Bareme Imprensa: Erosão da audiência não dá tréguas aos títulos generalistas

Por a 15 de Dezembro de 2017

JornaisO cenário de erosão da audiência da imprensa generalista portuguesa continua a acentuar-se e apenas o jornal I consegue registar uma evolução positiva no último ano, de acordo com os mais recentes dados do Bareme Imprensa, relativos à segunda vaga de 2017. O título da Newsplex, com uma audiência média de 1,1% , sobe ligeiramente face aos 1% da vaga anterior e em comparação com os 0,9% da vaga homóloga, ultrapassando o companheiro de grupo Sol enquanto sexto generalista em audiências. Entre os títulos do top 5, apenas o Jornal de Notícias escapa às quebras na comparação com a vaga anterior mas acaba por ver a sua audiência diminuir quando comparada com os valores registados na vaga homóloga em 2016. Nos dados agora divulgados pelo estudo da Marktest, o Correio da Manhã mantém o estatuto de título mas lido do país com uma audiência média de 11,3%, mas não tem grandes motivos para festejar a liderança já que perde audiência face aos 11,8% que registava na vaga anterior e o cenário é ainda menos animador quando se olha para a vaga homóloga em 2016, altura em que o título da Cofina alcançava uma audiência média de 13,4%.

No segundo lugar permanece o Jornal de Notícias, o único generalista a subir face à vaga anterior, passando de 9,4% para 9,6%, embora a publicação do Global Media Group mantenha a tendência de quebra dos restantes títulos quando comparado com os 10,6% que apresentava na segunda vaga do ano anterior. Seguem-se, entre os generalistas, o semanário Expresso com 5,1% (que comparam com 5,7% na vaga anterior e com 5,8% na vaga homóloga), o Público com 4,1% (5% na primeira vaga deste ano e 4,9% na segunda vaga de 2016) e o Diário de Notícias com 3,2% (3,9% na vaga anterior e 3,7% na vaga homóloga). O Sol é agora o sétimo título generalista em audiências, descendo dos 1,3% registados nas duas vagas anteriores para os 1%.

Entre as newsmagazines, a Visão continua à frente, com 4,4% contra 3,2% da Sábado. No entanto, a revista da Cofina regista um desempenho positivo ao ver a sua audiência crescer face aos 3% da vaga anterior e aos 2,9% da vaga homóloga, enquanto a publicação em vias de ser alienada pela Impresa perde audiência comparativamente aos 4,7% da primeira vaga deste ano e aos 5,3% da segunda vaga de 2016.

No segmento económico, o Jornal de Negócios ultrapassa pela primeira vez a Exame e é agora o título mais lido do segmento com uma audiência média de 2,1%, descendo ligeiramente face aos 2,2% da vaga anterior mas segurando a mesma audiência que apresentava há um ano. Já a Exame desce para os 2% (2,3% na vaga anterior e 2,6% na vaga homóloga). Segue-se O Jornal Económico, com 2%, uma ligeira melhoria comparativamente aos 1,9% registados nas duas vagas anteriores.

No campeonato dos desportivos, A Bola segura a posição como título desportivo mais lido do país apesar de a audiência média de 7,5% representar uma descida  em relação aos 8,1% da vaga anterior e sobretudo aos 8,7% que alcançava há um ano atrás. Seguem-se o Record com 7% (tinha 7,4% na primeira vaga e 8,2% na mesma vaga em 2016) e O Jogo com 5% (5,8% na vaga anterior e 5,5% na vaga homóloga).

Deixe aqui o seu comentário