APCT: Diários generalistas venderam menos 17.538 exemplares/dia nos primeiros quatro meses do ano

Por a 29 de Junho de 2017

JornaisOs números da imprensa continuam a ser pouco animadores para os grupos de media portugueses já que nenhum dos títulos de informação geral auditados pela APCT escapou às quebras na circulação impressa paga. Analisando os quatro diários generalistas, nos primeiros quatro meses deste ano venderam-se menos 17.538 jornais por dia (161.478 exemplares), uma quebra na ordem dos 9,8% face ao período homólogo em 2016, altura em que juntos totalizavam uma média jornais vendidos diariamente de 179.016 exemplares. Apesar de todos os títulos, à excepção do Correio da Manhã, registarem subidas na circulação digital paga, apenas o Diário de Notícias e o Público encerram os primeiros quatro meses de 2017 com saldo positivo: o diário da Sonaecom cresce 2,8% na circulação total paga enquanto o título do Global Media Group sobe apenas 0,41%.

O líder em circulação impressa paga continua a ser o Correio da Manhã mas o título detido pelo grupo Cofina Media viu os seus números reduzidos para os 87.078 exemplares vendidos por dia entre Janeiro e Abril, uma quebra de 11,64% relativamente ao período homólogo em 2016 (-11.474 exemplares). Na segunda posição continua o Jornal de Notícias, com 46.278 exemplares, o que representa uma descida de 7,28% (-3.631 exemplares). Seguem-se o Público com 17.840, uma descida de 3,63%, e o Diário de Notícias, que sofre a maior quebra em termos percentuais (a maior em números absolutos pertence ao Correio da Manhã) ao ver a sua circulação impressa paga cair 14,62%, para os 10.282 exemplares (-1.761 exemplares).

Olhando apenas para as vendas em banca, o Correio da Manhã registou uma média entre Janeiro e Abril deste ano 86.423, uma descida de 12% em relação ao mesmo período em 2016. Seguem-se o JN com 38.863 (-9%), o Público com 13.020 (-4%) e o DN com 7.773 (-17%).

Alargando a análise ao Expresso, o único semanário com números auditados pela Associação Portuguesa para o Controle de Tiragem e Circulação, os números continuam a não dar motivos para sorrir. O semanário da Impresa registou entre Janeiro e Abril deste ano vendas em papel na casa dos 68.403 exemplares, uma quebra de 7.926 exemplares (-10,38%) face ao período homólogo. Nas newsmagazines mantém-se a liderança da Visão, com 61.971 exemplares (-11,73%), enquanto a Sábado registou 42.982 (-7,22%).

Ao nível da circulação digital paga, o título de informação em destaque é o Expresso, que lidera destacado com 23.216, uma crescimento de 17,87% comparativamente aos primeiros quatro meses de 2016. Na segunda posição surge o Público, que é líder no digital entre os diários, com uma circulação digital paga de 13.163, uma subida de 13,06%. Seguem-se o JN com 4.536 (+17,76%), o DN com 3.534 (+105,94%) e o Correio da Manhã, que com 928 (-26,17%) é o único título a sofrer quebras também no digital.

No total, o Expresso mantém a posição jornal de informação geral com maior circulação paga total com 91.619, embora esse número traduza uma quebra 4,59% face ao período de Janeiro a Abril de 2016. Segue-se o Correio da Manhã com 88.006 (-11,83%), o JN com 50.814 (-5,48%), o Público com 30973 (+2,8%) e o DN com 13.816 (+0,41%).

Deixe aqui o seu comentário