Havas do Reino Unido retira publicidade do Google e YouTube. Google garante que fará “as alterações necessárias”

Por a 20 de Março de 2017

youtubeO Havas Group UK retirou os anúncios dos seus clientes do Reino Unido das plataformas do Google, incluindo o YouTube. Esta decisão, conhecida sexta-feira, abrange marcas como a empresa de telecomunicações O2, a eléctrica EDF, o Royal Mail, a BBC, a Dominos, a Emirates e o grupo Hyundai Kia. Segundo Paul Frampton, responsável pelo Havas Group UK, os acordos foram suspensos “porque o Google não garante que os anúncios publicitários sejam apresentados com a rapidez suficiente e com todos os filtros adequados”. “Temos o dever de garantir aos nossos clientes a localização dos seus anúncios num contexto adequado e de acordo com as normas em vigor para conseguir atingir os objectivos traçados”, referiu o mesmo responsável.
O grupo Havas do Reino Unido não está sozinho nesta matéria. O governo britânico queixou-se, após uma denúncia do jornal The Times, de que os anúncios das entidades governamentais apareciam ao lado de conteúdos políticos e religiosos extremistas. A Transport of London, que agrega as empresas de transporte público, e o jornal The Guardian também anunciaram que deixaram de investir no Google e no YouTube.
O CEO do grupo Havas, Yannick Bolloré, admitiu no Twitter que não estava a par da decisão tomada pelas suas agências no Reino Unido. “Vou investigar o que se passou até fazer uma declaração oficial”, declarou sexta-feira.

Fonte oficial do Google em Portugal argumenta, a propósito deste caso e em declarações ao M&P, que a empresa “tem directrizes rígidas que definem onde os anúncios do Google devem ser exibidos e, na grande maioria dos casos, as nossas políticas funcionam como pretendido, protegendo utilizadores e anunciantes de conteúdo prejudicial ou inapropriado. Aceitamos que nem sempre acontece o que é suposto, e que, por vezes, os anúncios aparecem onde não devem”. O Google assume “o compromisso de melhorar. Faremos as alterações necessárias nas nossas políticas e nos controles da marca para os anunciantes”.

 

Deixe aqui o seu comentário