Processo de transição dos trabalhadores da Impresa Publishing para novo grupo já levou à saída de 16 pessoas

Por a 30 de Novembro de 2017

impresa fachadaNum plenário que teve lugar esta quarta-feira à tarde, e que contou com a presença dos sindicatos, os trabalhadores da Impresa Publishing exigiram a suspensão imediata do processo de “despedimentos/rescisões amigáveis” em curso e que já terá levado à saída de 16 profissionais. Na sequência desta reunião da Impresa que contou com a participação de cerca de 170 trabalhadores, e onde pela primeira vez estiveram presentes Arménio Carlos, secretário geral da CGTP, uma dirigente da UGT e a presidente do Sindicato dos Jornalistas, foi aprovado por unanimidade um documento onde é exigido também que seja fornecida informação aos trabalhadores sobre o processo em curso.

Segundo explicou à Lusa Alexandra Correia, da Comissão de Trabalhadores, os profissionais não receberam a informação a que têm direito, ao abrigo da legislação laboral, sobre o processo de reestruturação da empresa, nomeadamente sobre o número de trabalhadores a dispensar e o número de trabalhadores a transitar para o novo grupo editorial com a venda dos títulos. Na sequência do acordo com Luís Delgado para a alienação de todas as publicações do segmento de publishing à excepção da revista Blitz, o grupo Impresa fez saber na última semana que o processo de transição está em curso e que “transitarão para o novo grupo editorial os trabalhadores da Impresa Publishing afectos às marcas a ceder, incluindo jornalistas, gráficos, comerciais, bem como outros que pertencem à estrutura da organização”. O grupo ressalvou, contudo, que “esse número pode não compreender a totalidade das pessoas que trabalham na área das revistas do grupo, nomeadamente os que estão ligados à estrutura, o que poderá levar a Impresa Publishing a dar início a um processo de reestruturação”.

“Temos conhecimento informal de que cerca de 40 pessoas já foram chamadas e que 16 já saíram”, avançou à agência Lusa a mesma fonte da Comissão de Trabalhadores. Já na última semana a possibilidade de o processo de transição dos trabalhadores da Impresa Publishing para um novo grupo editorial resultar em despedimentos levou o Sindicato dos Jornalistas a exigir esclarecimentos ao grupo liderado por Francisco Pedro Balsemão. Em causa estaria a intenção de despedimento que teria sido transmitida a cerca de uma dezena de fotojornalistas, com o Sindicato a lembrar que “o Núcleo de Fotografia não é uma entidade autónoma e que os seus trabalhadores têm contratos assinados com a Impresa Publishing”.

“O SJ recorda que, nas reuniões que este sindicato manteve com a administração do grupo a que presidem, foi manifesto o compromisso de que evitariam despedimentos e que tudo fariam para que os postos de trabalho envolvidos na transmissão de estabelecimento fossem mantidos”, podia ler-se em comunicado emitido pelo organismo.

Deixe aqui o seu comentário