Uma visão estratégica para 2016

Por a 3 de Fevereiro de 2016

Rodrigo SaraivaNa Ipsis e na Ketchum pensamos diariamente no futuro. Todos os dias nos questionamos sobre o mesmo, pois só assim antecipamos tendências, do que será a next big thing? E quando um questiona muitos respondem. E assim vamos evoluindo e conseguindo entregar as melhores estratégias e tácticas às marcas e organizações que em nós confiam.
É deste debate interno e assentes na metodologia PESO, uma visão integrada dos media, que produzimos o nosso digital almanac, compilando assim uma visão global de milhares de profissionais que a nível mundial pensam comunicação como uma ferramenta fundamental de gestão de marcas, pessoas e organizações.
Analisando os caminhos percorridos e desafios enfrentados ao longo de 2015, perspectivamos que em 2016 o mundo da comunicação digital estará assente em sete grandes tendências. Que não se entenda tendência como algo novo, que vai surgir. Pode sê-lo, mas também afirmamos aqui áreas ou características que acreditamos que vão manter a sua preponderância, como a relevância do vídeo ou o crescimento dos influenciadores.

#1 Influenciadores
Os influenciadores estão a emergir na internet, em todos os mercados. Isto faz com que o planeamento e a criação de métricas seja complexo, no entanto a construção de relações não se alterou. Neste campo destacamos o papel dos youtubers, que depois dos bloguers se afirmam como fortes influenciadores.

#2 Paid e earned
Fazer uma gestão de campanhas utilizando o paid para amplificar o earned faz com que estas proporcionem um maior retorno sobre o investimento.Seja nas agências ou nos clientes é fundamental a existência de profissionais com visão, capacidade e autoridade para integrarem o paid e o earned, bem como o share e o owned.

#3 Autenticidade
As organizações bem-sucedidas constroem a sua reputação online ao terem uma política transparente, sincera e interagindo com o seu público como pessoas autênticas, em tempo real. Ser genuíno. Nem é preciso dizer mais nada.

#4 A internet são pessoas
As organizações precisam de sair do caminho e darem espaço para as pessoas construírem relações online, como fazem na “vida normal”. Ainda há quem, sobretudo marcas, se esqueça de que o potencial da internet é o relacional.

#5 Vídeo
Se ainda não utiliza vídeo, necessita de agarrar numa câmara e começar já. A internet adora live stream e vídeos de curto formato. A palavra é a mensagem. Há imagens que valem por mil palavras. O vídeo dá-lhes movimento, mais vida, mais interacção.

#6 Amadurecimento das redes sociais
O ecossistema das redes sociais está a amadurecer em torno do Facebook, Instagram, Snapchat e Twitter, no entanto não devem ser subestimadas redes sociais como a chinesa Wēixìn. E nunca ficar preso na maturidade. Pois algo pode surgir de novo. Até mesmo as redes maduras inovam permanentemente.

#7 Comunidades
Nichos construídos em torno de um propósito comum é uma das formas mais influentes de media. Muitas vezes comete-se o erro de querer fazer chegar a mensagem ao mundo inteiro quando o target é mais reduzido. Antever dá a capacidade de decidir entre a rajada de metralhadora ou um tiro certeiro de sniper. Isto é apenas um resumo do muito que encontraremos em 2016. Como referido, algumas são novidades e outras estão em fase de amadurecimento. E com a dinâmica do mundo actual, seja ele offline ou online, mas sobretudo este último, este Almanac, estas sete tendências, não podem ser estanques. Pelo que o estado “em actualização” é e será permanente. Adicionalmente, pois mais do que uma tendência, é preciso ter as equipas preparadas e apetrechadas de boas metodologias e ferramentas de mensuração. Venha então 2016.

Artigo de opinião de Rodrigo Saraiva, managing partner da Ipsis

Deixe aqui o seu comentário