Unilever ameaça deixar publicidade do Google e Facebook - Meios & Publicidade - Meios & Publicidade

Unilever ameaça deixar publicidade do Google e Facebook

Por a 12 de Fevereiro de 2018

unileverO segundo maior anunciante do mundo ameaça deixar de fazer publicidade nas plataformas do Google e do Facebook. “Não podemos continuar a apoiar uma cadeia de fornecedores digitais, que distribui mais de um quarto da nossa publicidade dirigida aos consumidores e que, normalmente, é tão transparente quanto um pântano”, declarou Keith Weed, responsável máximo pelo marketing da Unilever.
Na conferência anual da Interactive Advertising Bureau, que está a decorrer na Califórnia, Keith Weed apontou para duas razões: métricas e qualidade dos conteúdos onde aparecem os anúncios. O orçamento mundial de marketing da Unilever é de oito mil milhões de euros, dos quais dois mil milhões vão para o digital. Apenas a Procter & Gamble consegue ultrapassar estes números.
“Vamos dar prioridades apenas as plataformas responsáveis que estão empenhadas na criação de um impacto positivo na sociedade”, defendeu Keith Weed esta segunda-feira de manhã, tendo criticado as plataformas digitais por serem veículos de fake news, racismo, sexismo e mensagens de grupos extremistas. O Google tinha já antes anunciado políticas mais restritas de monetização de conteúdos no YouTube, enquanto o Facebook está a alterar o algoritmo para dar prioridade aos conteúdos de amigos e pessoas próximas.
O mesmo responsável quer garantias de que os anúncios de marcas como Dove, Lipton ou Ben & Jerry’s são visto por pessoas reais, e que o portanto as visualizações não são manipuladas, e que os dados e as métricas sejam auditados por entidades independentes – algo que não acontece nos dois gigantes que concentram 60 por cento da publicidade digital mundial, como destacou a CNN. Recorde-se que a Unilever-Jerónimo Martins foi o maior anunciante em Portugal em 2017.

Deixe aqui o seu comentário