A comunicar se vai ao longe no Web Summit

Por a 4 de Novembro de 2016

Marta Gonçalves O início de uma empresa, seja ela qual for, é repleto de desafios e obstáculos. O percurso de empreendedores e startups é particularmente exigente. O que é então preciso para que um novo projecto, uma organização recente, uma startup, singre e consiga crescer? E como pode a comunicação contribuir?
A poucos dias do Web Summit – o maior evento europeu de tecnologia e onde as startups estão no centro – a comunicação está em destaque. A comunicação que ajudou o evento a duplicar de tamanho em relação ao de 2015 em Dublin, que fez com que este fosse disputado por muitos países para a sua organização, que ajudou ao interesse planetário em relação a Lisboa.
Todos já ouvimos falar de startups. Sabemos, directa ou indirectamente de alguém que lançou uma. Apesar de os portugueses serem, na União Europeia, dos que mais arriscam no empreendedorismo, Portugal tem uma das menores taxas de sobrevivência entre as empresas mais jovens.
A sobrevivência, crescimento e prosperidade requerem capacidade de implementar ideias originais, verdadeiramente diferentes da concorrência, com características únicas que se destaquem. Seja qual for o percurso da empresa, a comunicação é, em todas as fases e momentos, decisiva. Para que haja reconhecimento e posicionamento desta no mercado.
E para conseguir esse posicionamento terá de se contar uma história. Como a história do Web Summit, que começou em 2010 como uma pequena conferência de startups, em que a média de idades dos participantes era de 20 anos. A média de idades dos mais de 50.000 participantes – sete mil deles CEO – de Lisboa é de 36 anos. Todos eles sabem que cada ideia, cada projecto e cada empresa é uma história. Para ser criada e contada, de forma contínua e sem interrupções, para que seja reconhecida, partilhada, lembrada. Para que se torne familiar.
Uma estratégia de comunicação bem delineada é decisiva, as acções certas ajudam a descodificar o produto ou do serviço, a construir reputação, confiança e credibilidade. A oferta formativa e o modelo desenvolvido ajudam as startups a contar a sua história, encontrar a voz própria, que faça de uma mensagem clara e simples algo de interessante e único. A comunicação é uma das chaves do sucesso de eventos como o Web Summit.

Artigo de opinião de Marta Gonçalves, managing partner da Say U Consulting

Deixe aqui o seu comentário