Agência sofre…

Por a 15 de Fevereiro de 2016
António Lobato Mello

António Lobato Mello

Como publicitário, e claro curioso, sempre gostei das quartas-feiras, porque além dos jogos da Champions, é o dia de mudar os mupis.  Para o bem e para o mal.
Neste caso foi para o mal ou para o péssimo.
Há uma Marca, que começa por M, que é líder e que tem excelentes produtos.
E lá em casa até consumimos alguns.
Como tenho o hábito agradável de passear muito pela capital e como sou um “agarrado” do Instagram, fotografo tudo e mais alguma coisa (Marcas e Ideias incluídas).
Acabei por disparar o meu iPhone, tal o impacto da campanha.
A Marca Mimosa, presenteou-nos com três mupis, com o objectivo de mostrar ao mundo a sua nova embalagem.
Ou seja, a Mensagem é a Embalagem.
Pertinente e importante, para o Marketing/Vendas, não tanto para os consumidores. A não ser que fosse uma embalagem revolucionária, ou de tal modo inovadora – o que é muito difícil hoje em dia – aliada a uma grande ideia (o que acredito seja mais fácil), justificando assim o investimento em mupis e em TV.  Não é o caso…
Os mupis retratam três cenas de consumo típicas e familiares, em cozinhas, mais ou menos equipadas, obedecendo a diferentes layouts, cromaticamente às cores identificativas da Mimosa, e todos eles apresentam com o devido destaque a nova embalagem, onde consta o famoso flash que diz “abertura prática – e não salpica”.
mimosaUma breve descrição:
Cartaz 1
Mãe perto dos 30 e Filha na infantil. O relógio de parede marca 9 horas (pormenor importante) e uma miúda segurando o pack com as 2 mãos, vigiada pela mãe, verte o leite em copo Mimosa.
Cartaz 2
Jovem, à volta dos 20 anos, vestido com as cores da marca e barba de três dias, abre a embalagem, estabelecendo um perturbador “eye contact” com a embalagem.
Cartaz 3
Rapariga, de camisa de ganga azul, verte com a mão esquerda (canhota ?), não para um copo, mas para tigela com cereais. A preocupação com a linha assim o dita.
Não consigo perceber, toda a racionalidade, por trás destas fotografias.
Toda a encenação, a plasticidade e artificialidade que retratam as três cenas.
Recuámos para os anos 80?
A Mimosa é uma marca para a família, o que não quer dizer que seja familiar para as pessoas. No caso da Mimosa até é verdade.
É uma Marca com uma carga emocional, querida e relevante na vida dos portugueses.
Posso estar enganado, mas palpita-me que saiu o que saiu, porque há quem diga que o cliente tem sempre razão, e porque quem paga é ele. Aceito mais a última.
coca-colaFelizmente, no mesmo período estava no ar a nova campanha da Coca-Cola com excelentes fotos.
E essa melhorou a minha quarta-feira.

Artigo de opinião de António Mello, publicitário

Deixe aqui o seu comentário