Reestruturação na SIC

Por a 8 de Março de 2017
SIC

Depois de ser confirmado um plano de redução de custos na Cofina, também a Impresa”confirma que levou a cabo e concluiu esta semana um processo de rescisões, que afectou apenas a SIC”. Fonte oficial do grupo adianta que existiu “uma reestruturação nalgumas áreas, onde se destaca a dos canais temáticos, em que serão implementados novos processos funcionais, mais coesos, que permitam reforçar e consolidar as audiências dos canais”. Neste processo de reestruturação terão saído da SIC 15 a 20 pessoas, sete das quais jornalistas/repórteres de imagem. Ao que o M&P apurou, Sofia Carvalho, directora da SIC Mulher, e também da Activa, foi uma das abrangidas pelo processo de reestruturação, que garante o grupo, fica assim concluído. Não é conhecido o nome da/o novo responsável do canal, que faz hoje 14 anos.
O relatório e contas da Impresa foi conhecido na última semana. Nele pode  ler-se que, apesar de a área de televisão manter um EBITDA positivo na ordem dos 18,9 milhões de euros. Contudo, este valor traduz uma quebra de 20,4% face aos 23,7 milhões registados em 2015. Embora tenha conseguido um crescimento de 0,8% nas receitas publicitárias, de 93,9 milhões de euros para 94,7 milhões, as receitas totais do segmento acabaram por registar uma descida de 10,1%, passando de 173,6 milhões de euros em 2015 para 156,2 milhões no último ano. Para esta descida contribuíram a redução de 13,8% nas receitas de subscrição de canais (de 50,4 milhões de euros para 43,5 milhões), a quebra de 32,2% nas receitas de multimédia (de 20,3 milhões para 13,8 milhões) e a contracção do item outras receitas em 52,7% (dos 9 milhões de euros para os 4,3 milhões). “As receitas de publicidade, que  representam  61%  do  total  das  receitas,  tiveram  um  bom desempenho, tendo aumentado 0,8% no ano e crescido 3,6% no quarto trimestre, alinhadas  com  o  mercado”, começa por referir o grupo em comunicado enviado à CMVM, explicando que “no  entanto,  a  performance  global  do  ano  foi  em  parte  prejudicada  por consequência de eventos não transmitidos pela estação, como o Euro 2016, e ainda pela quebra de audiências nos meses de Verão”. As quebras nas receitas do sector foram equilibradas com uma redução de 8,4% nos custos operacionais, que passaram dos 149,9 milhões de euros para os 137,3 milhões, “uma forte redução dos custos operacionais”, explica o grupo, “por via da redução  dos  custos  de  grelha,  pessoal,  multimédia  e  distribuição  de  canais”.

Um comentário

  1. INFORMADO

    13 de Março de 2017 at 2:08

    Só 20 pessoas ?? Eu se fosse o responsável, na SIC, pela reestruturação ia muito mais longe. Há jornalistas e apresentadores a mais . Gente que está na prateleira sem fazer nada.

Deixe aqui o seu comentário