Como André Sousa Moreira ganhou seis leões em Cannes

Por a 26 de Junho de 2017

19420577_10155162758716187_5915549541874265342_nO criativo português André Sousa Moreira somou seis leões graças a cinco trabalhos desenvolvidos na agência Tapsa/ Y&R Madrid, onde é art director desde 2015. “Ganhámos um bronze e uma prata em Print & Publishing com uma campanha para a Associação de Floristas de Espanha com o título Disasters. Mostramos cenários de destruição causada pelo ser humano. Vê-se uma flor a sair dos destroços, mostrando que a beleza da natureza prevalece sobre qualquer coisa”, comenta ao M&P o criativo que em Portugal passou pela Brandia Central e Leo Burnett, até rumar à capital espanhola em 2013 para integrar a Lola MullenLowe. A estes dois leões somou-se ainda um bronze em Print & Publishing com uma peça para a Opel para promover o sistema de reconhecimento de sinais. “Recorremos a sinais de estrada para contar histórias de condutores”, detalha.
tapsaNa competição de Media, o projecto Broken Hearts para o produtor de doces Fiesta rendeu um leão de prata. “Quando visitei a fábrica de Fiesta reparei que ao produzirem o seu produto mais conhecido, o Piruleta, um chupa-chupa em forma de coração, muitos deles ficam danificados no processo de fabrico e vão para o lixo. A partir daí surgiu a ideia de vendê-los sob a marca Broken Hearts e todos os lucros gerados com as vendas destinam-se a ajudar crianças com problemas de coração”, descreve André Sousa Moreira
No último dia do festival, foi a vez de André Sousa Moreira subir ao palco para receber um leão de ouro em Rádio. O criativo explica em que consistia o spot: “É uma campanha para uma emissora de rock online que toca música rock 12 horas sem interrupções. Para isso criamos uma campanha donde mostramos que a publicidade já usou e abusou dos clássicos de rock. Então mudámos as letras fazendo publicidade a um barbecue, uma marca de tintas ou a uma marca de aluguer de carros”.  Ainda em Rádio, o criativo e a agência de Madrid foram distinguidos com bronze com The Spot I’ll Never Hear,  para Fundación Telefónica. O festival terminou este sábado.

Foto: Jesús Morilla (head of art), Tute Ostiglia (director criativo geral), André Sousa Moreira (director de arte), David Pascual (director de arte), Ricardo Uribe (director criativo), Mauricio Rocha (CCO), Miguel Provencio (copywriter) e Nieves Duran (directora-geral)

Deixe aqui o seu comentário