de factos inexistentes, e a indução de tendências irreais. É o reverso dos fenómenos Facebook, Trump, Brexit, e tantos outros que desconhecemos. Por agora. Os leitores estão a voltar ao jornalismo, mediador, assumido, e deontologicamente responsável. Mais do que nunca, as pessoas querem notícias verdadeiras (real news), escritas por jornalistas, e divulgadas por Media tradicionais e responsabilizáveis.
Assim sendo, a imprensa é um valor mais do que seguro. Nestes dias, tudo se joga no valor, e não mais no volume. Isto diz tudo.

Por Luis Delgado, CEO da Trust in News

O Meios&Publicidade faz 20 anos. A data é assinalada nesta edição, na qual – entre outros artigos – partilhamos reflexões sobre o presente e o futuro escritas por uma série de profissionais, que foram notícia em 1998 e/ou em 2008.

 

 

Um comentário

  1. vulkon

    17 de Abril de 2018 at 0:44

    Não vejo como é que alguém vai gastar dinheiro em comprar revistas e jornais em papel quando pode ter a mesma informação grátis na internet seja em que meio digital fôr… Há algo que não se pode esquecer.. O papel vem das árvores que são deitadas abaixo aos milhões para fazer papel . Portugal é um dos países que mais faz papel.. Infelizmente, porque essa indústria destroi o nosso ambiente .. os nossos rios.. basta ver o que as fábricas de celulose fazem no rio Tejo.. os incêndios que a plantação de eucaliptos provoca no Verão .. destroem casas e culturas… Incêndios que matam portugueses .. e destroem indústrias, aldeias, vilas e cidades… Acho que é tempo de acabar com a indústria de papel altamente poluente.. Não há necessidade de comprar jornais , revistas , livros.. Temos toda a informação que precisámos no digital… alimentar uma indústria do papel , da celulose que é um perigo para todos nós e que destroi o nosso ambiente

Deixe aqui o seu comentário